O desenvolvimento da autonomia discente nas aulas de italiano como língua adicional

  • Daniela Aparecida Vieira Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: ensino-aprendizagem; italiano como língua adicional; autonomia discente

Resumo

Segundo Freire (1996), Mezzadri (2003) e Kumaravadivelu (2006), um dos principais escopos do processo de ensino-aprendizagem é promover a autonomia dos alunos. Diante disso, este artigo tem como objetivo apresentar reflexões, de caráter teórico e prático, sobre a importância do desenvolvimento da autonomia discente nas aulas de italiano como língua adicional. No que concerne aos aspectos teóricos, serão tratadas algumas definições de autonomia em âmbito didático-pedagógico. Em seguida, serão abordadas as noções de língua estrangeira, segunda língua e língua adicional, procurando-se explicar por que, neste texto, optou-se pelo último termo. Quanto aos aspectos práticos, serão mostrados alguns dados de um estudo de caso realizado no primeiro semestre de 2015 em uma sala de aula do Italiano no Campus, curso de extensão da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. A análise dos dados, realizada à luz dos postulados teóricos tratados neste artigo, parece indicar que, durante as aulas, os estudantes puderam construir conhecimentos na e sobre a língua italiana e, ao mesmo tempo, refletir sobre o seu próprio processo de aprendizagem linguística, o que provavelmente contribuiu para os discentes se tornarem mais autônomos.

Biografia do Autor

Daniela Aparecida Vieira, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Daniela Aparecida Vieira é doutora e mestra em Letras (Língua, Literatura e Cultura Italianas) pela Universidade de São Paulo (USP), especialista em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e graduada em Letras (Italiano-Português) pela USP. Atualmente, desenvolve pesquisa de pós-doutoramento junto ao Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem da PUC-SP. Lecionou italiano em cursos de extensão universitária na USP por quatro anos e na PUC-SP por dois anos. Atua como professora de educação infantil na rede pública municipal de ensino de São Paulo desde 2002 e dá aulas particulares de italiano e português desde 2005.

Referências

AMADO, J. da S. Introdução à investigação qualitativa em educação. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2009.
BAKHTIN, M. Discourse in the novel. In: HOLQUIST, M. (org.). The dialogic imagination. University of Texas Press, 1981, p. 259-422.
BALBONI, P. Dizionario di Glottodidattica. Perugia: Guerra Edizioni, 1999.
BORNETO, C. S. (org.). C’era una volta il metodo. Tendenze attuali nella didattica delle lingue straniere. Roma: Carocci, 1998.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia – Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
KUMARAVADIVELU, B. Understanding Language Teaching: from Method to Postmethod. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2006.
LEFFA, V. J. Aprendizagem de línguas mediada por computador. In: LEFFA, V. J. (org.). Pesquisa em Linguística Aplicada – Temas e Métodos. Pelotas: Educat, 2006, p. 5-30.
______. Quando menos é mais: a autonomia na aprendizagem de línguas. In: NICOLAIDES, C. (org.). O desenvolvimento da autonomia no ambiente de aprendizagem de línguas estrangeiras. Pelotas: UFPEL, 2003, p. 33-49.
______; IRALA, V. B. O ensino de outras línguas na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. (orgs.). Uma espiadinha na sala de aula: ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat, 2014.
MARIANI, L. Portfolio. Strumenti per documentare e valutare cosa si impara e come si impara. Bologna: Zanichelli, 2000.
MARTINS, M. F.; VARANI, A. Professor e pesquisador: considerações sobre a problemática relação entre ensino e pesquisa. In: Revista Diálogo Educ. Curitiba, 2012, v. 12, nº 37, p. 647-680. Disponível em: . Acesso em 04 jan. 2017.
MEZZADRI, M. I ferri del mestiere. Corso di (auto) formazione per l’insegnante di lingua. Perugia: Guerra Edizioni, 2003.
OXFORD, R. Strategy Inventory for Language Learning – SILL. Disponível em: . Acesso em 17 abr. 2018.
PAIVA, V. L. M. de O. Autonomia e complexidade. In: Linguagem e Ensino, Vol. 9, n° 1, p.77-127, 2006.
VIEIRA, D. A. Dos estilos e estratégias de aprendizagem à didatização de materiais para o ensino do italiano língua estrangeira na pedagogia pós-método. 2017. 246 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
Vieira, D. (2018). O desenvolvimento da autonomia discente nas aulas de italiano como língua adicional. Revista De Italianística, (36), 5-16. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/italianistica/article/view/153251
Seção
Artigos