Proveniência e análise sedimentar da porção basal do Grupo Bambuí em Arcos (MG)

  • Matheus Kuchenbecker Universidade Federal de Minas Gerais; Instituto de Geociências; Centro de Pesquisas Professor Manoel Teixeira da Costa
  • Marly Babinski Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências; Centro de Pesquisas Geocronológicas
  • Antônio Carlos Pedrosa-Soares Universidade Federal de Minas Gerais; Instituto de Geociências; Centro de Pesquisas Professor Manoel Teixeira da Costa
  • Ricardo Diniz da Costa Universidade Federal de Minas Gerais; Instituto de Geociências; Centro de Pesquisas Professor Manoel Teixeira da Costa
  • Leonardo Lopes-Silva Lhoist do Brasil
  • Felipe Pimenta Lhoist do Brasil

Resumo

A origem e evolução da Bacia Bambuí é tema de grandes debates, em muito intensificados pela recente corrida exploratória de empresas públicas e privadas em busca de hidrocarbonetos gasosos. Na porção sudoeste da bacia, são raras as oportunidades de se observar o contato basal das rochas sedimentares com seu embasamento, cujas características são cruciais para o entendimento dos processos de instalação da bacia e do início de seu preenchimento. Por meio de testemunhos de sondagem, teve-se acesso a toda a porção basal do Grupo Bambuí na região de Arcos (MG), incluindo seu embasamento. A seção amostrada exibe como embasamento um granodiorito arqueano (c. 2,8 - 2,9 Ga), fortemente fraturado à época da sedimentação. A unidade basal do Grupo Bambuí é um tilito de alojamento maciço, polimítico, de espessura decimétrica. Grãos de zircão separados da matriz do tilito foram datados e exibem um pico principal de idades em c. 2,8 Ga, indicando proveniência do próprio embasamento. Sobre o tilito repousam calcários impuros, que passam gradativamente para um pacote pelítico, em tendência de preenchimento retrogradacional. Fragmentos terrígenos no calcário impuro sugerem que o embasamento tenha continuado a atuar como fonte durante a sedimentação dos metros iniciais da seção. As rochas pelíticas que ocorrem para o topo têm assinatura litoquímica compatível com fontes ácidas, e possuem idades-modelo Sm-Nd de 1,7 Ga. O acervo de dados sugere que rochas da Faixa Brasília tenham atuado como fonte para as rochas pelíticas, corroborando a interpretação de um caráter foreland para a bacia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-12-01
Como Citar
Kuchenbecker, M., Babinski, M., Pedrosa-Soares, A., Costa, R., Lopes-Silva, L., & Pimenta, F. (2013). Proveniência e análise sedimentar da porção basal do Grupo Bambuí em Arcos (MG) . Geologia USP. Série Científica, 13(4), 49-61. https://doi.org/10.5327/Z1519-874X201300040003
Seção
Artigos