Atlas: Matrix. Diário de uma prática colaborativa

Palavras-chave: Colaboração, Arte, Antropologia, Lisboa, Colonialismo

Resumo

Este é um artigo experimental que oferece uma descrição possível da instalação site-specific ATLAS: MATRIX, apresentada no Jardim Tropical de Belém, em Lisboa, Portugal. O texto é a narrativa de uma colaboração frutífera, em que o ato de colaborar – intencional, mas não totalmente planeado – culminou numa instalação/dispositivo comunicativo aberta à colaboração dos presentes, permitindo atuar com e através dos elementos. A instalação motivou, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre a própria tentativa
de colaboração que se foi estabelecendo. O artigo compõe-se de uma história introdutória, na forma de diário, que oferece depois um guia de instruções “faça você mesmo” (DIY), uma fórmula replicável para co-laborar – do latim cum (“com’, “juntos”) + laborare (trabalhar) em cenários transdisciplinares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heléna Elias, Universidade de Lisboa. Faculdade de Belas Artes

Helena Elias ´é Professora Auxiliar na ULHT. Coordenou o projecto Arte Pública nas relações culturais luso-brasileiras do Estado Novo até à democracia. Em 2007, obteve o doutoramento em Arte Pública, na Universidade de Barcelona, com o trabalho de investigação Arte Pública na Administração local e Central do Estado Novo em Lisboa (CML e MOP). Por este trabalho recebeu, em 2009, o prémio Ignacio de Lecea, atribuído pela Generalitat da Catalunia e Faculade de Belas Artes da Universidade de Barcelona. Enquanto artista, investigadora e professora, articula o ensino com a sua prática artística e de investigação, publicando diversos artigos e workshops, em actas de conferências, revistas científicas e capítulos de livros. Como investigadora no VICARTE-FBA UL, desenvolveu um projecto de pós-doutoramento em estudos artísticos – escultura, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

Francesca De Luca, Universidade de Lisboa. Instituto de Ciências Sociais

Francesca De Luca é doutoranda (ICS) e mestre (ISCTE) em antropologia social com especialização em antropologia médica e urbana. Tem estudado antropologia também na Università La Sapienza (Roma) e na McGill University (Montreal). A sua pesquisa de doutoramento baseia-se no desenvolvimento histórico da maternidade em Portugal a partir de uma análise dos discursos sócio-políticos e das práticas obstétricas sobre a dor. Colabora com o Colleex, network de etnografias experimentais da Associação Europeia de Antropologia Social (EASA), pela qual tem organizado no Jardim Botânico Tropical de Belém o primeiro encontro internacional (julho 2017). Tem-se especializado em trabalhos transdisciplinares que cruzam antropologia, história e práticas artísticas, organizando festivais artísticos baseados na pesquisa etnográfica (Festival Paratissima Lisboa 2016, Festival Rifrazioni Italia 2007-2010) e desde 2017 colabora com a artista e investigadora Heléna Elias num projeto participativo de arte e antropologia sobre a matriz colonial de Belém. E´ membro do Coletivo EBANO (Ethnographic-based Art Nomadic Organization).

Referências

Bishop, Claire. 2004. Antagonism and relational aesthetics. CUNY Academic Works, n. 110: 51-79, http://www.teamgal.com/production/1701/SS04October.pdf

Bishop, Claire. 2012. Artificial hells: participatory art and the politics of spectatorship. London & New York: Verso.

Coessens, Kathleen, Darla Crispin e Anne Douglas. 2009. The artistic turn: a manifesto. Leuven University Press.

De Luca, Francesca. 2018. “God was the first anaesthetist”: obstetrics and pain in Lisbon at the turn of the 20th century. Etnográfica, vol. 22, no. 3: 619-642.

Didi-Huberman, Georges. 2013. Atlas ou A gaia ciência inquieta. Lisboa: KKYM.

Elias, Helena. 2007. Arte pública e instituições do Estado Novo: arte pública das administrações central e local do Estado Novo em Lisboa: sistemas de encomenda da CML e do MOPC/MOP (1938-1960). Tese de doutorado, Universitat de Barcelona, Barcelona.

Elias, Helena. 2016. Livro dos sintomas II, sculpture installation at the Botanical Museum of Universidade de Coimbra. In VI Congresso da Associação Portuguesa de Antropologia, Coimbra, 1 a 3 jun. 2016.

Hunt, Nancy Rose. 2016. Preface. In Traces of the future: an archaeology of medical science in Africa, eds., Paul Wenzel Geissler et al, 9-13. Tousignant: Chicago Press.

Ingold, Tim. 2010. The textility of making. Cambridge Journal of Economics, no. 34: 91-102.

Matos, Patricia Ferraz de. 2006. As “côres” do império: representações raciais no Império Colonial Português. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Ravetz, Amanda. 2005. News from home: reflection on fine art and anthropology. In Visualizing anthropology, eds., Anna Grimshaw e Amanda Ravetz: 69-79. Bristol & Portland: New Media Intellect.

Rich, Miriam. 2016. The curse of civilised woman: race, gender and the pain of childbirth in nineteenth-century American medicine. Gender & History, vol. 28, no. 1: 57-76.

Schneider, Arnd. 2015. Towards new hermeneutics of art and anthropology collaborations. Ethnoscripts, vol. 17, no. 1: 23-30.

Vargaftig, Nadia. 2016. Des empires en carton: les expositions coloniales au Portugal et en Italie (1918-1940). Madrid: Casa de Velázquez.

X. Andrade, Ana María Forero e Fiamma Montezemolo. 2017. Los trabajos de campo, lo experimental y el quehacer etnográfico. Íconos, vol. 21, no. 3: 11-22.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
Elias, H., & De Luca, F. (2019). Atlas: Matrix. Diário de uma prática colaborativa. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 4(1), 73-93. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2019.152838
Seção
Dossiê Artes e antropologias

Dados de financiamento