Prevalência de atraso do desenvolvimento neuropsicomotor em pré-escolares

  • Jamili Anbar Torquato Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Janine Batista Paes Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Maria Cristiane C. Bento Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Glaucy Mara P. N. Saikai Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Juliana Novaes Souto Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Elbimeire de Almeida M. Lima Universidade Cruzeiro do Sul; Departamento de Ciências da Saúde
  • Luiz Carlos de Abreu Faculdade de Medicina do ABC; Laboratório de Escrita Científica
Palavras-chave: desenvolvimento infantil, criança institucionalizada, reabilitação, crianças

Resumo

O desenvolvimento infantil é um processo de mudanças relacionado com a idade e influenciado pelo ambiente em que a criança vive. Desta maneira, o objetivo é verificar o a prevalência de atraso do desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM) em pré-escolares. Procedimentos: tratou-se de um estudo transversal analítico realizado em três abrigos e uma escola particular da Zona Leste de São Paulo-SP, na qual participaram 81 crianças. Aplicou-se um questionário aos responsáveis pelas crianças participantes e para avaliar o desenvolvimento neuropsicomotor das crianças foi utilizado o Teste Denver II. Os resultados revelaram a prevalência de atraso no DNPM em crianças institucionalizadas (31,6%), p=0,06. A linguagem foi a área mais freqüentemente afetada nas crianças com suspeita de atraso. Em relação ao suporte familiar e condições ambientais não houve diferenças estatisticamente significantes nas crianças institucionalizadas. Verificou-se que os resultados não significativos talvez sejam conseqüência da relação de apego que as crianças institucionalizadas adquirem entre si e da convivência com um maior número de crianças. Conclusão: o presente estudo não encontrou diferenças estatisticamente significativas no desenvolvimento neuropsicomotor de crianças institucionalizadas e não-institucionalizadas, porém houve maior prevalência de suspeita de atraso nas crianças institucionalizadas.

Referências

Bobath K. Uma base neurofisiológica para tratamento da paralisia cerebral. São Paulo: Manole; 1989. p. 1-2.

Tecklin JS. Fisioterapia Pediátrica. Porto Alegre: Artmed; 2002. p. 13-7.

Goto MMF, Gonçalves VMG, Netto AA. Classificação de recém-nascido e implicações clínicas no desenvolvimento neurológico: aspectos relacionados ao peso ao nascimento. Temas sobre desenvolvimento. 2004; 73 (13): 26-34.

Landre FT, Bobbio TG, Gonçalves VMG, Barros Filho AA. Escalas de Avaliação Neuromotora em pré-escolares: revisão bibliográfica. Temas sobre desenvolvimento. 2005; 78(13): 46-52.

Shumway-Cook, A, Woollacott M. Controle motor: teoria e aplicações práticas. Barueri, SP: Manole; 2003. p. 19-20.

Caetano MJD, Alves CR. Desenvolvimento motor de pré-escolares no intervalo de13 meses. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2005; 7(2): 05-13.

Siqueira, AC, Dell’aglio DD. O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: uma revisão de literatura. Psicol Soc. 2006; 18(1): 71-80.

Castanho AAG, Blascovi-assis M. Caracterização do desenvolvimento motor da criança institucionalizada. Fisioterapia Brasil. 2004; 5(6): 437-42.

Gangliardo HGRG, Gabbard C, Gonçalves VMG. Coordenação visuomotora em lactentes de baixo peso ao nascimento: uma revisão de literatura. Temas sobre Desenvolvimento. 2002; 62(11): 51-5.

Filipini R. Crescimento e Desenvolvimento de Crianças Residentes em uma Favelado Município de São Paulo [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 2000 ; 21-38.

Frankenburg WK, Dodds J, Archer P, Bresnick B, Maschka P, Edelman N et al. Denver II: Technical manual and training manual. Denver: Denver Developmental Materials, 1992.

Rezende MA, Beteli VC, Santos JLF. Follow-up of the child’s motor abilities in daycare centers and pre-schools. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2005; 13(5): 619-25.

Barros RC, Junior GAF. Interações afetivas de crianças abrigadas: um estudo etnográfico. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12(5): 1267-1276.

Andraca I, Pino P, La Parra A, Rivera F, Castillo M. Factores de riesgo para el desarrollo psicomotor em lactantes nascidos em óptimas condiciones biológicas. Rev Saúde Publica. 1998; 32(2): 138-47.

Halpern R, Giugliani ERJ, Victora CG, Barros FC, Horta BL. Fatores de Risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Rev Chil Pediatr. 2002; 73(5): 529-39.

Pilz EML, Schermann LB. Determinantes biológicos e ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor em uma amostra de crianças de Canoas/RS. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12(1): 181-90.

Kreling KCA, Brito ASJ, Matsu T. Fatores perinatais associados ao desenvolvimento neuropsicomotor de recém-nascidos de muito baixo peso. Pediatria. 2006; 28(2): 98-108.

Silva PL, Santos DCC, Gonçalves VMG. Influência de práticas maternas no desenvolvimento motor de lactentes do 6º ao 12ºmeses de vida. Rev Bras Fisioter. 2006;10(2): 225-31.

Campos MCD, Pereira JS. Desenvolvimento neuromotor em crianças de 3 a 12meses institucionalizadas e não institucionalizadas. Temas sobre Desenvolvimento. 2006; 15(85-86): 57-61.

Rezende MA, Beteli VC, Santos JLF. Avaliação de habilidades de linguagem e pessoal-sociais pelo Teste de Denver II em instituições de educação infantil. Acta Paul Enferm. 2005; 18(1): 56-63.

Passaglio KT, Neto RB, Andrade MC. Investigação teórico-prática do desenvolvimento motor de crianças de 2 a 11 anos. Neurociências. 2006; 3 (1).

Moura EW, Silva PAC. Fisioterapia: aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo: Artes Médicas, 2005. p. 3-9.

Alexandre DT, Vieira ML. Relação de apego entre crianças institucionalizadas que vivem em situação de abrigo. Psicol Estud.2004; 9(2): 207-17.

Caetano MJD, Silveira CRA. Desenvol-vimento motor de pré-escolares no inter-valo de 13 meses. Rev Bras CineantropomDesempenho Hum. 2005; 7(2): 05-13.

Souto JN , Lima EAM , Paes JB, Bento MCC, Torquato JA, Saikai GPN, Silva A. Desenvolvimento neuropsicomotor de crianças institucionalizadas da zona leste da cidade de São Paulo. Temas sobre Desenvolvimento 2008;16(94):198-202.

Willrich A, Azevedo CCF, Fernandes JO. Desenvolvimento motor na infância: influencia dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev Neurociencia. 2009; 17(1):51-56.

Nobre FSS, Costa CLA, Oliveira DL, Cabral DA, Nobre GC, Caçola P. Análise das oportunidades para o desenvolvimento motor (affordances) em ambientes domésticos no Ceará – Brasil. Rev. Bras. Crescimento Desenvolv. Hum. 2009; 19 (1):9-18.

Abreu LC, Oliveira MA, Carvalho TD et al. A epistemologia genética de Piaget e o construtivismo. Rev. Bras. Crescimento Desenvolv. Hum. 2010; 20(2): 361-366.

Publicado
2011-08-01
Seção
Artigos Originais