Interações sociais precoces: uma análise das mudanças nas funções parentais

  • Sandra A N Nunes Faculdade de Tecnologia e Ciências de Itabuna; Núcleo de Saúde-Curso de Psicologia
  • Marcos G Fernandes Universidade Estadual de Santa Cruz; Departamento de Ciências da Saúde
  • Mauro L Vieira Universidade Federal de Santa Catarina; Departamento de Filosofia e Ciências Humanas
Palavras-chave: Interação social, Apego, Comportamento parental

Resumo

As interações físicas e afetivas estabelecidas entre progenitores e seus descendentes vêm sendo rediscutidas na ciência psicológica, em virtude de contribuições recentes oferecidas pela Psicologia do Desenvolvimento Evolucionista (PDE). Pretende-se, no presente artigo, fazer uma revisão das teorias clássicas e contemporâneas que trataram de explicar os fatores implicados na gênese, no desenvolvimento e na função das interações precoces entre filhos e mães e pais. Buscar-se-á estabelecer as modalidades de vinculação em diferentes espécies, a partir de uma abordagem evolucionista, até se chegar à conduta de apego e à sua contraparte, o comportamento parental, em sua dinâmica normal e patogênica, na espécie homo. A psicopatologia do vínculo mãe-bebê, em especial a depressão puerperal, será analisada tendo como pano de fundo a contradição entre as características biológicas da espécie e as exigências culturais que as sociedades industrializadas impõe à mãe e ao pai, destacando papel que o investimento paterno e aloparental assumem no desenvolvimento favorável do bebê e, conseqüentemente, no re-estabelecimento da puérpera.

Referências

Darwin CR. The expression of the emotions in man and animals.1st ed. London: John Murray; 1898. Available from: URL: http://www.human-nature.com/darwin/emotion/contents.

Lorenz KZ. Os fundamentos da Etologia. Cruz PM e Alberts CC [trad]. São Paulo: UNESP; 1995.

Leontiev A N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte; 1978.

Guerra R F. Uma análise evolucionária da parturição e desenvolvimento infantil em mamíferos. Revista de Ciências Humanas 2003;34:395-440.

Vieira M L e Prado AB. Abordagem evolucionista sobre a relação entre filogênese e ontogênese no desenvolvimento infantil. In De Moura, MLS (org.) O bebê do século XXI: e a psicologia em desenvolvimento, São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004. p. 155-203.

Harlow HF. The Nature of Love University of Wisconsin, First published in American Psychologist [Serial online].1958, 13, 673-685.Available from: URL: http://psychclassics.yorku.ca/Harlow/love.htm#f1.

Bowlby J. The nature of the child’s tie to his mother. International Journal of Psycho-Analysis 1958; 39:350-373. Available from: http://www.richardatkins.co.uk/atws/document/545.html.

Ainsworth MDS e Bowlby J. An Ethological Approach to Personality Development. American Psychologist.1991; 46(4):333-341.

Spitz RA . O primeiro ano de vida. 2nd ed. São Paulo: M. Fontes;1998.

Wendland JA. Abordagem Clínica das Interações Pais-Bebê: Perspectivas Teóricas e Metodológicas. Psicologia: Reflexão e Crítica2001; 14(1): 45-56.

Mahler M. Thoughts about development and individuation. The Psychoanalytic Study of the Child 1963;18:307-324.

Winnicott. DW. A criança e seu mundo. 6ª ed. Rio de Janeiro: Editora Zahar; 1982.

Bowolby J. Apego. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1990.

Bowlby, J. Separação. São Paulo: Martins Fontes; 1984.

Luria AR Curso de psicologia geral: introdução evolucionista a psicologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979. 115 p.

Vieira ML, Piovanotti MIA. Relação entre a experiência parental e a presença do pai no cuidado parental em gerbilos da Mogólia (Meriones unguiculatus), Biotemas 2004 (17) 2:149-176.

Darwin CR. The Descent of Man (2nd ed.)Originally published London: J. Murray 1874. Disponível em Classics in the History ofPsychology. Available from: http://psychclassics.yorku.ca/Darwin/Descent/index.htm.

Schön RA. Natural Parenting: Back to Basics in Infant Care. In Evolutionary Psychology 2007;5(1):102-183. Available from: http://www.epjournal.net.

Bussab VSR. A família humana vista da perspectiva etológica: natureza ou cultura? Interação 2000;(4):9-22.

Bussab VSR. Uma abordagem Psicoetológica do comportamento materno. In MJR Paranhos C e VU. Cromberg (Orgs.), Comportamento materno em mamíferos. Jaboticabal-Universidade Estadual Paulista: Sociedade Brasileira de Etologia. 1998. p. 17-30.

Bussab VSR, Otta E. Desenvolvimento humano: a perspectiva da etologia. Documento CRP08 1992;2(3):128-136.

Bussab VSR, Ribeiro FJR. Biologicamente cultural. In L. Souza MFQ, Freitas MM, P. Rodrigues (Orgs.), Psicologia – Reflexões (im)pertinentes (p. 195-224). São Paulo: Casa do Psicólogo;1998.

Leakey R. A origem da espécie humana. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

Blank M. Os herdeiros de Darwin. São Paulo: Editora Pagina Aberta Ldta;1994.

Eibl-Eibesfeldt I. Human Ethology. London: Aldine de Gruyter; 1989.

Piccini CA, Silva MR, Gonçalves TR, Lopes RS, Tudge J . Father’s involvement during the gestation. Psicol. Reflex. Crit. Porto Alegre: 2004;17(3). Available from: http://www.scielo.br/scielo.php.

Schwengber DDS, Piccini CA. O impacto da depressão pós-parto para a interação mãe-bebê. Estud. Psicol. (Natal). 2003;8(3). Available from: http://www.scielo.br/scielo.php.

Prado AB, Piovanotti MRA, Vieira ML. Concepções de pais e mães sobre comportamento paterno real e ideal. Psicol. Estud. Maringá. 2007(12)1:54-64.

Silva ETS, Botti NCL. Depressão puerperal uma revisão de literatura. Rev Eletrônica Enfermagem. 2005;7(2):231-238.

Sotto-Mayor IMB, Piccini CA. Relacionamento conjugal e depressão materna Psicologia 2005;(36)2:135-148.

Bowlby J. Uma Base Segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Porto Alegre: Artes Médicas; 1989.

Stern DN. A constelação da maternidade: o panorama da psicoterapia pais/bebê. Porto Alegre: Artes Médicas;1997.

Ramirez V R R. Cognição Social e Teoria do Apego: possíveis articulações. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2003;16(2):403-410.

Kobarg APR, Sachetti VAR, Viera ML. Valores e crenças parentais: reflexões teóricas. Rev Bras Crescimento e Desenvolvimento Humano. 2006;16(2):96-102.

Hrdy S. Mãe natureza. Rio de Janeiro: Campus; 200136. Lamb M E. The role of the father in child development. 3a Ed. New York: John Wiley Sons; 1997.

Prado AB, Piovanotti MRA, Vieira ML. Não basta ser pai, tem que participar. Psicologia Brasil. 2004;(12):12-16.

Tokumaru RS, Bergamin MP. Uma abordagem evolucionista das relações pais-filhos e padrastos enteados. In A. Garcia (Ed),Relacionamento Interpessoal: Olhares Diversos. Vitória: GM Gráfica e Editora; 2005.p.29-40.

Ribas Adriana FP, Seidl MLM. Responsividade Materna e Teoria do Apego: Uma Discussão Crítica do Papel de Estudos Transculturais. Psicologia: Reflexão e Crítica2004;17(3):315-322.

Bandeira M Goetz ER, Vieira ML, Pontes FAR. O cuidado parental e o papel do pai no contexto familiar. In Pontes FAR, Celina MCM, Brito RCS, Martin WLB (orgs). Temas pertinentes à construção da Psicologia contemporânea. Belém: Editora Universitária;2005. p.191-230.

Volk AA. Parental Investment and Resemblance: Replications, Refinements and Revisions. Evolutionary Psychology, 2007; 5(1):1-14.

Klaus MHK JH e Klaus P. Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência, Porto Alegre: Artes Médicas;2000.

Publicado
2007-12-01
Seção
Atualização