Classicismo moderno. Margherita Sarfatti e o Novecento Italiano, entre Brasil e Estados Unidos

  • Ana Gonçalves Magalhães Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Margherita Sarfatti, Arte moderna italiana, Novecento Italiano, Museu de Arte Moderna de São Paulo, colecionismo, diplomacia cultural

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar a presença da crítica de arte ita- liana, Margherita Sarfatti (1880-1961), na América do Sul, e seu papel na formação do núcleo inicial do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) - atualmente pertencente ao acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP). Fundadora do chamado Novecento Italiano, em plena era fascista, na Itá- lia, Sarfatti teve um papel relevante na promoção da arte moderna italiana no continente americano, fazendo viagens ao Brasil, à Argentina e, mais tarde, aos Estados Unidos. Pretendemos, portanto, analisar comparativamente como Sarfatti e sua noção de arte moderna italiana foram vistas pelo Brasil e pelos Estados Unidos, antes e depois da II Guerra Mundial, para assim entender a formação do primeiro acervo de arte moderna da América do Sul dentro do programa maior da diplomacia italiana, antes e depois da queda do Fascismo.

Biografia do Autor

Ana Gonçalves Magalhães, Universidade de São Paulo

Historiadora da arte, Professora Livre-docente, Curadora e Vice-Diretora do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP). Foi coordenadora editorial da Fundação Bienal de São Paulo entre 2001 e 2008. Membro do Comitê Brasileiro de História da Arte (CBHA) desde 2000. Possui bacharelado em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 1992), mestrado em História da Arte e da Cultura pela mesma universidade (1995), doutorado em História e Crítica da Arte pela Universidade de São Paulo (USP, 2000), e a livre-docência pela Universidade de São Paulo (2015). É docente do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte e docente e vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Museologia, ambos da Universidade de São Paulo. Foi Coordenadora da Divisão de Pesquisa em Arte, Teoria e Crítica do MAC USP (até agosto de 2018). Assessora Ad Hoc da FAPESP, da CAPES e do CNPq. Foi professora visitante na Università degli Studi di Milano (2011), Université Paris 8 - Saint Denis (2014), pesquisadora convidada no Getty Research Institute (2016), e atualmente é professora convidada no Programa de Mestrado do Instituto de História da Arte da Universidade de Viena.

Referências

ALMEIDA, F. A. de. O franciscano Francisco. São Paulo: Pioneira, 1976.
BERTONHA, J. F. Fascism and Italian communities in Brazil and in the United States: a comparative
approach Italian Americana, Providence, 19, 2, 2001, p. 146-157.
BOSSAGLIA, R. Il Novecento Italiano. Milano: Charta, 1995 [1a ed. 1976].
BRAUN, E.; ROSENTHAL, N. Cat. exp. Italian Art in the Twentieth Century: Painting and Sculp-
ture, 1900-1988. Londres: Prestel, 1989.
BREST, J. R. La pintura brasileña contemporánea. Buenos Aires: Editorial Poseidon, 1945.
. De Chirico, Carrà y la Pintura Italiana del Novecientos. Histonium, ano VIII, n. 87, agosto de
1946, p. 487-494.
COOPER, D; SOBY, J. T.: LONGHI, R. Guttuso: [catálogo] April 7 to April 28, 1958. ACA Gallery/
Heller Gallery New York. Trad. John. W. Miller. Genève: Editions Internationales, 1958.
NOVECENTO Italiano. [catálogo] Buenos Aires: Amigos del Arte, VIII, set, 1930.
EXPOSIÇÃO de Pintura Italiana Moderna. [catálogo] Rio de Janeiro: Studio di Arte Palma, maio
1947.
ARTISTAS italianos de hoy. [catálogo] Buenos Aires: Galería Müller, jul. 1947 (Colección Victor
Manuel Barbaroux).
BUCCARELLI, P; SOBY, J. T. Arte italiana del XX secolo da collezioni americane. Galleria Nazio-
nale d’Arte Moderna di Roma, 16 de julho a 18 de setembro de 1960. Milano: Silvana Editoriale d’Arte,
1960.
ESCREVEU a biographia de Mussolini. Diário da Noite. Rio de Janeiro, 29 set. 1939, p. 3.
DISTINGUISHED VISITORS. The Bulletin of the Museum of Modern Art, Vol. 1, No. 9, May, 1934,
p. 4.
D’URSO, S. Margherita Sarfatti: dal mito del Dux al mito americano. Venezia: Marsilio, 2003.
FEDERZONI, L. Parole fasciste al Sud America. Bologna: N. Zanichelli, 1938.
FERRARIO, R. Margherita Sarfatti: la regina dell’arte nell’Italia fascista. Milano: Mondadori, 2015.
FRAIXE, C.; PICCIONI, L.; POUPAULT, C. (orgs.). Vers une Europe latine: acteurs et enjeux des
échanges culturels entre la France et l’Italie fasciste. Bruxelas: P.I.E. Peter Lang; INHA, 2014.
FREITAS, P. M. S. Grupo Santa Helena e o universo industrial paulista (1930-1970) In: LODO,
G.; HARGRAVE, I. et al. (orgs.). Atas do VII Encontro de História da Arte. Os caminhos da história da
arte desde Giorgio Vasari: consolidação e desenvolvimento da disciplina. Campinas: IFCH/UNICAMP,
2012, p. 366-377.
GIACON, D. Cortina, 1941. Rivista L’Uomo Nero: Materiali per una storia delle arti della modernità,
v. 3, n. II, set. 2005, p. 51-68.
GUTMAN, D. El amor judío de Mussolini: Margherita Sarfatti, del fascismo al exilio. Buenos Aires:
Lumiere, 2006.
LA GRANDE scrittrice e intenditrice d’arte, Margherita Sarfatti è giunta ieri a Rio. Fanfulla. São
Paulo, 21 ago, 1930, s.p.
LIFFRAN, F. L’Égerie du Duce. Paris: Seuil, 2009.
MAGALHÃES, A. G. Achille Funi nella Collezione del MAC USP. Rivista L’Uomo Nero: Materiali
per una Storia delle Arti della Modernità. Milano. Università degli Studi di Milano. Mimesis, Nuova Se-
rie, ano VIII, no 7-8, set. 2011, p. 349-358.
. Classicismo moderno. Margherita Sarfatti e a pintura italiana no acervo do MAC USP. São
Paulo: Alameda Editorial, 2016.
MILLIET, S. Marginalidade da pintura moderna. São Paulo: Coleção “Departamento de Cultura”
XXVIII, 1942.
. Abril, 15 In: ___. Diários críticos (Vol. VI). São Paulo: Martins Fontes/Edusp, 1981, p. 75-77.
MOREL, E. Porque amei Mussolini. A cigarra, Rio de Janeiro, fevereiro de 1945, p. 8-9, p.140,
p.154-155.
NOTARI, U. La donna tipo tre. Milano: Società Anonima Notari (Istituto Editoriale Italiano), 1929.
MARGHERITA SARFATTI fala-nos da missão que vem cumprir na América: arte de hontem e de
hoje – Expressões e valores – Arte italiana de 1900. O Paiz. Rio de Janeiro, 22 ago. 1930, p.5.
PEDROSA, M. Os italianos – sobretudo os jovens. Correio da Manhã. Artes Plásticas. Rio de Janei-
ro, 17 de maio de 1947, p. 31.
PONTIGGIA, E. Il Novecento Italiano. Milano: Abscondita, 2003.
PONTIGGIA, E.; COLOMBO, N. (orgs.). Cat. exp. Milano anni trenta, l’arte e la città. Milano:
Mazzotta, 2004, p. 60-63 e p. 323-325.
POZZOLI, V. 1946! Porque Pietro Maria Bardi decide deixar a Itália e partir para o Brasil? In:
MAGALHÃES, A. G; RUSCONI, P.; MIGLIACCIO, L. (orgs.). Modernidade Latina. Os italianos e os
centros do modernismo latino-americano. São Paulo: MAC USP, 2013, s.p. (disponível em: http://www.
mac.usp.br/mac/conteudo/academico/publicacoes/anais/modernidade/pdfs/VIVIAN_PO RT.pdf ).
RONQUI, A. A. Mario Sironi nas chamadas Coleções Matarazzo do MAC USP. Revista Ars, vol.
15, no. 29, 2017, p. 101-120.
ROSSI, M. C. Una pulseada por la abstracción: Romero Brest entre Margherita Sarfatti y Lionello
Venturi In: GIUNTA, A; COSTA, L. M. (orgs.). Arte de pós-guerra: Jorge Romero Brest y la Revista Ver
y Estimar. Buenos Aires: Paidós, 2005, p. 51-69.
SARFATTI, M. Espejo de la pintura actual. Buenos Aires: Argos (Col. Arte y los artistas), 1947.
______ . Giorgione, el pintor misterio. Buenos Aires: Editorial Poseidon, 1944.
______. Tiziano o de la fe en la vida. Buenos Aires: Editorial Poseidon, 1944.
______. .L’America, ricerca della felicità. Milano-Verona: Mondadori, 1937.
______. Storia della pittura moderna. Roma: Cremonese, 1930.
______. Psicologia da mulher norte-americana. O Jornal. Rio de Janeiro domingo, 22 dez
1935, 3a Secção, p. 3.
______. L’Arte e il Fascismo. In: POMBA, G. L. (org.) La civiltà fascista. Torino: Unione Tipogra-
fica Torinese, 1928, p. 210-219.
_____.The Life of Benito Mussolini. Londres: Thornton Butterworth, 1925.
SOBY, J. T.; BARR, A. (orgs.). Twentieth Century Italian Art. Nova York: The Museum of Modern
Art, 1949.
SULLIVAN, B.; CANNISTRARO, P. Il Duce’s Other Woman. Nova York: William Morrow & Com-
pany, 1993.
UMA BIBLIOTHECA original e pratica . Revista da Semana, Seção Ornamentação do Lar. Rio de
Janeiro, 11 fev. 1939, p. 48.
ZANINI, W. Arte no Brasil nas décadas de 1930-40. O Grupo Santa Helena. São Paulo: Edusp/
Nobel, 1991.
ZUFFI, P. (org.). Arte contemporaneo italiano. Santiago de Chile: Talleres Zig-Zag, 1946.
Publicado
2018-12-30
Como Citar
Magalhães, A. (2018). Classicismo moderno. Margherita Sarfatti e o Novecento Italiano, entre Brasil e Estados Unidos. Revista De Italianística, (37), 37-57. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i37p37-57
Seção
Artigos