Dama de Espadas - trajetória de um Blues Carioca

  • Marcela Velon Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: compositoras brasileiras, Ethnomusicologia feminista, Feminismo, CCanção popular brasileira, Canto popular brasileiro

Resumo

A canção “Dama de espadas”, de Ilessi e Iara Ferreira, é referência da produção de uma nova geração de compositoras residentes no Rio de Janeiro. Cantautoras intensamente atuantes no cenário artístico contemporâneo, ambas buscam construir novas narrativas na dimensão literária e musical da canção. Buscamos compreender o que as motivou a compor – o contexto de produção, performance e fruição – e observar como se construiu um diálogo com o blues enquanto gênero musical negro surgido nos Estados Unidos, constituindo dois territórios atravessados pelas lutas das mulheres e separados por aproximadamente um século. A análise conta como principais referências os trabalhos de (1) Angela Davis, com o seu panorama sobre a constituição do blues a partir de Bessie Smith e Ma Rainey, e (2) Silvia Federici, com sua abordagem sobre o surgimento do capitalismo e os diversos mecanismos de controle impostos às mulheres para servirem a essa lógica vigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Velon, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Marcela Velon é mestre em Musicologia/Documentação Histórica pela UNIRIO, realizou a pesquisa “Elizeth Cardoso e o canto popular urbano brasileiro – Cinco décadas em cinco momentos”. Integra o coletivo Essa Mulher que busca promover, incentivar, documentar e visibilizar a produção de mulheres na música; o Sonora – Festival Internacional de Compositoras (coordenação de cidades e núcleo RJ); e a Primavera das Mulheres, coletivo que apresenta um show-manifesto feminista, entre outras ações. Email: marcelavelon@gmail.com

Referências

Adichie, Chimamanda Ngozi. 2015. Sejamos todos feministas. Tradução: Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras.

Adichie, Chimananda Ngozi. 2017. Para educar crianças feministas. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Araújo, Samuel. 2018 [no prelo]. Reengaging Sound Praxis in the Real World: Politico-Epistemological Dimensions of Dialogue and Participation in Knowledge Production. In Transforming Ethnomusicological Praxis through Activism and Community Engagement, org. Salwa El-Shawan Castelo Branco e Beverly Diamond. Oxford: Oxford University Press.

Becker, Howard S. 2010. Mundos da arte. Lisboa: Livros Horizonte.

Christianis, Cristóvão e Maristela Zamoner. 2011. Reflexões sobre o bolero e sua história. EFDeportes.com (revista digital). Buenos Aires, ano 16, nº 159.

Davis, Angela Y. 1998. I Used to Be Your Sweet Mama: Ideology, Sexuality, and Domesticity. In Blues Legacies and Black Feminism: Gertrude “Ma”Rainey, Bessie Smith, and Billie Holiday, 3-41. New York: Pantheon Books.

Davis, Angela Y. 2016. Mulheres, raça e classe. Tradução: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo.

Doubleday, Veronica. 2008. Sounds of Power: An Overview of Musical Instruments and Gender. Ethnomusicology Fórum, vol. 17, nº 1, “Sounds of Power”: Musical Instruments and Gender (Jun. 2008), 3-39.

Federici, Silvia. 2017. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante.

Hooks, Bell. 2018. O feminismo é para todo mundo – Políticas arrebatadoras. Tradução: Ana Luisa Libânio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Igayara-Souza, Susana Cecilia Almeida. 2011. Entre palcos e páginas: a produção escrita por mulheres sobre música na história da educação musical no Brasil (1907-1958). Tese de doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Jones, Leroi. 1969. Blues People: Música negra en la América blanca. Traducción: Carlos Ribalta. Barcelona: Editorial Lumen.

LoVetri, Jeannie. 2018. Somatic Voicework: The LoVetri Method (apostila de curso, nível 2). São Paulo: FMU.

McClary, Susan. 2002. Feminine Endings: Music, gender & sexuality. Minnesota: University of Minnesota.

Palheiros, Graça Boal. 2016. Funções e modos de ouvir música de crianças e adolescentes, em diferentes contextos. In: Em busca da mente musical: Ensaios sobre os processos cognitivos em música – da percepção à produção, org. Beatriz Senoi Illari. Curitiba: Ed. da UFPR.

Perrot, Michelle. 2017. Minha história das mulheres. Tradução: Angela M. S. Côrrea. 2ª edição. São Paulo: Contexto.

Primavera feminista no Brasil. 2015. El País, 12/11/2015. https://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/13/opinion/1447369533_406426.html (acessado em 3/12/2017).

Rosa, Antonilde. 2017. Toca Que Nem Homem!. Catarinas, 4/12/2017. https://catarinas.info/colunas/toca-que-nem-homem/.

Schuller, Gunther. 1968. O velho jazz: suas raízes e seu desenvolvimento musical. Tradução: Ruy Jungmann. São Paulo: Editora Cultrix.

Sundberg, Johan. 2015. Ciência da voz: fatos sobre a voz na fala e no canto. Tradução e revisão: Gláucia Laís Salomão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Tinhorão, José Ramos. 2011. Origens da canção urbana. 1ª edição. São Paulo: Ed. 34.

Woolf, Virginia. 2018. Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Tradução: Denise Bottmann. Porto Alegre: L&PM.

Audiovisual

Dias, Luana e Luisa Lacerda. 2016. Dama de espadas. https://www.youtube.com/watch?v=sWCavDRzcTI.

Ilessi. 2018. Dama de espadas. Coletivo Imaginário. Mostra Cantautores. Belo Horizonte. https://www.youtube.com/watch?v=BCMs5noGdVM.

Ilessi. 2017. Primavera das mulheres. Cine Brasil. https://www.facebook.com/Showprimaveradasmulheres/videos/526900661018707/.

Ilessi e Luiza Sales. 2017. Dama de espadas. Meninas do Brasil. https://www.youtube.com/watch?v=0Z-bcFSYzI4.

Entrevistas

Addor, Elisa. Entrevista realizada por telefone. Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 2017. 1 arquivo de áudio com 1’.

Dias, Luana. Entrevista realizada por telefone. Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 2017. 2 arquivos de áudio totalizando 3’.

Ferreira, Iara. Entrevista realizada na residência da compositora em Copacabana. Rio de Janeiro, 3 de novembro de 2017. 1 arquivo de áudio com 32’.

Ilessi. Entrevista realizada no Instituto Villa-Lobos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Rio de Janeiro, 8 de novembro de 2017. 5 arquivos de áudio totalizando 53’.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
Velon, M. (2019). Dama de Espadas - trajetória de um Blues Carioca. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 4(1), 237-263. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2019.150078
Seção
Artigos

Dados de financiamento