Mapa da vulnerabilidade social do município de Natal-RN em nível de setor censitário

  • Isabelle Ribeiro Barbosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ruana Clara Bezerra Gonçalves Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Reginaldo Lopes Santana Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: vulnerabilidade social, análise fatorial, análise espacial, desigualdades

Resumo

Introdução: O conceito de vulnerabilidade a descreve como a coexistência, cumulatividade ou sobreposição espacial de situações de pobreza e privação social e de situações de exposição a risco ambiental, onde estão presentes a exposição ao risco, incapacidade de reação e dificuldade de adaptação diante da materialização do risco.

Objetivo: Avaliar a distribuição espacial do Índice de Vulnerabilidade Social em nível de setor censitário para o município de Natal, RN, Brasil.

Método: Estudo ecológico que utilizou os 895 setores censitários do município de Natal. Foi aplicada a técnica de Análise dos Componentes Principais com oito variáveis relativas ao capital humano, infraestrutura urbana, renda e trabalho, obtidas do Censo demográfico 2010. O resultado foi categorizado a partir do escore Z e a classificação obtida foi utilizada para produção do mapa. Foram utilizados os programas SPSS 22.0 e QGIS 2.8.

Resultados: O Teste de esfericidade de Bartlett obteve p<0,05, o KMO foi de 0,769, as comunidades tiveram cargas fatoriais superiores a 0,60. A análise aplicada ao modelo possibilitou a extração de três fatores: Fator 1 (relacionado ao capital humano), o Fator 2 (Renda e Trabalho) e o Fator 3 (Infraestrutura Urbana), explicando conjuntamente 71,56% da variância total. O Fator 1 foi o que melhor discriminou a vulnerabilidade no município de Natal, mostrando áreas de baixa vulnerabilidade nos bairros dos distritos Sul e leste da cidade e áreas de elevada vulnerabilidade nas zonas periféricas do Oeste e Norte. Para os Fatores 2 e 3, a maior parte dos setores foram classificados dentro da faixa considerada de média vulnerabilidade.

Conclusão: No município de Natal, existem diferenças significativas nas condições socioeconômicas e demográficas de sua população, com áreas de concentração de riscos sociais e ambientais.

 

Biografia do Autor

Isabelle Ribeiro Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutora em Saúde Coletiva, Professora da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA).

 

Ruana Clara Bezerra Gonçalves, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduanda do curso de Engenharia Ambiental

Reginaldo Lopes Santana, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduando do curso de Geografia

Referências

1. Ayres JRCM, França Júnior I, Calazans GJ, Saletti Filho HC. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D, Freitas CM . Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003; p. 117-39.

2. Alves HPF. Análise da vulnerabilidade socioambiental em Cubatão-SP por meio da integração de dados sociodemográficos e ambientais em escala intraurbana. Rev Bras Estud Popul. 2013;30(2):349-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982013000200002

3. Alves HPF. Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais. Rev Bras Estud Popul. 2006;23(1):43-59. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982006000100004

4. Sánchez AIM, Bertolozzi MR. Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em Saúde Coletiva?. Ciênc Saúde Coletiva, 2007;12(2):319-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200007

5. Bertolozzi MR, Nichiata LYI, Takahashi RF, Ciosak SI, Hino P, Val LF, et al. Os conceitos de vulnerabilidade e adesão na Saúde Coletiva. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(spe 2):1326-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000600031

6. Monteiro SRDRP. O marco conceitual da vulnerabilidade social. Soc Debate, 2011;17(2):29-40.

7. Cunha JMP, Jakob AA, Hogan DJ, Carmo RL. A vulnerabilidade social no contexto metropolitano: o caso de Campinas. In: Cunha JMP. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Unicamp, 2006; p.143-68.

8. Cunha JMP. Um sentido para a vulnerabilidade sociodemográfica nas metrópoles paulistas. Rev Bras Estud Popul. 2004;21(2):343-7.

9. Araújo MCC, Cândido GA. Índices de qualidade de vida urbana de Natal-RN. Geoconexões. 2015;1(1):51-66. DOI: https://doi.org/10.15628/geoconexoes.2015.2836

10. Organização Mundial de Saúde (OMS). Atenção primária em saúde: Agora mais do que nunca. Genebra: WHO, 2008.

11. Dahlgren G, Whitehead M. Policies and Strategies to promote social equity in health. Stockholm: Institute for Future Studies; 1991.

12. Schumann LRMA, Moura LBA. Índices sintéticos de vulnerabilidade: uma revisão integrativa de literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20(7):2105-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015207.10742014

13. Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicada (IPEA). Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. Brasília: IPEA, 2015.

14. Huang G, London JK. Cumulative Environmental Vulnerability and Environmental Justice in California’s San Joaquin Valley. Int J Environ Res Public Health, 2012; 9(5):1593-1608. DOI: http://dx.doi.org/10.3390/ijerph9051593

15. Assembléia Legislativa. Índice Paulista de Vulnerabilidade Social. São Paulo: Fundação SEADE; 2013.

16. Governo do Estado do Amazonas. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Sustentável e Inclusão Social (DESIS). [cited 2016 Dec 28] Available from: http://desis.ufsc.br/files/2016/12/ Caderno-05.pdf

17. Costa MA, Marguti BO, Pirani NC. O Território em índices: a experiência do Ipea na construção do Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) e a possibilidade de novos olhares sobre diferentes escalas do território. Bol Reg Urbano Ambiental. 2016;(13):11-19.

18. Guimarães JRS, Jannuzzi PM. Indicadores sintéticos no processo de formulação e avaliação de políticas públicas: limites e legitimidades. [cited 2018 Sep 25] Available from: http://www.ernestoamaral.com/docs/
IndSoc/biblio/Guimaraes2004.pdf

19. Deschamps MV. Vulnerabilidade socioambiental na região metropolitana de Curitiba. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Parana. Curitiba: 2004.

20. Deschamps MV, Delgado PR, Sugamosto M, Cintra APU, Ignácio SA, Rodrigues JM, et al. Vulnerabilidade socioambiental nas regiões metropolitanas brasileiras. [cited 2018 Sep 25] Available from: http://www.observatoriodasmetropoles.ufrj.br/relatorio004_2009.pdf

21. Medeiros MD, Almeida LQ. Vulnerabilidade socioambiental no município de Natal, RN, BR. Rev Eletrôn PRODEMA. 2015;9(2):65-79.

22. Silva AF. Migração e crescimento urbano. Uma reflexão sobre a cidade de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. [cited 2018 Sep 25] Available from: http://www.ub.edu/geocrit/sn-94-74.htm

23. Costa MCL, Dantas EWC. Vulnerabilidade socioambiental na região metropolitana de Fortaleza. Fortaleza: UFC, 2009.

24. Cartier R, Barcellos C, Hübner C, Porto MF. Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Cad Saúde Pública. 2009;25(12): 2695-2704. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001200016

25. Carvalho IMM, Barreto VS. Segregação residencial, condição social e raça em Salvador. Cad Metrópole. 2007;(18):251-73. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/8737

26. Winzer L. The relationship between the Municipal Human Development Index and rates of violent death in Brazilian Federal Units. J Hum Growth Dev. 2016;26(2):211-17. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.119275
Publicado
2019-05-06
Seção
Artigos Originais