Avaliação do desempenho das ações e serviços de controle da Tuberculose pela estratégia saúde da família

  • Fábia Maria de Santana Faculty of Medicine of ABC, Santo André, SP
  • Ana Paula de Araújo Machado School of Sciences of Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Patrícia Poleto Monhol School of Sciences of Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)
  • Ligia Ajaime Azzalis Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP
  • Virginia B. C. Junqueira Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP
  • David Feder Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP
  • Leela Morená Federal University of the Valley of the São Francisco
  • Fernando Luiz Affonso Fonseca Faculty of Medicine of ABC, Santo André, SP/ Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP
Palavras-chave: Tuberculose, atenção primária à saúde, avaliação dos serviços de saúde

Resumo

Introdução: A atenção básica é resultado do desenvolvimento e consolidação do SUS através do programa de Estratégia Saúde da Família. Diante do quadro de persistência da tuberculose em vários municípios do País, o Ministério da Saúde (MS) estabeleceu o Plano Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) cujas metas eram integrar 100% dos municípios brasileiros na luta contra a doença.

Objetivo: Avaliar o desempenho das ações e serviços de controle da tuberculose (TB) da Estratégia Saúde da Família no município de Salgueiro-PE.

Método: Trata-se de estudo transversal, quantitativo e descritivo de inquérito que avaliou serviços de saúde na cidade de Salgueiro-PE, envolvendo 40 participantes. Os dados foram coletados através de questionário com perguntas específicas para cada componente organizacional essencial da atenção básica para as ações de controle da TB, além de perguntas sobre o perfil do paciente, informações clínicas epidemiológicas e estado atual de saúde. A fim de conhecer as políticas realizadas no controle da TB no município em  estudo, foi também elaborado um roteiro com perguntas direcionadas ao gestor.

Resultados: Houve predominância do sexo masculino com 28 (70%), com ensino fundamental incompleto 15 (37,5%) e com faixa etária de 34 a 59 anos de idade. Quanto ao local do diagnóstico, o hospital teve maior prevalência de casos diagnosticados com tuberculose com 62,5%, os que realizavam tratamento supervisionado foram 85,0%. As médias das ações avaliadas demonstraram que o município de Salgueiro-PE não desenvolve ações de educação em saúde e busca ativa de sintomáticos respiratórios, obtendo médias favoráveis apenas para realização da baciloscopia de diagnóstico, consultas mensais de controle e acompanhamento medicamentoso.

Conclusão: Houve fragilidades no desempenho das ações e serviços pela estratégia saúde da família no munícipio de Salgueiro, com prejuízos ao controle e ao tratamento, sendo necessário o fortalecimento das ações e serviços no combate à doença.

Biografia do Autor

Fábia Maria de Santana, Faculty of Medicine of ABC, Santo André, SP

Sanitary Physiotherapist by the School of Government in Public Health of the State of Pernambuco, Master’s Degree in Health Sciences by ABC Medical School, Santo André, SP, Brazil

Commission for Postgraduate, Research and Innovation. Postgraduate Program in Health Sciences.

Ana Paula de Araújo Machado, School of Sciences of Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)

 Laboratory of Scientific Writing - Nursing

Patrícia Poleto Monhol, School of Sciences of Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM)

Laboratory of Scientific Writing - Nursing

Ligia Ajaime Azzalis, Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP

 Department of Pharmaceutical Sciences

 Laboratory of Clinical Analysis, ABC Medical School, Santo André, SP, Brazil.

Virginia B. C. Junqueira, Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP

 Department of Pharmaceutical Sciences

 Laboratory of Clinical Analysis, ABC Medical School, Santo André, SP, Brazil

David Feder, Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP

 Department of Pharmaceutical Sciences

 Laboratory of Clinical Analysis, ABC Medical School, Santo André, SP, Brazil

Leela Morená, Federal University of the Valley of the São Francisco

 Collegiate of Medicine, Petrolina, PE

 Laboratory of Study Design and Scientific Writing, ABC Medical School, Santo André, SP

Fernando Luiz Affonso Fonseca, Faculty of Medicine of ABC, Santo André, SP/ Federal University of São Paulo, UNIFESP, Diadema, SP

 Commission for Postgraduate, Research and Innovation. Postgraduate Program in Health Sciences

 Department of Pharmaceutical Sciences

 Laboratory of Clinical Analysis, ABC Medical School, Santo André, SP

Referências

1. Andrade MV, Coelho AQ, Xavier Neto M, Carvalho LR, Atun R, Castro MC. Brazil’s Family Health Strategy: factors associated with programme uptake and coverage expansion over 15 years (1998–2012). Health Policy Plan. 2018;33(3):368-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/heapol/czx189

2. Lima-Costa MF, Turci MA, Macinko J. Estratégia Saúde da Família em comparação a outras fontes de atenção: indicadores de uso e qualidade dos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(7):1370-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700011

3. Lacerda SNB, Temoteo RCA, Figueiredo TMRM, Luna FDT, Sousa MAN, Abreu LC, et al. Individual and social vulnerabilities upon acquiring tuberculosis: a literature systematic review. Int Arch Med. 2014;7:35. DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1755-7682-7-35

4. Hijjar MA, Gerhardt G, Teixeira GM, Procopio MJ. Retrospecto do controle da tuberculose no Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(Suppl.1):50-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000800008

5. Souza WV, Albuquerque MFM, Barcellos CC, Ximenes RAA, Carvalho MS. Tuberculose no Brasil: construção de um sistema de vigilância de base territorial. Rev Saúde Pública. 2005;39(1):82-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000100011

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Experiências de monitoramento e avaliação no controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério de Saúde, 2013.

8. Santos MLSG, Villa TCS, Vendramini SHF, Gonzáles RIC, Palha PF, Santos NSGM, et al. A gerência das ações de controle da tuberculose em municípios prioritários do interior paulista. Texto Contexto Enferm. 2010;19(1):64-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000100007

9. Almeida C, Macinko J. Validação de uma metodologia rápida das características organizacionais e do desempenho dos serviços de atenção básica do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível local. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2006.

10. Ruffino-Neto A, Villa TCS. Tuberculose: pesquisas operacionais. São Paulo: FUNPEC, 2010.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

13. Micheletti VCD, Bordin R. Programa de controle da tuberculose da secretaria municipal de saúde de Porto Alegre: Adesão ao tratamento a partir da análise das estratégias da equipe de saúde. Monografia (Conclusão de Curso) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2008.

14. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades, 2013. [cited 2016 Sep 12] Available from: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=230180.

15. Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde. Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Programa de Enfretamento das Doenças Negligenciadas no Estado de Pernambuco: SANAR: 2011-2014. Recife: Secretaria Estadual de Saúde, 2013.

16. Vieira AN, Fernandes ACL, Lima DWC, Oliveira WS, Lima LCS, Oliveira LKS. Casos de Tuberculose Notificados no SINAN. Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(4):869-80.

17. Gosoniu GD, Ganapathy S, Kemp J, Auer C, Somma D, Karim F, et al. Gender and sociocultural determinants of delay to diagnosis of TB in Bangladesh, India and Malawi. Int J Tuberc Lung Dis. 2008;12(7);848-55.

18. Portela MC, Lima SML, Brito C, Ferreira VMB, Escosteguy CC, Vasconcellos MTL. Programa de Controle da Tuberculose e satisfação dos usuários, Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):497-507. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004793

19. Lindoso AABP, Waldman EA, Komatsu NK, Figueiredo SM, Taniguchi M, Rodrigues LC. Perfil de pacientes que evoluem para óbito por tuberculose no município de São Paulo, 2002. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):805-812. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000500004

20. Santos MLSG, Vendramini SHF, Gazetta CE, Oliveira SAC, Villa TCSV. Pobreza: caracterização socioeconômica da tuberculose. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007;15(esp). DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000700008

21. Ferrer GCN, Silva RM, Ferrer KT, Traebert J. A carga de doença por tuberculose no estado de Santa Catarina. J Bras Pneumol. 2014;39(6):61-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132014000100009

22. Coelho DMM, Viana RL, Madeira CA, Ferreira LOC, Campelo V. Perfil epidemiológico da tuberculose no Município de Teresina-PI, no período de 1999 a 2005. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(1):33-42.

23. Silva-Sobrinho RA, Andrade RLP, Ponce MAZ, Wysocki AD, Brunello ME, Scatena LM, et al. Retardo no diagnóstico da tuberculose em município da tríplice fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Rev Panam Salud Publica. 2012;31(6):461-8.

24. Pontes APM, Cesso RGD, Oliveira DC, Gomes AMT. Facilidades de acesso reveladas pelos usuários do sistema único de saúde. Rev Bras Enferm. 2010;63(4):574-80. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000400012

25. Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2011;20(3):599-606.

26. Souza EP, Barbosa ECS, Rodrigues ILA, Nogueira LMV. Prevenção e controle da tuberculose: revisão integrativa da literatura. Rev Cuid. 2015;6(2):1094-102. DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v6i2.178

27. Arakawa T, Villa TCS, Arcêncio RA, Cardozo-Gonzales RI, Scatena LM, Ruffino-Netto A. A acessibilidade de doentes de tuberculose ao tratamento em serviços de saúde no munícipio de Ribeirão Preto - São Paulo (2006-2007). In: Villa TCS, Ruffino Netto A. Tuberculose: pesquisas operacionais. Ribeirão Preto: FUNPEC, 2009; p. 48-55.

28. Jesus MCP, Santos SMR, Amaral AMM, Costa DMN, Aguilar KSM. O discurso do enfermeiro sobre a prática educativa no programa saúde da família em Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Rev APS. 2008;11(1):54-61.

29. Bezerra IMP, Sorpreso ICE. Concepts and movements in health promotion to guide educational practices. J Hum Growth Dev. 2016;26(1):11-20. DOI: https://doi.org/10.7322/jhgd.113709

30. Fernandes MCP, Backes VMS. Educação em saúde: perspectivas de uma equipe da Estratégia de Saúde da Família sob a ótica de Paulo Freire. Rev. Bras Enferm. 2010;63(4): 567-73. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000400011

31. Sá LD, Gomes ALC, Carmo JB, Souza KMJ, Palha PF, Alves RS, et al. Educação em saúde no controle da tuberculose: perspectiva de profissionais da estratégia Saúde da Família. Rev Eletr Enf. 2013;15(1):103-11. DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.15246

32. Clementino FS, Marcolino EC, Gomes LB, Guerreiro JV, Miranda FAN. Ações de controle da tuberculose: análise a partir do programa de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica. Texto Contexto Enferm. 2016;25(4):e4660015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072016004660015

33. Zombini EV, Almeida CHD, Silva FPCV, Yamada ES, Komatsu NK, Figueiredo SM. Clinical and epidemiological profile of tuberculosis in childhood and adolescence. J Hum Growth Dev. 2013; 23(1):52-7. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.50391

34. Rodrigues ILA, Souza MJ. Representações sociais de clientes sobre a tuberculose: desvendar para melhor cuidar. Esc Anna Nery. 2005;9(1):80-7.

35. Lafaiete RS, Silva CB, Oliveira MG, Motta MCS, Villa TCS. Investigação sobre o acesso ao tratamento de tuberculose em Itaboraí /RJ. Esc Anna Nery. 2011;15(1):47-53. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000100007

36. Nogueira PA, Abrahão RMCM, Malucelli MIC. Baciloscopia de escarro em pacientes internados nos hospitais de tuberculose do Estado de São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2004; 7(1):54-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2004000100007

37. Lima LM, Harter J, Tomberg JO, Vieira DA, Antunes ML, Cardoszo-Gonzales RI. Avaliação do acompanhamento e desfecho de casos de tuberculose em município do sul do Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(1):e51467.

38. Oliveira MF, Villa TCS. Acesso ao diagnóstico de tuberculose em serviços de saúde do município de Ribeirão Preto – São Paulo (2006-2007). Teste (Doutorado) - Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo: Ribeirão Preto: 2009.

39. Assis MMA, Silva EM, Silva CNL, Barbosa JF, Freitas MYGS, Cerqueira EM, et al. Avaliação do programa de controle de tuberculose em Feira de Santana/ BA (2007): limite e desafios. In: Villa TCS, Ruffino Netto A. Tuberculose: pesquisas operacionais. São Paulo: FUNCEP, 2009; p.165-75.

40. Mello DF, Vieira CS, Simpionato E, Biasoli-Alves ZMM, Nascimento LC. Genograma e Ecomapa: possibilidades de utilização na estratégia de saúde da família. Rev Bras Cresc Desenv Hum 2005;15(1):78-89. DOI: https://dx.doi.org/10.7322/jhgd.19751

41. Silva DM, Nogueira JA, Sá LD, Wysocki AD, Scatena LM, Villa TCS. Avaliação de desempenho de Serviços da Atenção Básica para o tratamento da tuberculose. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(6):1044-53. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000700012

42. Queiroz EM, De-La-Torre-Ugarte-Guanilo MC, Ferreira KR, Bertolozzi MR. Tuberculosis: limitations and strengths of Directly Observed Treatment Short-Course. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(2):369-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000200021

43. Terra MF, Bertolozzi MR. Does directly observed treatment (“DOTS”) contribute to tuberculosis treatment compliance? Rev Latino Am Enfermagem. 2008;16(4):659-64. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692008000400002

44. Samico I, Hartz ZMA, Felisberto E, Carvalho EF. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2005;5(2):229-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000200012

45. Bezerra IMP. Translational medicine and its contribution to public. Health J Hum Growth Dev. 2017;27(1):6-9. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.127642

46. Alves SAA, Oliveira MLB. Sociocultural aspects of health and disease and their pragmatic impact. J Hum Growth Dev. 2018;28(2):183-8. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.147236
Publicado
2018-11-28
Seção
Artigos Originais