Litoquímica dos granitóides da estrutura em flor de São Sebastião, São Paulo

  • Coriolano de Marins e Dias Neto Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências; Departamento de Mineralogia e Geotectônica
  • Ciro Teixeira Correia Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências; Departamento de Mineralogia e Geotectônica
  • José Manuel Urbano Munhá Universidade de Lisboa, Lisboa; Faculdade de Ciências; Departamento de Geologia
  • Colombo Celso Gaeta Tassinari Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências; Departamento de Mineralogia e Geotectônica
Palavras-chave: Complexo Costeiro, Faixa de Dobramentos Ribeira, Ciclo Brasiliano

Resumo

Estudos litoquímicos dos granitóides que ocorrem na região do Complexo Costeiro entre as cidades de Guarujá e São Sebastião, no Estado de São Paulo, são apresentados neste trabalho. Como segmento da Faixa de Dobramentos Ribeira, o Complexo Costeiro na região estudada integra setores com rochas paraderivadas a leste e com rochas ortoderivadas a oeste, organizados segundo uma estrutura de cisalhamento dúctil em flor positiva, cujo eixo se orienta ENE-WSW. Importantes corpos de anfibolitos que ocorrem como"boudins" no interior dos kinzigitos predominantes, acompanham esta orientação. Determinações U-Pb em zircões (SHRIMP I) indicam idade de cristalização de 580 - 590 Ma para os protolitos ígneos dos anfibolitos e de 570 Ma para o ápice do evento metamórfico subseqüente. Os granitóides estudados, presentes no setor ortoderivado, contêm entre 68 e 74% em peso de SiO2 e correspondem a monzogranitos e granodioritos de afinidade cálcio-alcalina. Enclaves máficos de quartzo-monzodioritos localmente presentes nestas rochas posicionam-se por sua vez no campo alcalino. O menor conteúdo em SiO2, assim como as diferentes concentrações de certos elementos traço, como Zr e Hf, contribuem para a distinção entre os enclaves e suas rochas hospedeiras e sugerem intensa interação química entre os materiais durante a cristalização. O padrão de Terras Raras com baixos teores em Sr, P-Ti e Ta-Nb, em conjunto com a distribuição das amostras no diagrama R1-R2, sugerem um ambiente sincolisional de arco de ilhas na geração destas rochas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2008-10-01
Como Citar
Marins e Dias Neto, C., Correia, C., Munhá, J., & Tassinari, C. (2008). Litoquímica dos granitóides da estrutura em flor de São Sebastião, São Paulo . Geologia USP. Série Científica, 8(2), 101-114. https://doi.org/10.5327/Z1519-874X2008000200007
Seção
Artigos