Arquivo e imagens: questões heurísticas e visuais ante à abertura do Arquivo Kamayurá de Etienne Samain

Palavras-chave: Arquivo, Fotografias, Metodologia, Experimentação, Antropologia

Resumo

Este artigo tem o propósito de apresentar uma reflexão sobre os resultados metodológicos e de uma experimentação visual no curso de uma pesquisa antropológica, que se colocou diante do desafio ontológico de abrir um arquivo de 500 fotografias adormecidas durante quase décadas. O arquivo constituído por imagens indígenas, Kamayurá do Alto Xingu, pertencentes ao acervo pessoal do antropólogo, Etienne Samain, foi interrogado à luz da sua própria condição de silêncio e do imperativo de privilegiar, antes de tudo, o ato de olhar e escutar as imagens. Neste artigo, o leitor poderá conhecer o percurso metodológico traçado, acompanhando parte dos resultados provenientes de uma dupla experiência de trabalho realizada neste arquivo fotográfico sobre os índios Kamayurá - a da pesquisa e a do próprio produtor das imagens. Em seguida poderá  ver a experimentação visual das Cartas Poéticas de Imagens, constructo de uma experiência de montagem visual com as fotografias do arquivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Bruno, Universidade Estadual de Campinas

Fabiana Bruno é doutora em Multimeios (IA/Unicamp) e pesquisadora vinculada ao Departamento de Antropologia (IFCH) da Unicamp, onde se pós-doutorou em Antropologia Social. É cofundadora e pesquisadora do LA’GRIMA-IFCH/Unicamp (Laboratório Antropológico de Grafia e Imagem). Obteve o Prêmio Capes de Melhor Tese da área de Ciências Sociais Aplicadas (2010) com a pesquisa “Fotobiografia – Por Uma Metodologia da Estética em Antropologia”, orientada pelo Prof. Dr. Etienne Samain. Orienta e organiza projetos, curadorias de exposições e fotolivros em parceria com o Ateliê Fotô e Fotô Editorial, em São Paulo. E-mail: fabybruno@uol.com.br.

Referências

Cunha, Olívia Maria Gomes da. 2004. “Tempo imperfeito: uma etnografia do arquivo”, Mana, v. 10, n. 2, Rio de Janeiro.

Didi-Huberman, Georges. 2002. L’image survivante. Histoire de l’Art et Temps des Fantômes selon Aby Warburg. Paris: Les Éditions de Minuit (versão em português: A imagem sobrevivente. História da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013).

Didi-Huberman, Georges. 2010. Remontages du Temps Subi. L’Oeil de L’Histoire, 2. Paris: Les Éditions de Minuit.

Didi-Huberman, Georges. 2011. Atlas ou Le Gai Savoir Inquiet. L’Oeil de L’Histoire, 3. Paris: Les Éditions de Minuit.

Didi-Huberman, Georges. 2012. Imagens apesar de tudo. Lisboa: Imago.

Edwards, E. 2009. “Photography And The Material Performance Of The Past” 1. History and Theory, 48(4), 130-150.

Farge, Arlete. 2009. O Sabor do Arquivo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Samain, Etienne. 1991. Moroneta Kamayurá. Mitos e Aspectos da realidade dos Índios Kamayurá – Alto Xingu, Rio de Janeiro: Editora Lidadora.

Samain, Etienne. 2007. A matriz sensorial do pensamento humano. Subsídios para redesenhar uma epistemologia da comunicação. Imagem, visibilidade e cultura midiática. Livro da XV COMPÓS. Orgs. Médola, Ana Sílvia Lopes Davi; Araujo, Denize Correa; Bruno, Fernanda, 63-79. Porto Alegre: Sulina.

Samain, Etienne (org.). 2012. Como pensam as imagens. Campinas: Editora da Unicamp.

Warburg, Aby. 2010. Atlas Mnemosyne. Madrid: Ediciones Akal. Original: Der Bilderatlas Mnemosyne, sob a direção de Martin Warnke e de Claudia Brink. Berlim: Akademie Verlag, 2000.

Publicado
2019-10-24
Como Citar
Bruno, F. (2019). Arquivo e imagens: questões heurísticas e visuais ante à abertura do Arquivo Kamayurá de Etienne Samain. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia, 4(1), 50-72. https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2019.153568
Seção
Dossiê Artes e antropologias

Dados de financiamento