Sífilis adquirida: construção e validação de tecnologia educativa para adolescentes

  • Shayane Bezerra dos Santos Universidade Regional do Cariri/ Secretária de Saúde de Recife
  • Ana Paula de Araújo Machado Laboratório de Escrita Científica da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória
  • Larissa Alves Sampaio Universidade Regional do Cariri
  • Luiz Carlos de Abreu Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória
  • Italla Maria Pinheiro Bezerra Laboratório de Escrita Científica da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória
Palavras-chave: estudos de validação, tecnologia educacional, sífilis, adolescente

Resumo

Introdução: Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a sífilis voltou a ser uma doença de alta prevalência, apresentando-se como um grave problema de saúde pública. Esta Infecção Sexualmente Transmissível (IST) está presente em todos os estratos sociais, países desenvolvidos e em desenvolvimento, nos portadores do vírus do HIV tanto quanto imunocompetentes, em homens e mulheres.

Objetivo: Validar um álbum seriado direcionado para adolescentes no ambiente escolar.

Método: Trata-se de um estudo do tipo metodológico, no qual se refere a investigações dos métodos de obtenção e organização de dados para construir, validar e avaliar instrumentos e técnicas de pesquisa que possam posteriormente ser utilizados por outras pessoas.

As etapas metodológicas são: levantamento bibliográfico, construção do álbum seriado, validação junto aos juízes especialistas e validação com público alvo. Após a obtenção dos dados, a análise dar-se-á pelo software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 20.0, dispondoos, posteriormente, em tabelas. Este projeto de pesquisa será submetido a um Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos delegado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) através da Plataforma Brasil, conforme Resolução 466/12.

Inovação: Este é o primeiro trabalho com objetivo de validar um álbum seriado direcionado para adolescentes no ambiente escolar, desenvolvido por profissionais especialistas no assunto e com capacidade de disponibilizar informações importantes, resultando em medidas preventiva que influenciam diretamente nos serviços de saúde.

Biografia do Autor

Shayane Bezerra dos Santos, Universidade Regional do Cariri/ Secretária de Saúde de Recife

Graduada em enfermagem

Especialista em Assistência e Gestão em Saúde da Família

Residente em Saúde Coletiva

Luiz Carlos de Abreu, Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória

Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local

Italla Maria Pinheiro Bezerra, Laboratório de Escrita Científica da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória

Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento Local, Bolsista CAPES

Referências

1. Santos A, Marques E, Pagnin D, Queiroz V. Um novo desafio para a saúde pública: Sífilis. Diversitates Int J. 2017;9(2):65-81.

2. Sortica AC, Albuquerque PP. Rede de Atenção à Saúde, Sífilis e Educação em Saúde, a intersecção necessária: um estudo de caso sobre Sífilis em gestante e congênita no município de esteio. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2017.

3. Dantas LA, Jerônimo SHNM, Teixeira GA, Lopes TRG, Cassiano NA, Carvalho JBL. Perfil epidemiológico da Sífilis Adquirida diagnostica e notificada m hospital universitário materno infantil. Enfermería Global, revista eletrônica de enfermagem.2017;(46):227-36. DOI: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.16.2.229371

4. World Health Organization (WHO). Prevalence and incidence of selected sexually transmitted infections. [cited 2018 Feb 3] Available from: http://www.who.int/reproductivehealth/publications/rtis/9789241502450/en/.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sífilis. Bol Epidemiológico. 2017;48(36):1-41.

6. Nascimento MHM, Teixeira E. Tecnologia para mediar o cuidar-educando no acolhimento de “familiares cangurus” em unidade neonatal: Estudo de Validação. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Estado do Pará. Belém: 2012.

7. Polit DF, Beck CT. Delineamento de pesquisa em enfermagem. In: Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7.ed. Porto Alegre: Artmed, 2011; p. 247-87.

8. Alves AM, Silva MJ. Construção e Validação de Cartilha Educativa para Prevenção de Quedas em Idosos. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Fármacia, Odontologia e Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Fortaleza: 2017.

9. Echer IC. Elaboração de manuais de orientação para o cuidado em saúde. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005;13(5):754-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692005000500022

10. Gozzo TO, Lopes RR, Prado MAS, Cruz LAP, Almeida AM. Informações para elaboração de um manual educativo destinado às mulheres com câncer de mama. Esc Anna Nery. 2012; 16(2):18-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000200014

11. Moreira MF, Nóbrega MML, Silva MIT. Comunicação escrita: contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Rev Bras Enferm. 2003;56(2):184-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672003000200015

12. Dodt RCM, Ximenes LB, Oriá MOB. Validação de álbum seriado para promoção do aleitamento materno. Acta Paul Enferm. 2012;25(2):225-30. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000200011

13. Lopes MVO, Silva VM, Araújo TL. Validação de diagnósticos de enfermagem: desafios e alternativas. Rev Bras Enferm. 2013;66(5):649-55. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000500002

14. Jasper MA. Expert: a discussion of the implications of the concept as used in nursing. J Adv Nurs. 1994;20(4):769-76. DOI: https://doi.org/10.1046/j.1365-2648.1994.20040769.x

15. Mota FRN, Silva MJ. Adaptação transcultural e validação do Coregiver Reaction Assessment para uso no Brasil: aplicação em cuidadores informais de idosos dependentes. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: 2014.

16. Sabino LMM, Alves MDS. Cartilha educativa para promoção da autoeficácia materna na prevenção da diarreia infantil: elaboração e validação. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: 2016.

17. Oliveira MS, Fernandes AFC. Autocuidado da mulher na reabilitação da mastectomia: estudo de validação de aparência e conteúdo de uma tecnologia educativa. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: 2006.

18. Sousa CS, Turrini RNT, Poveda VB. Tradução e adaptação do instrumento “suitability assessment of materials” (SAM) para o português. Rev Enferm UFPE. 2015;9(5): 7854-61. DOI: https://doi.org/10.5205/r euol.6121-57155-1-ED.0905201515

19. Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3061-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006

20. Fehring RJ. The Fehring Model. In: Classification of nursing diagnoses: proceeding of the Tenth Conference of North American Nursing Diagnosis Association. Philadelphia: Linppincottp, 1994; p.55-62.

21. Oliveira SC, Carvalho AF. Efeito de uma intervenção educativa na gravidez para alimentação saudável com os alimentos regionais. Tese (Doutorado ) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: 2014.

22. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [cited 2018 Feb 3] Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

23. Avelleira JCR, Bottino G. Syphilis: diagnosis, treatment and control. Ana Bras Dermatol. 2006;81(2):111-26. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962006000200002

24. Chicraia MA, Barros CRP, Cromack LMF, Meirelles ZV, Silva MRN, Baker G. Conhecimento, atitudes e práticas relacionadas à DST/AIDS: avaliação de adolescentes atendidos em uma unidade de atenção primária. DST J Bras Doenças Sex Transm. 1997;9 (3):10-15.

25. Silva GA, Martins MCT. Sexualidade na contramão: roteiro de orientação temática para pais, educadores e lideranças comunitárias. São Paulo: Paulus, 1995; p.51-69.

26. Teixeira E, Oliveira DC. Representações sociais de educação em saúde em tempos de AIDS. Rev Bras Enferm. 2014;67(5):810-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2014670520

27. Bezerra IMP, Sorpreso ICE. Concepts and movements in health promotion to guide educational practices. J Hum Growth Dev. 2016;26(1):11-20. DOI: https://doi.org/10.7322/jhgd.113709

28. Gomes LB, Merhy EE. Compreendendo a Educação Popular em Saúde: Um estudo na literatura brasileira. Cad Saúde Pública. 2011;27(1):7-18. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000100002
Publicado
2019-05-06
Seção
Artigos Originais