Tópicos de metodologia de pesquisa: Estudos de corte transversal

  • Juliana Zangirolami-Raimundo Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)
  • Jorge de Oliveira Echeimberg Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)
  • Claudio Leone Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)
Palavras-chave: estudo observacional, estudos transversais, estudos de casos e controles, características dos estudos, prevalência

Resumo

No campo da saúde as pesquisas mais frequentes são feitas na forma de estudos observacionais. Nesse tipo de investigação científica os pesquisadores não interferem nos fenômenos em estudo, apenas os observam de maneira sistemática e padronizada, coletando e registrando informações, dados ou materiais que ocorrem espontaneamente num determinado momento do processo saúde-doença, ou ao longo de sua evolução natural, para posteriormente proceder à sua descrição e/ou análise. Nos Estudos observacionais normalmente quatro tipos de Desenho de Estudo são passíveis de utilização: Estudos de Series de casos, Estudos de Corte transversal. Estudos de Caso-controle e Estudos de Coorte. Assim, salienta-se que os estudos de corte transversal têm sua grande utilidade em estudos descritivos ao mesmo tempo que, quando utilizados em estudos que se propõem a serem analíticos, os resultados devem ser interpretados por pesquisadores com boa experiência naquele campo específico de conhecimento, valendo-se de muita cautela e bom senso.

Biografia do Autor

Juliana Zangirolami-Raimundo, Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)

 Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica

Jorge de Oliveira Echeimberg, Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)

 Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica

Claudio Leone, Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Santo André (SP)

 Laboratório de Delineamento de Estudos e Escrita Científica

Referências

1. Kramer M.S. Clinical Epidemiology and Biostatistics. Berlin: Springer-Verlag, 1988.

2. Katz MH. Study Design and Statistical Analysis. New York: Cambridge University Press, 2006.

3. Hennekens CH, Buring JE. Epidemiology in Medicine. Boston: Little, Brown and Company, 1987.

4. Porta M. A Dictionary of Epidemiology 5th ed. New York: Oxford University Press, 2008.

5. Friis R.H. and Sellers T.A. Epidemiology for Public Health Practice 4th ed. Sudbury Massachussetts, 2009.

6. Kirkwood BR, Sterne AC. Essential Medical Statistics 2nd ed. Malden, Massachusetts, 2006.

7. Del Ciampo LA, Louro AL, Del Ciampo IRL, Ferraz IS. Characteristics of sleep habitsamong adolescents living in the city of RibeirãoPreto (SP).J Hum Growth Dev. 2017; 27(3): 307-314. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.107097

8. Lucena KDT, Deninger LSC, Coelho HFC, Monteiro ACC, Vianna RPT, Nascimento JA. Analysis of the cycle of domestic violence against women. J Hum Growth Dev. 2016; 26(1): 139-146. http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.119238
Publicado
2018-11-28
Seção
Artigos Originais