Dignidade humana à luz da Constituição, dos Direitos Humanos e da bioética

  • Paulo André Stein Messetti Centro Universitário São Camilo
  • Dalmo de Abreu Dallari Centro Universitário São Camilo
Palavras-chave: dignidade humana, bioética, direitos humanos, constituição

Resumo

Introdução: A dignidade humana, cunhada pela Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH/1948), é uma expressão de solidariedade social, que deve cimentar as relações entre as pessoas. A dignidade humana é a base de todos os direitos, como liberdade, igualdade, justiça e paz no mundo, e no Brasil, a dignidade humana foi considerada um pilar fundamental da ordem constitucional pós-1988 do país.

Objetivo: Este artigo busca uma investigação mais profunda sobre a natureza social da dignidade humana e sua definição ao longo do tempo.

Método: Trata-se de uma pesquisa exploratória que visa revelar os conceitos de "dignidade humana", "bioética", "direitos humanos" e "constituição". Após descrever a evolução conceitual da dignidade humana e os fatos relevantes para sua formação conceitual na história mundial - como padrão normativo e norma jurídica -, abordamos a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH/1948), a Declaração de Helsinque (DH/1964), a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos (DUBDH/2005) e a definição adotada na Constituição da República Federativa do Brasil (CFRB/ 1988). O estudo foi realizado sem limitação temporal e incluiu uma revisão de livros referenciados, doutrinas jurídicas, bem como artigos e livros no banco de dados SciELO.

Resultados e Discussão: As conclusões ratificam que a dignidade humana é o fundamento de todos os direitos, incluindo os de liberdade, igualdade, justiça e paz no mundo, e deve também orientar os direitos e deveres da regulação social. A dignidade humana passou de um critério de poder atribuído à posição social dos indivíduos para um valor do direito à liberdade, que agora ultrapassa o direito à liberdade e é a base da democracia constitucional moderna, que possibilita a realização da solidariedade, bem como o dever e propósito do Estado e da comunidade. A vontade do sujeito, da sociedade, da ciência e do Estado, bem como as regras de dominação e regulação, devem ter um limite na dignidade humana, e essa não é apenas um direito fundamental no sentido da Constituição, devendo prevalecer sobre a vontade exclusiva da ciência, do Estado e da sociedade. Portanto, nas decisões de poder e na realização de possíveis inovações da ciência envolvendo seres humanos exige-se a consideração explícita do respeito e da promoção da dignidade humana.

Conclusão: A dignidade humana é ponto consagrado no direito constitucional brasileiro, assim como na bioética e nos direitos humanos e constitui todos os direitos fundamentais da pessoa humana. Não é apenas uma regra de autonomia e liberdade, trata-se de preceito obrigatório e inderrogável na tomada de decisões de poder, verdadeiro fundamento principal do Estado democrático de direito.

 

Biografia do Autor

Paulo André Stein Messetti, Centro Universitário São Camilo

 Master´s degree program in bioethics

Dalmo de Abreu Dallari, Centro Universitário São Camilo

 Master´s degree program in bioethics

Referências

1. Nações Unidas no Brasil (ONU). Declaração Universal dos Direitos humanos. [cited 2018 Apr 18] Available from: http://www.onu.org.br/img/2014//09/DUDH.pdf.

2. Dallari DA. Constituição e constituinte. 4ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

3. Sarlet IW. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 2ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

4. Terra R. Kant e o direito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

5. Brasil. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. [cited 2018 May 02] Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

6. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Declaração Universal sobre Bioética e Direitos humanos. [cited 2018 May 02] Available from: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/ 001461/146180por.pdf.

7. Schwab K. A quarta revolução industrial. Edipro, 2016.

8. Adams J. Dissertation on the Canon and Feudal Law. Massachusetts: 1765.

9. Streck LL. A Crise da hermenêutica e a hermenêutica da crise: a necessidade de uma nova critica do direito (Ncp). In: Sampaio JAL. Jurisdição constitucional e direitos fundamentais. Belo Horizonte: Del Rey; 2003.

10. Santos BS. Para um novo senso comum: a ciência, o direito, e a politica na transição paradigmática: a crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. V.1. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

11. Tosi G. Aristóteles e os Índios: a recepção da teoria aristotélica da escravidão natural entre a Idade Média Tardia e a Idade Moderna. In: Boni LA, Pich RH. A recepção do pensamento greco-romano, árabe e judaico pelo Ocidente medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

12. Dallari DA. A defesa do índio: Cristianismo militante. In: Betto F, Meneses AB, Jensen T. Utopia Urgente: escritos em homenagem a Frei Carlos Josaphat nos seus 80 anos. São Paulo: EDUC, 2002.

13. Dallari DA. A Constituição na vida dos povos: da idade media ao século XXI. São Paulo: Saraiva, 2013.

14. Hooft PF, Picardi GJ, Gutiérrez R, Gracia D, Morello AM. Bioetica, derecho e ciudadania: casos bioeticos en la jurisprudencia. Bogotá: Temis, 2005.

15. Marques Filho J. Ética em pesquisa: dez anos da resolução CNS 196/96. Rev Bras Reumatol. 2007;47(1):2-3. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0482-50042007000100002

16. Declaração de Helsinque I. Associação Médica Mundial: 1964. [cited 2018 May 02] Available from: https://www.ufrgs.br/bioetica/helsin1.htm.

17. Declaração de Helsinque da Associação Médica Mundial, revisada na 64ª Assembleia Geral da WMA realizada em Fortaleza/Brasil em 2013. [cited 2018 Apr 04] Available from: https://www.wma.net/wpcontent/ uploads/2016/11/491535001395167888_DoHBrazilianPortugueseVersionRev.pdf.

18. Diniz D, Correa M. Declaração de Helsinki: relativismo e vulnerabilidade. Cad Saúde Pública. 2001;17(3):679-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2001000300022

19. Brasil Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo seres humanos (Res. CNS n.º 196/96 e outras). 2 ed. ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

20. Dallari DA. Elementos de Teoria Geral do Estado. 20 ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

21. Barroso LR. Curso de direito constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. São Paulo: Saraiva, 2009.

22. Nassif A. Mandado de Segurança n. 70030988893. Quinta Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, de 16 de setembro de 2009.

23. Barcellos AP. Normatividade dos princípios e o princípio da dignidade da pessoa humana na Constituição de 1988. Rev Direito Adm. 2000;221:159-88. DOI: http://dx.doi.org/10.12660/rda.v221.2000.47588
Publicado
2018-11-28
Seção
Artigos Originais