Belas, recatadas e loucas: mulheres no Manicômio Judiciário de São Paulo

  • Brunno Henrique Moura
  • Mariana Soares Popperl
Palavras-chave: Gênero, Loucura, Manicômio Judiciário, Mulheres, Psiquiatria

Resumo

A partir da análise dos doze prontuários das internas do Manicômio do Juquery, em São Paulo, o artigo tem por objetivo discutir o uso desta tipologia  documental como fonte para o estudo da História de Gênero, levando em consideração a relação entre o desenvolvimento da Psiquiatria e o sexo feminino nas três primeiras décadas do século XX. Além disso, é importante ressaltar que esse conhecimento médico foi um instrumento importante para as políticas de controle social na Primeira República, que tinham por objetivo normatizar e disciplinar os indivíduos e seus comportamentos. Assim, as mulheres tornaram-se os principais alvos dos psiquiatras devido à especificidade atribuída à sua natureza diante da loucura, o que possibilitou o desenvolvimento de práticas intervencionistas que controlavam os corpos considerados desviantes e, no caso deste estudo, o corpo feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-02-02
Como Citar
Moura, B., & Popperl, M. (2019). Belas, recatadas e loucas: mulheres no Manicômio Judiciário de São Paulo. Humanidades Em Diálogo, 9(1), 53-65. https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2019.154263
Edição
Seção
Dossiê: Gênero - presença e representações