Uma paciência selvagem trouxe-me até aqui: escrita em processo sobre processos de construção de lesbianidades através de escrita, circulação de textos e leitura

Palavras-chave: Lesbianidades, Imprensa lésbica brasileira, Antropologia textual, Literacies, Gênero

Resumo

O presente trabalho, formulado inicialmente como trabalho de conclusão de um curso sobre etnografia e textualidade, apresenta parte dos resultados de pesquisa de mestrado da autora sobre publicações lésbicas de caráter periódico no Brasil e sua construção e circulação através de redes de correspondência, criando espaços para elaboração identitária, experimentação de escrita e construção política. Aqui, discuto gênero e gênero textual (gender, genre), a partir de uma perspectiva pós-estruturalista. O texto é construído através de e-mails e uma carta escrita a mão, em uma proposta de emulação do gênero epistolar, tendo o devaneio e a digressão como uma das marcas textuais empregadas para tal e a impossibilidade de edição como impulso para uma criação incremental e fragmentária dos argumentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Maia, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional

Carolina Maia é formada em Comunicação Social (Jornalismo/UFRGS), especialista em Gênero e Sexualidade (CLAM/IMS/UERJ), mestre e doutoranda em Antropologia Social (PPGAS/MN/UFRJ). Sua dissertação de mestrado, “Entre armários e caixas postais: correspondências, escritas de si e constituição de redes na imprensa lésbica brasileira” (2017), ganhou o prêmio de melhor dissertação no biênio 2016-2018 da Associação Brasileira de Estudos da Homossexualidade. Atualmente, pesquisa procedimentos caseiros de inseminação assistida. E-mail: carolinamaia@ufrj.br

Referências

Anzaldúa, Gloria E. 2000. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1: 229-236.

Anzaldúa, Gloria E. 2009. Speaking in tongues: a letter to Third World women writers. In: G. E. Anzaldúa & A. Keating (ed.), The Gloria Anzaldúa Reader. Durham; London: Duke University Press.

Anzaldúa, Gloria E. & Keating, AnaLouise. 2015. Light in the dark/luz en lo oscuro: rewriting identity, spirituality, reality. Durham/London: Duke University Press.

Blommaert, Jan. 2007. Grassroots literacies: writing, identity in Central Africa. London: Routledge.

Buitoni, Dulcília Schroeder. 1986. Imprensa Feminina. São Paulo: Ática.

Butler, Judith. 1993. Bodies that matter: on the discursive limits of sex. New York: Routledge.

Butler, Judith. 1999. Excitable Speech: a politics of the performative. New York: Routledge,

Butler, Judith. 2010. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Clifford, James. 1986. Introduction: partial truths. In: CLIFFORD, James & MARCUS, George (eds.). Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley: University of California Press.

Cole, Sally. Ruth Landes and the early ethnography on race and gender. In: Behar, Ruth & Gordon, Deborah (orgs.). Women Writing Culture. Berkeley: University of California Press.

Derrida, Jacques. 1999. Gramatologia. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

Derrida, Jacques. 2002. A Escritura e a Diferença. 7 ed. São Paulo: Perspectiva.

Duarte, Constância Lima. 2016. A história possível: imprensa e emancipação da mulher no Brasil do século XIX.

In: Imprensa feminina e feminista no Brasil – Século XIX. São Paulo: Autêntica.

Keating, AnaLouise. 2015. Re-envisioning Coyolxauhqui, decolonizing reality: Anzaldúa’s twenty-first-century imperative. In: G. E. Anzaldúa & A. Keating, Light in the dark/luz en lo oscuro: rewriting identity, spirituality, reality. Durham/London: Duke University Press.

Lorde, Audre. 1984. Age, race, class and sex: women redefining difference. In: Sister outsider: Essays and speeches. Freedom, CA. Press.

Lutkehaus, Nancy. 1995. Margaret Mead and the “Rustling-of-the-Wind-in-the-Palm-Trees School” of Ethnographic Writing. In: Behar, Ruth & Gordon, Deborah (orgs.). Women Writing Culture. Berkeley: University of California Press.

MacRae, Edward. 1990. A construção da igualdade: identidade sexual e política no Brasil da abertura. Campinas: Editora da UNICAMP.

Maia, Carolina. 2017a. Entre armários e caixas postais: correspondências, escritas de si e constituição de redes na imprensa lésbica brasileira. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Maia, Carolina. 2017b. Escritas de si, polifonia e constituição de redes na imprensa lésbica brasileira: uma discussão da revista Femme (1993-1995). In: 13º Mundos de Mulheres e Fazendo Gênero. Transformações, conexões e deslocamentos. Anais […]. Florianópolis, p. 1-13.

Malinowski, Bronislaw. 1997. Um diário no sentido estrito do termo. Rio de Janeiro: Record.

Malinowski, Bronislaw. 1998. Os Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural.

Meccia, Ernesto. 2016. El tiempo no para: Los últimos homosexuales cuentan la historia. Buenos Aires: Eudeba, Ediciones UNL.

Mira, Maria Celeste. 2003. O masculino e o feminino nas narrativas da cultura de massas ou o deslocamento do olhar. Cadernos Pagu, Campinas, n. 21. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n21/n21a03.pdf>. Acesso em 25 Mar. 2014.

Mogrovejo, Norma. 2000. Un amor que se atrevió a decir su nombre: la lucha de las lesbianas y su relación com los movimientos homosexual y feminista en América Latina. Cidade do México: Plaza y Valdés.

Papailias, Penelope. 2005. Genres of recollection: Archival poetics and modern Greece. Springer.

Rich, Adrienne. 2008. Integrity. In: A. Rich, Uma paciência selvagem: edição bilíngue. Tradução de Maria Irene Ramalho e Monica Varese Andrade. Lisboa: Edições Cotovia.

Scott, Joan W. 1998. A invisibilidade da experiência. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. ISSN 2176-2767, v. 16.

Silva, Tomaz Tadeu. 2000. A produção social da identidade e da diferença. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, 73-102. Petrópolis: Vozes.

Woolf, Virginia. 2004. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
Maia, C. (2019). Uma paciência selvagem trouxe-me até aqui: escrita em processo sobre processos de construção de lesbianidades através de escrita, circulação de textos e leitura. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 4(1), 94-124. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2019.152113
Seção
Dossiê Artes e antropologias