A pluralidade linguístico-cultural do italiano e o silêncio dos materiais didáticos

  • Cristiane Landulfo Universidade Federal da Bahia
  • Alessandra Paola Caramori Universidade Federal da Bahia
  • Adriane Viana Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Pluralidade linguístico-cultural do italiano; Materiais didáticos; Ensino do italiano.

Resumo

O italiano é convencionalmente difundido como língua nacional da Itália. No entanto, em outros países, esse idioma também tem o status de língua oficial, segunda língua e língua nacional. Partindo dessa premissa, o presente artigo tem o propósito de refletir sobre o que chamamos de pluralidade linguístico-cultural do italiano, bem como apresentar dados de uma pesquisa cujo objetivo foi verificar se e como os materiais didáticos de língua italiana mais utilizados pelos professores brasileiros que responderam ao nosso questionário contemplam essa pluralidade. O corpus deste estudo foi analisado sob o enfoque qualitativo-interpretativista. Os resultados demonstraram um total apagamento dos outros países.

Biografia do Autor

Cristiane Landulfo, Universidade Federal da Bahia

Cristiane Landulfo é professora adjunta de Língua e Literaturas Italianas da Universidade Federal da Bahia. Atualmente realiza pesquisas nas seguintes áreas e temas: formação de professores de línguas, pluralidade linguístico-cultural do italiano, material didático de língua italiana, abordagens críticas ao ensino de ILE, sociolinguística da língua italiana, políticas linguísticas.

Alessandra Paola Caramori, Universidade Federal da Bahia

Alessandra Paola Caramori é professora adjunta de língua e literatura italianas na Universidade Federal da Bahia desde 2009. Esteve em 2013 em estágio Pós-Doutoral com Bolsa CAPES na Accademia della Crusca em Florença, Itália para pesquisa em lexicografia, especificamente no fazer lexicográfico.

Adriane Viana, Universidade Federal da Bahia

Adriane Viana é estudante de Letras Vernáculas e Língua Estrangeira Moderna (Italiano) na Universidade Federal da Bahia. Atualmente é bolsista PIBIC e membro do grupo de pesquisa Materiais Didáticos (inter) Pluriculturais de Língua Italiana para Aprendizes Brasileiros: reflexões e proposições.

Referências

BACCIN, P. Dire, Fare, Partire. USP, 2015. Disponível em: . Acesso em 05/ 03/2017
BERRUTO, G. Sociolinguistica dell’italiano contemporaneo, Roma: La Nuova Italia Scientifica, 1987, pp. 19-27; 33-36.
__________, Fremdarbeiteritalienisch: fenomeni di pidgninizizzazione dell’italiano nella Svizzera tedesca. Rivista Linguistica nº3. Pp. 333-367.
__________, G. La Varietà del repertorio. In: SOBRERO, A. A. Introduzione all’italiano contemporaneo. Roma: Editora Laterza, 2003.
BOZZONE, R. GHEZZI, C. Nuovo contatto A1: Corso di lingua e civilta italiana per stranieri. Editora: LOESCHER: 2014.
COSERIU, E. O homem e a sua linguagem. Trad. Carlos Alberto da Fonseca e Mário Ferreira. Coleção Linguagem. Rio de Janeiro: Presença, 1982.
FANTUZZI, M. “Ma che lingua parliamo (e scriviamo)? Italiano di Svizzera e traduzioni”, “Portico: inserto culturale” La Sinistra N°2, pp. 12-13, 1996
LANDULFO, C.M.C.L.S. Cultura de aprender: investigando as crenças e as ações dos alunos de língua italiana da UFBA. 2012. Dissertação de mestrado. Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador (BA).
_________. Currículo e formação inicial dos professores de italiano no Brasil: constatações e reflexões. Tese de Doutorado. 2016. Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador (BA).
LORENZETTI, L. L’italiano Contemporaneo. Roma: Carocci, 2002.
LÜDI, G. Censimento federale della popolazione 2000: Paesaggio linguistico in Svizzera. Neuchâtel: UST, 2005.
MARAZZINI, C. Breve storia della lingua italiana, Bologna: Il Mulino 2004.
MARELLO, C. Corpora di apprendenti: Come usarli nella didattica dell’italiano in Svizzera; In: PIERO A. Di PRETORO, LUKOSCHIK, R.U. Lingua e letteratura italiana 150 anno dopo l’Unità. Monaco: Meidenbauer 2012, p. 299-315.
MARIN, T. E MAGNELLI, S. Nuovo Progetto Italiano 1. Roma: Edizioni Edilingua, 2006.
MEZZADRI, M. BALBONI, P. E. Rete! Perugioa, Guerra Edizioni, 2000.
MIKLIC, T.; OZBOT, M. L’insegnamento dell’italiano in Slovenia. 2001. Disponível em: . Acesso em: 10 de jan. 2015.
PESTONI, E. L'italiano in Svizzera: più lingua nazionale e ufficiale o più lingua di minoranza? Politiche linguistiche, iniziative in sua difesa e modalità d'insegnamento. Dissertação de Mestrado. Maîtrise : Univ. Genève, 2015.
SABATINI, F. L’italiano dell’uso medio: una realtà tra le varietà linguistiche italiane. In: Holtus-Radtke 1985, p. 154-84.
SANTIPOLO, M, Insegnare l’italiano o la pluralità dell’italiano? In: iT, nº 3, 2001, p.9-11.
SANTORO, E. FRANGIOTTI, G. A. Variedade linguística e ensino de língua italiana: uma experiência em sala de aula. In: Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Língua em uso, 2013, nº 47, p. 223-246
SCHIMID, S. Lingua madre e commutazione di codice in immigrati italiani di seconda generazione nella Svizzera tedesca. In: Revista Multilingua, v. 12. 1993, p. 265-289.
ZIGLIO, L. e RIZZO. Nuovo Espresso I. Firenze, Alma Edizioni, 2014.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
Landulfo, C., Caramori, A. P., & Viana, A. (2018). A pluralidade linguístico-cultural do italiano e o silêncio dos materiais didáticos. Revista De Italianística, (36), 58-70. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/italianistica/article/view/153270
Seção
Artigos