Filmação e representação: o audiovisual nas montagens de performance do batuque de Ponto Chique – MG

Palavras-chave: Batuque, Filmação, Performance, Audiovisual, Montagem

Resumo

O presente artigo discute como a produção de um filme com o batuque de Ponto Chique e outros grupos de batuques vizinhos, ligados pelo rio São Francisco, mobiliza processos sociais e estéticos, ou seja, como o filme, enquanto processo de produção e exibição, se insere nessa relação entre drama estético, drama social e drama ritual. A partir do diálogo com autores da teoria da performance, o ponto de partida é discutir categorias como representação, drama e montagem, compreendendo a filmação como a materialização desse espaço fluido onde se assenta a cultura batuqueira/vazanteira.  A partir do uso das imagens enquanto método etnográfico, o artigo busca refletir sobre as relações entre as montagens batuqueiras e as montagens do filme como ficção e fricção entre passado e presente. Opera-se com a hipótese de que os fragmentos do passado organizam o tempo fílmico e podem constituir uma temporalidade própria dos batuques.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmilla Vilas Boas Costa Ribeiro, Universidade de São Paulo

Pâmilla Vilas Boas Costa Ribeiro é doutoranda em Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP); mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (FAFICH/UFMG). É membro do Núcleo de Antropologia, Performance e Drama (Napedra/USP) e diretora do documentário “A vida é um remanso”. Idealizadora do encontro regional de batuques da região do Alto Médio São Francisco em parceria com a Comunidade Quilombola de Bom Jardim da Prata, atuando junto aos grupos dessa região desde 2010. E-mail: pamillaribeiro@usp.br

Referências

Araujo, Ridalvo Felix de. 2013. Na batida do corpo, na pisada do cantá: inscrições poéticas no coco cearense e candombe mineiro. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras. Belo Horizonte: UFMG.

Benjamin, Walter. 1994. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: Obras escolhidas III: Charles Baudelaire – um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, p. 103-150.

Dawsey, John, Regina Müller, Rose Satiko Hikiji e Mariana F. M. Monteiro (orgs). 2013. Antropologia e Performance: ensaios Napedra. São Paulo: Terceiro Nome, 499 p.

Dawsey, John. 2013a. Imagens de mães: drama e montagem. In: Dawsey, John, Regina Müller, Rose Satiko Hikiji e Mariana F. M. Monteiro (orgs). Antropologia e Performance: ensaios Napedra. São Paulo: Terceiro Nome, 499 p.

Dawsey, John. 2012. Bonecos da Rua do Porto: performance, mimésis e memória involuntária. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, dez. 2012, n. 1,2, v. 13, p. 185-219.

Dawsey, John. 2009. Por uma antropologia benjaminiana: repensando paradigmas do teatro dramático. Mana, Rio de Janeiro: Oct. 2009, n. 2, v. 15, p. 349-376. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132009000200002&lng=en&nrm=iso. Acessado em: 10/9/2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132009000200002.

Dawsey, John. 2013b. Tonantzin: Victor Turner, Walter Benjamin e Antropologia da experiência. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro: v.3.06, p. 379-410.

Dawsey, John. 2011. Schechner, teatro e antropologia. Cadernos de campo, São Paulo: n. 20, p. 1-360.

Dawsey, John. 2006. Turner, Benjamin e Antropologia da Performance: O lugar olhado (e ouvido) das coisas. Campos – Revista de Antropologia Social, Paraná: n. 2, vol. 7, p. 17-25.

Dawsey, John. 2005a. Victor Turner e a antropologia da experiência. Cadernos de Campo, São Paulo: n. 13, p. 163-176.

Dawsey, John. 2005b. O teatro dos "boias-frias": repensando a antropologia da performance. Horizontes Antropológicos. [online], vol. 11, n. 24, p.15-34.

Dias, Paulo. 2001. A outra festa negra. In: Festa: Cultura e Sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec/Edusp, p. 1-35

Eckert, Cornelia e Ana Luiza Carvalho da Rocha. 2014. Experiências de ensino em antropologia visual e da imagem e seus espaços de problemas. In: Ferraz, Ana Lúcia Camargo e João Martinho de Mendonça (Orgs.). Antropologia visual: perspectivas de ensino e pesquisa. Brasília-DF: ABA.

Ferraz, Ana Lúcia Camargo e João Martinho de Mendonça (Orgs.). 2014. Antropologia visual: perspectivas de ensino e pesquisa. Brasília-DF: ABA.

Goffman, Erving. 1996. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Ed. Vozes, 1996.

Halbwachs, Maurice. 1990. A memória coletiva. São Paulo: Vértice.

Hikji, Rose Satiko Gitirana. 2005. Etnografia da Performance Musical – Identidade, Alteridade e Transformação. Horizontes Antropológicos, v. 11(24), p. 155-184.

Lopes, Nei. 2011. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana/Nei Lopes - 4. ed. rev. atual e ampl. São Paulo: Selo Negro.

Mello, Marcelo Moura. 2008. Caminhos criativos da história. Territórios da memória em uma comunidade negra rural. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós Graduação em Antropologia Social. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

Noleto, Rafael da Silva. 2015. Antropologia e Performance: Ensaios Napedra. Ponto Urbe [Online], 16. Disponível em: http://pontourbe.revues.org/2714. Acessado em: 11/9/2018.

Peirano, Mariza. (Org.) 2001. O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, v. 12.

Pinto, Alice Martins Villela. 2014. Construindo imagens etnográficas: uma abordagem reflexiva da experiência de campo entre os Asurini do Xingu. In: Ferraz, Ana Lúcia Camargo e João Martinho de Mendonça (Orgs.). Antropologia visual: perspectivas de ensino e pesquisa. Brasília-DF: ABA.

Pollak, Michael. 1992. Memória e identidade social. Estudos Históricos: Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, p. 200-212.

Ribeiro, Pâmilla Vilas Boas Costa. 2018. A vida é um remanso [manuscrito]: performance, cultura e política no batuque de Ponto Chique – MG.

Schechner, Richard. 1985. Restoration of behavior. In: Schechner, Richard. Between Theater and Anthropology. Philadelphia: The University of Pennsylvania Press, p. 35-116.

Schechner, Richard. 2011. Pontos de contato entre o pensamento antropológico e teatral. Cadernos de campo: São Paulo, n. 20, p. 1-360.

Schechner, Richard. 1985. Points of contact between anthropological and theatrical thought. In: Between Theatre and Anthropology. University of Pennsylvania Press.

Silva, Rubens Alves. 2005. Entre "Artes" e "Ciências": A noção de performance e drama no campo das ciências sociais. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 24, p. 35-65.

Taylor, Diana. 2013. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Turner, Victor. 2005a. Floresta dos símbolos. Petrópolis: EDUFF.

Turner, Victor. 2005b. Dewey, Dilthey, e Drama: Um ensaio sobre antropologia da experiência (primeira parte). Tradução: Hebert Rodrigues. Cadernos de campo, São Paulo, n. 13, p. 177-185.

Turner, Victor. 1986. Dewey, Dilthey, and Drama: An Essay in the Anthropology of Experience In: Turner, Victor e Edward M. Bruner (eds.) Anthropology of Experience. Urbana and Chicago: University of Illinois Press, 1986, p. 33-44.

Turner, Victor. 1974a. Social dramas and ritual metaphors. In: Turner, Victor. Dramas, fields, and metaphors: symbolic action in human society. Ithaca: Cornell University Press, p. 23-59.

Turner, Victor. 1974b. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes.

Turner, Victor. 1968. The drums of affliction: a study of religious processes among the Ndembu of Zambia. Oxford: Oxford University Press.

Van Gennep, Arnold . 1978. Os Ritos de Passagem. Petrópolis: ed. Vozes.

Wagner, Roy. 2010. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
Ribeiro, P. (2019). Filmação e representação: o audiovisual nas montagens de performance do batuque de Ponto Chique – MG. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 4(1), 182-210. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2019.152118
Seção
Dossiê Artes e antropologias