Relação entre consumo alimentar, estado nutricional e rendimento escolar

  • Aline Lúcia Schmidt Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES) - Lajeado (RS)
  • Maína Hemann Strack Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) - Porto Alegre (RS)
  • Simara Rufatto Conde Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES) - Lajeado (RS)
Palavras-chave: consumo de alimentos, estado nutricional, eficiências nutricionais

Resumo

Introdução: A alimentação adequada durante a infância e a adolescência é extremamente importante, pois atua diretamente no desenvolvimento físico e cognitivo.

Objetivo: Verificar a relação entre o consumo alimentar e o estado nutricional com o rendimento escolar.

Método: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo e transversal, realizado com 134 escolares com idades entre 9 e 11 anos. O estado nutricional foi mensurado por meio do Índice de Massa Corporal por idade e gênero e a avaliação do consumo alimentar foi realizada através do Recordatório Alimentar de 3 dias. Para o conhecimento do rendimento escolar foram consultados os boletins do ano letivo de 2016. Utilizou-se um questionário para coletar dados referentes ao estado civil. Quanto ao estado nutricional, 59,7% dos escolares apresentaram eutrofia, 18,7% sobrepeso, 15,6% obesidade e 6,0% baixo peso.

Resultado: O consumo de cálcio (p=0,000 ) e ferro (p=0,000) foram significativamente abaixo dos valores recomendados pela Dietary Reference Intakes. Os escolares com obesidade consumiram significativamente mais lipídios (p=0,026) e calorias (p=0,003) que os demais estudantes. A participação dos alimentos ultraprocessados representou 35,50% do valor energético total, observando-se correlação positiva entre o seu consumo e a quantidade de calorias da alimentação (p=0,022) e correlação inversa com a ingestão de zinco (p=0,007).

Conclusão: Não foi encontrada associação significativa entre o consumo alimentar e estado nutricional com o rendimento escolar, porém verificou-se que o estado civil dos pais apresentou associação com o desempenho dos estudantes, os filhos de pais casados tiveram um rendimento escolar superior aos filhos de pais separados.

Referências

1. Carvalho APLS. Importância da alimentação para melhorias na aprendizagem de crianças em unidades públicas de ensino: revisão integrativa. Rev Somma. 2016;2(2):74-83.

2. Carvalho CA, Fonsêca PCA, Priore SE, Franceschini SCC, Novaes JF. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev Paul Pediatr. 2015;33(2):211-21. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2015.03.002

3. Villa JKD, Silva AR, Santos TSS, Ribeiro AQ, Pessoa MC, Sant’Ana LFR. Padrões alimentares de crianças e determinantes socioeconômicos, comportamentais e maternos. Rev Paul Pediatr. 2015;33(3):302-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2015.05.001

4. Teji K, Dessie Y, Assebe T, Abdo M. Anaemia and nutritional status of adolescent girls in Babile District, Eastern Ethiopia. Pan Afr Med J. 2016;24:62. DOI: http://dx.doi.org/10.11604/pamj.2016.24.62.6949

5. Araújo CG, Rosa SAM. Perfil socioeconômico e nutricional de escolares em uma instituição pública de ensino em Jaguaribara – CE. Rev APS. 2016;19(4):602-12.

6. Cadamuro SP, Oliveira DV, Bennemann RM, Silva ES, Antunes MD, Nascimento Júnior JRA, et al. Associação entre o nível socioeconômico e o consumo alimentar de crianças com idade escolar matriculadas na rede pública de ensino do município de Maringá-PR. Rev Cinergis. 2017;18(2):125-8. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v18i2.8753

7. Santos LSF, Silva SCM, Ramos EMLS. Perfil nutricional de crianças de uma escola em Belém, PA. Rev Aten Saúde. 2017;15(51):69-74. DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4279

8. Pedraza DF, Silva FA, Melo NLS, Araujo EMN, Sousa CPC. Estado nutricional e hábitos alimentares de escolares de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(2):469-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017222.26252015

9. Moreira A, Benedetti NCM, Saron MLG, Neves AS, Souza EB. A influência do estado nutricional e da ingestão alimentar na aprendizagem escolar. Cad UniFOA. 2015;10(29):105-13.

10. Rashmi MR, Shweta BM, Fathima FN, Agrawal T, Shah M, Sequeira R. Prevalence of Malnutrition and Relationship with Scholastic Performance among Primary and Secondary School Children in Two Select Private Schools in Bangalore Rural District. Indian J Community Med. 2015;40(2):97-102. DOI: http://dx.doi.org/10.4103/0970-0218.153871

11. Tandon PS, Tovar A, Jayasuriya AT, Welker E, Schober DJ, Copeland K, et al. The relationship between physical activity and diet and young children’s cognitive development: A systematic review. Prev Med Rep. 2016;3:379-90. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.pmedr.2016.04.003

12. Lam LG, Lawlis TR. Feeding the brain – The effects of micronutrient interventions on cognitive performance among school-aged children: a systematic review of randomized controlled trials. Clin Nutr. 2017;36(4):1007-14. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.clnu.2016.06.013

13. Kim SH, Kim WK, Kang MH. Relationships between milk consumption and academic performance, learning motivation and strategy, and personality in Korean adolescents. Nutr Res Pract. 2016;10(2):198-205. DOI: http://dx.doi.org/10.4162/nrp.2016.10.2.198

14. Rocha FF, Santos VAP, Contreira AR, Pizzo GC, Silva PN, Romero PVS, et al. Análise do desempenho motor e maturidade cognitiva de pré-escolares de Maringá (PR). Rev Saúde Pesquisa. 2016;9(3):507-15. DOI: 10.17765/1983-1870.2016v9n3p507-515

15. Karnopp EVN, Vaz JS, Schafer AA, Muniz LC, Souza RLV, Santos I, et al. Food consumption of children younger than 6 years according to the degree of food processing. J Pediatr. 2017;93(1):70-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.04.007

16. Izidoro GSL, Santos JN, Oliveira TSC, Martins-Reis VO. A influência do estado nutricional no desempenho escolar. Rev CEFAC. 2014;16(5):1541-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201417313

17. Afzal AS, Gortmaker S. The Relationship between Obesity and Cognitive Performance in Children: A Longitudinal Study. Child Obes. 2015;11(4):466-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1089/chi.2014.0129

18. Alves AF, Lemos GC, Brito L, Martins AA, Almeida LS. Desempenho cognitivo na infância: a mãe e o meio urbano fazem a diferença. Psic Teor Pesq. 2016;32(3):e32317. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-3772e323217

19. Ribeiro R, Ciasca SM, Capelatto IV. Relação entre recursos familiares e desempenho escolar de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de Escola Pública. Rev Psicopedagogia. 2016;33(101):164-74.

20. Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN). Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

21. World Health Organization (WHO). Growth reference 5-19 years. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. WHO: 2007.

22. World Health Organization (WHO). Application tools: AnthroPlus software. WHO: 2007.

23. Monego E, Peixoto MR, Santiago R, Gil MF, Cordeiro MM, Campos MI, et al. Alimentos brasileiros e suas porções: um guia para avaliação do consumo alimentar. Rio de Janeiro: Rubio, 2013.

24. Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for Energy, Carbohydrate, Fat, Protein, Calcium, Iron and Zinc. [cited 2017 Feb 10] Available from: https://www.nal.usda.gov/sites/default/files/fnic_uploads/
recommended_intakes_individuals.pdf.

25. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

26. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015.
[cited 2017 Sep 11] Available from: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97870.pdf.

27. Souza LS, Santo ERC, Franceschi C, Ávila C, Centenaro S, Santos GS. Estado nutricional antropométrico e associação com pressão arterial em crianças e adolescentes: um estudo populacional. Sci Med. 2017;27(1):1-8. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-6108.2017.1.25592

28. Silva TKR, Camargo GA, Nuñez CEC, Silva CC, Ballard CR. Avaliação da alimentação escolar e estado nutricional de adolescentes. Rev Aten Saúde. 2017;15(51):62-8. DOI: 10.13037/ras.vol15n51.4278

29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003: Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. [cited 2017 Sep 11] Available from: http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/70/553a2408c2702.pdf.

30. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. [cited 2017 Sep 11] Available from: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45419.pdf.

31. Assumpção D, Dias MRMG, Barros MBA, Fisberg RM, Barros Filho AA. Ingestão de cálcio por adolescentes: inquérito de saúde de base populacional. J Pediatr. 2016;92(3):251-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2015.09.004

32. Ribas MR, Barroso Junior ML, Pereira TRA, Zonatto HA, Oliveira AG, Cordeiro HJ, et al. Perfil de macro e micro nutrientes na dieta de escolares do Ensino Fundamental. Rev Uniandrade. 2017;18(2):66-73. DOI: http://dx.doi.org/10.18024/1519-5694/revuniandrade.v18n2p66-73

33. Souza AM, Barufaldi LA, Abreu GA, Giannini DT, Oliveira CL, Santos MM, et al. ERICA: ingestão de macro e micronutrientes em adolescentes brasileiros. Rev Saúde Pública. 2016;50( Supl 1):5s. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S01518-8787.2016050006698

34. Albuquerque LP, Cavalcante ACM, Almeida PC, Carrapeiro MM. Relação da obesidade com o comportamento alimentar e o estilo de vida de escolares brasileiros. Nutr Clín Diet Hosp. 2016;36(1):17-23. DOI: http://dx.doi.org/10.12873/361parente

35. Kim SY, Sim S, Park B, Kong IG, Kim JH, Choi HG. Dietary Habits Are Associated With School Performance in Adolescents. Medicine. 2016;95(12):e3096. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/MD.0000000000003096

36. Gordon CM, Zemel BS, Wren TA, Leonard MB, Bachrach LK, Rauch F, et al. The Determinants of Peak Bone Mass. J Pediatr. 2017;180:261-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jpeds.2016.09.056

37. Pereira CC, Barbosa JMA, Costa WJF, Costa Júnior ALR, Tonial SR, Martins MLB. Ingestão de calorias e nutrientes por adolescentes do estado do Maranhão. Rev Saúde Públ Santa Cat. 2016;9(1):25-36.

38. Niero CV, Morais FA, Madeira K, Serafim GS, Serafim AS, Simões PW. Crescimento ponderoestatural de pacientes de 0 a 16 anos com anemia ferropriva. Rev Inova Saúde. 2016;5(1):74-85. DOI: http://dx.doi.org/10.18616/is.v5i1.2372

39. Gomes JR, Pavanelli MF. Perfil das alterações hematológicas em crianças residentes na região de Campo Mourão – PR. Rev Iniciare. 2016;1(1):106-15.

40. Novaes TG, Gomes AT, Silveira KC, Magalães EIS, Souza CL, Pereira Netto M, et al. Prevalência e fatores associados à anemia em crianças de creches: uma análise hierarquizada. Rev Paul Pediatr. 2017;35(3):281-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984 0462/;2017;35;3;00008

41. Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, et al. Impacto de alimentos ultraprocessados sobre o teor de micronutrientes da dieta no Brasil. Rev Saúde Pública. 2015;49:45. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006211

42. Vaz-Tostes MG, Cardoso-Pires PC, Paula AH, Barros AA, Freitas FV, Pinheiro-Sant´Ana HM, et al. Estado nutricional relativo ao ferro, zinco e vitamina A de pré-escolares inseridos em um programa de educação alimentar e nutricional. HU Rev. 2015;41(3-4):163-70.

43. Rodrigues BTC, Silva CPF, Ramalho AA. Deficiência do micronutriente zinco e crescimento linear em crianças: uma revisão integrativa. J Amazon Health Sci. 2015;1(1):36-47.

44. Pedraza DF, Sales MC, Menezes TN. Fatores associados ao crescimento linear de crianças socialmente vulneráveis do Estado da Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(3):935-45. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.20722014

45. Testa WL, Poeta LS, Duarte MFS. Exercício físico com atividades recreativas: uma alternativa para o tratamento da obesidade infantil. Rev Bras Obes Nutr Emagrecimento. 2017;11(62):49-55.

46. Carvalho ARM, Belém MO, Oda JY. Sobrepeso e obesidade em alunos de 6-10 anos de escola estadual de Umuarama/PR. Arq Ciên Saúde UNIPAR. 2017;21(1):3-12. DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v2i1.2017.6070

47. Menêses LEN, Silva NV, Labre MR, Castro JGD, Barbosa Filho JV, Pereira RJ. Consumo alimentar e estado nutricional de crianças em uma escola privada de Palmas, Tocantins. Rev Desafios. 2017;4(3):43-51. DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n3p43

48. Steil WF, Poll FA. Estado nutricional, práticas e conhecimentos alimentares em escolares. Rev Cinergis. 2017;18(3):226-32. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v18i3.9385

49. Jardim JB, Souza IL. Obesidade infantil no Brasil: uma revisão integrativa. J Manag Prim Heal Care. 2017;8(1):66-90.

50. Mariz LS, Enders BC, Santos VEP, Tourinho FSV, Vieira CENK. Causas de obesidade infantojuvenil: reflexões segundo a teoria de Hannah Arendt. Texto Contexto Enferm. 2015;24(3):891-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015002660014

51. Ribeiro BVS, Mendonça RG, Oliveira LL, Lima GS, Martins-Filho PRS, Moura NPR, et al. Anthropometry and lifestyle of children and adolescent in inland of northeastern Brazil. J Hum Growth Dev. 2017;27(2):140-7. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.119751

52. Louzada MLC, Baraldi LG, Steele EM, Martins AP, Canella DS, Moubarac JC, et al. Consumption of ultra-processed food and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med. 2015;81:9-15. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.ypmed.2015.07.018

53. Mourabac JC, Batal M, Louzada ML, Steele EM, Monteiro CA. Consumption of ultraprocessed foods predict diet quality in Canada. Appetite. 2017;108(1):512-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.appet.2016.11.006

54. Steele EM, Baraldi LG, Louzada MLC, Mourabac JC, Mozaffarian D, Monteiro CA. Ultra-processed foods and added sugars in the US diet: evidence from a nationally representative cross-sectional study. BMJ Open. 2016;6:e009892. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2015-009892

55. Claro RM, Maia EG, Costa BVL, Diniz DP. Preço dos alimentos no Brasil: prefira preparações culinárias a alimentos ultraprocessados. Cad Saúde Pública. 2016;32(8):e00104715. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00104715

56. Santana CCA, Hill JO, Azevedo LB, Gunnarsdottir T, Prado WL. The association between obesity and academic performance in youth: a systematic review. Obes Rev. 2017;18(10):1191-99. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/obr.12582

57. Correa-Burrows P, Burrows R, Blanco E, Reyes M, Gahagan S. Nutritional quality of diet and academic performance in Chilean students. Bull World Health Organ. 2016;94(3):185-92. DOI: http://dx.doi.org/10.2471/BLT.15.161315

58. Correa-Burrows P, Burrows R, Orellana Y, Ivanovic D. The relationship between unhealthy snacking at school and academic outcomes: a population study in Chilean schoolchildren. Public Health Nutr. 2015;18(11):2022-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1017/S1368980014002602

59. Rossini VG, Silva FM, Conde SR. Associação entre estado nutricional de crianças e rendimento escolar em uma amostra de escolas públicas de Encantado-RS. Rev UNINGÁ. 2016;47(1):17-23.

60. Phrashiah G, Peter C, Scolastica G. Nutritional Status and School Performance among Upper Primary Children in Selected Public Schools in Nairobi County, Kenya. Int J Health Sci Res. 2016;6(12):227-34.

61. Carey FR, Singh GK, Brown HS, Wilkinson AV. Educational outcomes associated with childhood obesity in the United States: cross-sectional results from the 2011-2012 National Survey of Children’s Health. Int J Behav Nutr Phys Act. 2015;12(Suppl 1):S3. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1479-5868-12-S1-S3

62. Bastos F, Reis VM, Aranha AC, Garrido ND. Relação entre atividade física e desportiva, níveis de IMC, percepções de sucesso e rendimento escolar. J Motricidade. 2015;11(3):41-58. DOI: https://doi.org/10.6063/motricidade.3771

63. Santos CUS, Vianna PD, Bulhosa FA. O fracasso escolar entre estudantes do 6º ano de Escolas Públicas Estaduais do Rio Grande, RS. Rev Ens Educ Ciênc Human. 2016;17(2):126-31.

64. Melo M. Família na escola: um vínculo condizente. Rev Cienc Salud, Educ Economia. 2017;1(11):60-73.

65. Costa K, Montiel JM, Bartholomeu D, Murgo CS, Campos NR. Percepção do suporte familiar e desempenho em leitura e escrita de crianças do Ensino Fundamental. Rev Psicopedag.2016;33(101):154-63.

66. Estado do Rio Grande do Sul. Assembleia Legislativa. Lei nº 14.705, de 25 de junho de 2015. Institui o Plano Estadual de Educação – PEE −, em cumprimento ao Plano Nacional de Educação – PNE −, aprovado pela Lei Federal n.º 13.005, de 25 de junho de 2014. [cited 2017 Oct 09] Available from: http://www.al.rs.gov.br/ filerepository/repLegis/arquivos/LEI%2014.705.pdf.
Publicado
2018-11-28
Seção
Artigos Originais