Análise das políticas de autoarquivamento nos repositórios institucionais brasileiros e portugueses

  • Tainá Batista de Assis Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília – UnB.
Palavras-chave: Autoarquivamento, Repositórios institucionais, OpenDOAR, Acesso Aberto

Resumo

Os repositórios institucionais são bases de dados que têm por objetivo armazenar a produção científica de uma instituição. Neste contexto, o autoarquivamento é o mecanismo de depósito em repositórios institucionais recomendado pelo movimento de acesso aberto à informação científica, seguindo as estratégias da Via Verde. O autoarquivamento é aquele realizado pelo próprio autor. A adoção do autoarquivamento por parte das instituições tem como objetivo garantir os depósitos nos repositórios institucionais, maximizando assim, a sua quantidade de documentos. Motivos que podem impedir o autoarquivamento: desconhecimento por parte dos autores sobre o movimento de acesso aberto; sobre as questões relacionadas aos direitos autorais; o processo de avaliação por pares; sobre o impacto do trabalho em acesso aberto, entre outros fatores. Com esta pesquisa pretende-se verificar a existência de políticas de autoarquivamento nos repositórios institucionais brasileiros e portugueses, bem como a identificação de materiais de apoio ao autor para a realização de tal atividade. Para o estudo foram considerados os repositórios brasileiros e portugueses registrados no Directory of Open Access Repositories – OpenDoar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2013-12-20
Como Citar
Assis, T. (2013). Análise das políticas de autoarquivamento nos repositórios institucionais brasileiros e portugueses. InCID: Revista De Ciência Da Informação E Documentação, 4(2), 212-227. https://doi.org/10.11606/issn.2178-2075.v4i2p212-227