O legado de Maquiavel no teatro de Luigi Pirandello

  • Priscilla Nogueira Da Rocha Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Sonia Cristina Reis Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Maquiavél, Pirandello, Teatro italiano, Comédia

Resumo

O presente artigo pretende analisar as obras Mandragola (1518), de Nicolau Maquiavel, e L’uomo, la bestia e la virtù (1919), de Luigi Pirandello, buscando evidenciar que, embora em séculos diferentes, os textos dos dramaturgos facultam um diálogo no que tange à utilização do recurso de máscaras sociais para encobrir seu real interesse, como, por exemplo, na figura do astuto, que usa uma poção na tentativa de ajudar a personagem principal a resolver seus problemas, e no emprego do riso como recurso estilístico. Assim como na obra de Maquiavel, é possível encontrar no texto de Pirandello uma sátira sobre a Itália de sua época, indicando uma série de hábitos de sua sociedade e, tal como Lucrezia na obra de Maquiavel, a Sra. Perella da obra de Pirandello disfarça sua traição e, mediante o riso (ou mais especificamente o riso humorístico), o autor siciliano direciona o público a perceber que, independente da época, manter as aparências é mais relevante para a manutenção do status social do que a essência e a virtude.

Biografia do Autor

Priscilla Nogueira Da Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em Português-Italiano pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre em Letras Neolatinas, Língua Italiana, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutoranda em Literatura Italiana com Bolsa CAPES no Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com ênfase nos estudos de Teatro e literatura do Renascimento.

Sonia Cristina Reis, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada de Letras Italianas, atualmente é Diretora da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bacharel em Português-Italiano (1991), Mestre em Letras Neolatinas, Literatura Italiana, (1996) e Doutora em Letras Neolatinas, Literatura Italiana, pela mesma instituição (2000). Concluiu seu Pós-Doutorado em 2016, na Università G. DAnnunzio, de Chieti-Pescara (Itália).

Referências

CROCE, B., Estetica come scienza dell’espressione e linguistica generale. Teoria e storia, a cura di
G. Galasso. Milano: Adelphi,1990.
BENTLEY, E. O Dramaturgo Como Pensador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
GUINSBURG, J. (org). Pirandello – do teatro no teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.
LA VOCE DI MARUGGIO. Nell’identità della lingua l’invisibile della presenza e dell’assenza:
Pirandello nel gioco delle maschere. Disponível em della-lingua-linvisibile-della-presenza-e-dellassenza-pirandello-nel-gioco-delle-maschere.html>. Acesso
em: 05 jul. 2017
MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora UNESP, 2003.
MORICONI, B. Metamorfosi di un arcidiavolo: Il personaggio di Belfagor da Machiavelli a oggi.
Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2013.
NARDELLI, F. Vita segreta di Pirandello. Roma: Vito Bianco, 1962.
PAOLUCCI, A. Theatre of illusion: Pirandello’s Liolà and Machiavelli’s Mandragola. Comparative
literature studies, n. 9 (mar. 1972), p. 44-57.
PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2003.
PIRANDELLO, L. L’innesto - la patente - l’uomo, la bestia e la virtù. Milano: Mondadori, 1992.
PIRANDELLO. L’umorismo. In: Saggi, poesie, scritti varri. 5a ed. Milano: Arnoldo Mondadori,
1993.
PIRANDELLO, Luigi. O Humorismo. In Pirandello – do teatro no teatro. São Paulo, Perspectiva,
1999.
ZANGRILLI, F. Lo specchio per la maschera: Il paesaggio in Pirandello. Disponível em https://www.
jstor.org/stable/pdf/480094.pdf?refreqid=excelsior%3Ad948e8815f4867ee57 5483d517d4749e>. Acesso em: 22
jun. 2017.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
Da Rocha, P., & Reis, S. (2019). O legado de Maquiavel no teatro de Luigi Pirandello. Revista De Italianística, (39), 23-33. https://doi.org/10.11606/issn.2238-8281.v0i39p23-33
Seção
Artigos