Ensino do italiano com tecnologias: um relato de experiência sobre a construção colaborativa da motivação

  • Jadirlete Lopes Cabral Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Ensino de LE; TICs; Língua Italiana; Colaboração; Autonomia da aprendizagem.

Resumo

O presente artigo está vinculado ao projeto de pesquisa individual Ensino do italiano em AVA: abordagens, métodos e técnicas, o qual, por sua vez, faz parte do grupo de pesquisa Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras com Novas Tecnologias, certificado pelo CNPq desde 2013. Trata-se de um relato de experiências a partir de inquietações suscitadas pela persistência de um modelo tradicional ainda em vigor no âmbito do Instituto de Letras da UFBA e da forte resistência, por parte dos alunos, a um modelo pautado numa aprendizagem autônoma e colaborativa. Minhas observações estão fundamentadas pela pesquisa-ação, uma vez que foram seguidas as etapas de planejamento, ação, observação e reflexão, aplicados com o intuito de promover mudanças no paradigma de ensino presencial tradicional, visando à inserção das novas tecnologias na prática docente rumo à construção de uma aprendizagem crítica, reflexiva e colaborativa. Fundamentaremos nossas reflexões nos trabalhos de Paulo Freire acerca da pedagogia da autonomia (1996), em Lins e Souza quanto ao letramento digital aplicado às tecnologias educacionais (2016), e em Tripp (2005), quanto às características e funções de uma pesquisa-ação. Os resultados preliminares apontam para um fazer pedagógico com novas tecnologias rumo à construção da aprendizagem autônoma.

Biografia do Autor

Jadirlete Lopes Cabral, Universidade Federal da Bahia

Jadirlete Lopes Cabral é bacharel em Letras - Português-Italiano, mestre e doutora em Língua e Literatura Italiana, pela UFRJ. Atua como professor associado I de Língua e Literatura Italiana na UFBA. Criou o Curso de Extensão de Italiano e o coordenou até julho de 2009. Coordenou também o Proemit/Profici UFBA, de 2014 a 2017. Atualmente é vice-líder do grupo de pesquisa Ensino e Aprendizagem de LE com Novas Tecnologias (CNPq)

Referências

CALLEGARI, M. O. V. Reflexões sobre o modelo de aquisição de segundas línguas de Stephen Krashen – uma ponte ente a teoria e a prática em sala de aula. Campinas, 2006. Disponível em: .
CHAQUIME, L. P., MILL, D. Metodologias ativas. Em MILL, D. (Org.). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas, SP: Papirus, 2018.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 1996. Disponível em: .
LIBÓRIO, L. M. E. Tecnologías de Información y Comunicación y la Enseñanza del Español on line: un análisis de discursos de las disciplinas virtuales del curso de Letras Español a distancia de la UAB-UESPI. In: Caracol, São Paulo: n.13, jan./jun. 2017. Disponível em: .
LINS, E. F; SOUZA, F. M. Letramento e suas pluralidades: percurso conceitual e práticas digitais. In: SANTOS, E. C; et al. (Orgs.). Tecnologias educacionais e inovação: diálogos e experiências. Curitiba: Appris, 2016.
TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Educação e Pesquisa, São Paulo: v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
Cabral, J. (2018). Ensino do italiano com tecnologias: um relato de experiência sobre a construção colaborativa da motivação. Revista De Italianística, (36), 37-46. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/italianistica/article/view/153261
Seção
Artigos