INTERSEXUALIDADE E DIREITO À IDENTIDADE: UMA DISCUSSÃO SOBRE O ASSENTAMENTO CIVIL DE CRIANÇAS INTERSEXUADAS

  • Roberta Tourinho Dantas Fraser Bachelor of Law and Biology.
  • Isabel Maria Sampaio Oliveira Lima (CNPq/UCSal) Catholic University of Salvador.
Palavras-chave: intersexo, direito da criança, registro público, direito à identidade.

Resumo

O Direito articula-se com o tema da intersexualidade humana a partir da identidade sexual como um subaspecto do direito humano à identidade. A intersexualidade constitui uma circunstância que afeta ocrescimento e o desenvolvimento da criança. O diagnóstico, por vezes retardado em face da necessidade de exames específicos, implica diretamente na definição do sexo e do nome, afetando o assentamento civil da criança. Neste sentido, o presente artigo visa analisar a garantia do direito à identidade da criança com intersexo na perspectiva do Registro Civil de Nascimento, enquanto Direito Humano. Para tanto, foram realizadas entrevistas com profissionais do direito que trabalham nas áreas da infância, família ou registro público. A entrevista levantou opiniões sobre a garantia do direito à identidade destas crianças em face da Lei de Registros Públicos vigente no Brasil. Como resultado, os discursos convergiram para o anacronismo da referida norma e para a necessidade de uma modificação legal a fim de resguardar a dignidade das crianças intersexuadas. O direito à identidade do recém-nascido com intersexo constitui um tema que demanda interlocução com várias áreas do saber e da prática para efetiva garantia do melhor interesse da criança.

Biografia do Autor

Isabel Maria Sampaio Oliveira Lima, (CNPq/UCSal) Catholic University of Salvador.
Human Rights, Right to Health and Family’ Research Group Coordinator (CNPq/UCSal)Catholic University of Salvador.

Referências

Brasil. Lei nº 6.015. Dispõe sobre os registros públicos e dá outras providências (31 de Dezembro de 1973) [acesso em 03 abr 2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6015.htm.

Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Classificação. In: Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Menino ou Menina? Distúrbios da Diferenciação do Sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p. 89-95.

Conselho Federal de Medicina. Resolução n.º 1.664. Dispõe sobre as normas técnicas necessárias para o tratamento de pacientes portadores de anomalias de diferenciação sexual. Publicada no DOU n. 90 de 13 maio 2003, Seção 1. p. 101-2 (12 de Maio de 2003).

Sales IG, Fraser RTD, Lima IMSO, Toralles MBP. Direitos Humanos de Jovens com Intersexo: Por um Serviço de Genética Medica Resoluto. In: Reis V, organizadora. Juventudes do Nordeste do Brasil, da America Latina e do Caribe. v. 3. Brasilia: FLACSO; 2009. p. 97-134.

Rossato LA, Lepore PE, Cunha RS. Estatuto da criança e do adolescente comentado. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2010.

Junior NN, Nery RMA. Constituição Federal comentada e legislação constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2006.

Organização das Nações Unidas (ONU). Convenção sobre os Direitos da Criança. Adotada e proclamada pela Resolução 1386 da Assembléia Geral das Nações Unidas (20 de novembro de 1989). Promulgada na República Federativa do Brasil com o Decreto nº 99.710/90 [acesso em 03 abr 2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99710.htm.

Coelho LAL. Ator e Identidade. In: Bastos LC, Lopes LPM, organizadores. Estudos de Identidade: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p. 157-70.

Guerra Junior G, Maciel-Guerra AT. Avaliação Clínica e Laboratorial. In: Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Menino ou Menina? Distúrbios da Diferenciação do Sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p. 315-21.

Santos MMR, Araújo TCCF. Estudos e Pesquisas sobre a Intersexualidade: Uma Análise Sistemática da Literatura Especializada. Psicologia: Reflexão e Critica. 2008; 21(2): 267-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722008000200012>.

Canguçu-Campinho AKF, Bastos ACSB, Lima IMSO. O discurso biomédico e o da construção social na pesquisa sobre intersexualidade. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2009; 19: 1145-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-

Choeri RCS. O Conceito de Identidade e a Resignação Sexual. Rio de Janeiro: Renovar; 2004.

Machado PS. O sexo dos anjos: um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. Cadernos Pagu. 2005; 24: 249-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332005000100012.

Bitterncourt ZZLC, Ceschini M. Aspectos Sociais. In: Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Menino ou Menina? Distúrbios da Diferenciação do Sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p. 381-91.

Silva RBP, Suzigan LZC. Aspectos Psicológicos. In: Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Menino ou Menina? Distúrbios da Diferenciação do Sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p.374-9.

Torres JHR. Dignidade sexual e proteção no sistema penal. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. [periódico online]. 2011 [acesso em 17 set 2011]; 21(2). Disponível

em: http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822011000200001&lng=pt&nrm=isso.

Melucci A. Por uma sociologia reflexiva – Pesquisa Qualitativa e Cultura. Petrópolis: Vozes; 2005.

Demo P. Metodologia do Conhecimento Científico. São Paulo: Atlas; 2000.

Douville O. Para que serve o nome que carrego, quando minhas culturas se desmancham? Ágora (Rio J.) [periódico online]. 2011 [acesso em 28 dez 2011]; 14(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982011000100003.

Damiani D, Guerra-Junior G. As novas definições e classificações dos estados intersexuais: o que o Consenso de Chicago contribui para o estado da arte? Arq Bras Endocrinol Metab. 2007; 51(6). http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302007000600018.

Canguçu-Campinho AKF. Aspectos da construção da maternidade em mulheres com filhos intersexuais [dissertação]. Salvador: Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia; 2008.

Spinola-Castro AM. A Importância dos Aspectos Éticos e Psicológicos na Abordagem do Intersexo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2005; 49(1). http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302005000100007

Lima IMSO, Toralles MBP, Fraser RTD. Direitos da criança e disturbios da diferenciação do sexo: além da família. In: Maciel-Guerra AT, Guerra Junior G. Menino ou Menina? Distúrbios da Diferenciação do Sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. p. 479-498.

Gagliano OS, Pamplona Filho R. Novo curso de direito civil. v. 1. 2ª ed. São Paulo: Saraiva; 2002.

Organização das Nações Unidas (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Adotada e proclamada pela Resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 [acesso em 03 abr 2012]. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm.

Organização dos Estados Americanos (OEA). Convenção Americana de Direitos Humanos. Promulgada na República Federativa do Brasil através do Decreto nº 678 (22 de novembro de 1969) [acesso em 03 abr 2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D0678.htm.

Pereira CMS. Instituições de Direito Civil. v. 1. 20ª ed. Rio de Janeiro: Forense; 2004.

Elesbao EC. Os direitos da personalidade no novo Código Civil brasileiro. In: Castro AMO et al. Pessoa, Gênero e Família: Uma Visão Integrada do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado; 2002. p. 9-34.

Brasil. Lei 10.406. Institui o Código Civil (10 de janeiro de 2002) [acesso em 03 abr 2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm.

Vieira TR. Nome e Sexo: mudanças no registro civil. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2008.

Publicado
2012-10-31
Seção
Artigos Originais