SELF-PERCEPTION OF COMPETENCE IN CHILDREN FROM SOCIALLY VULNERABLE CONTEXTS, ASSISTED AND UNASSISTED BY SOCIAL SPORTS PROJECTS

  • Glauber Carvalho Nobre Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física
  • Paulo Felipe Ribeiro Bandeira Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física
  • Maria Helena da Silva Ramalho Faculdade de Tecnologia em Saúde
  • Francisco Salviano Sales Nobre Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará
  • Nadia Cristina Valentini Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física
Palavras-chave: perceived competence, children, sport,

Resumo

ntroduction: practising sport contributes tothe reinforcement of important psychological features such as self-perception of competence, especially when participants are children from socially vulnerable contexts. Objective: to compare the socially vulnerablechildren’s self-perception of competence, assisted and unassisted by social sports projects. Method: a total of 235 children (male and female), aged between seven and tenyears, participated in this comparative study. They were divided into two groups: onegroup was formed by 106 children participating in social sports projects;the other was 129 children who did not participate in socialsports projects. The self-perception of competence was assessed by the Brazilian version of the Self-Perception Profile for Children. We used a three-way ANOVA to assess the possible interaction effect between gender, age and group (children assisted and unassisted) in the different dimensions of perceived competence. Results: The children attending sports projects reported higher overall self-worth (F(1.234)) = 6.132, p = 0.014, η2 = 0.026). It was observed that there was an effect of interaction between the variable age x group (F(1.234)) = 6.673, p = 0.010, η2 = 0.029) on the self-perception of social acceptance. There were no significant effects of group on the other dimensions of self-perception of competence. Conclusion: the children participatingin social sports projects showed more self-perception in terms of social acceptance and self-concept compared tonon-participatory children. This project does not help in other dimensions of self-perception.

Biografia do Autor

Glauber Carvalho Nobre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física

Graduado em Educação Física pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Especialista em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo pela Universidade Castelo Branco - Rio de Janeiro. Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Doutorando em Ciêncas do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Membro do grupo de estudos em Avalições e Invervenções Motoras da UFRGS e Desenvolvimento Motor e Saúde da Criança e do Adolescente do IFCE. Atua nas linhas de Cineantropometria, Psicologia do Esporte e do Exercício e Comportamento Motor. Estuda aspectos do desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Paulo Felipe Ribeiro Bandeira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física

Graduado em Educação Física pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia - Campus Juazeiro do Norte.Especialista em Docência do Ensino Superior-Faculdade Integradas de Patos-PB-FIP. Mestrando em em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua nas linhas de Cineantropometria e Comportamento Motor. Estuda aspectos avaliativos e interventivos do desenvolvimento motor de crianças e jovens.

 
Maria Helena da Silva Ramalho, Faculdade de Tecnologia em Saúde

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Educação Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1978), mestrado em Educação Física (1989) e doutorado em Educação Física (1996) ambos pela Universidade Federal de Santa Maria, UFSM - RS. Atualmente é orientadora de mestrado e doutorado da UTAD, Portugal e Diretora de Ensino da Fculdade de Tecnologia em Saúde CIEPH. Desenvolveu atividades de ensino, pesquisa e extensão nas seguintes instituições de ensino superior: Universidade Federal de Juiz de Fora - MG (aposentada); Universidade de Caxias do Sul - UCS; Universidade Luterana do Brasil - ULBRA; Faculdade da Serra Gaúcha - FSG e; atividades de ensino na Universidade Estadual de Santa Catarina - UDESC. Tem expereiência em Gestão Educacional, acessibilidade acadêmica e processos inclusivos na educação básica e superior e, Projeto Pedagógico Institucional. No ensino da educação física, nas áreas de conhecimento de desenvolvimento e aprendizagem humana e motora, comportamento motor, avaliação da educação física, motricidade infantil, atividade lúdica, educação física infantil e escolar e atividade motora adaptada. Nas áreas de extensão e pesquisa, tem experiência em Programas Interdisciplinares nas áreas da integralidade da saúde, abordando a dificuldade de aprendizagem e desenvolvimento nos diferentes ciclos vitais; e, programas integradores institucionais.

 
Francisco Salviano Sales Nobre, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará
Doutor em Ciências do Movimento Humano. Lider do Grupo de Estudos em Desenvolvimento Motor e Saúde da Criança do Adolescente. Realiza estudos na área de desenvolvimento motor, atividade física e saúde e, estudos à luz da teoria bioecológica de desenvolvimento humano.
Nadia Cristina Valentini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Escola de Educação Física

Possui Pós-Doutorado na School of Public Health - University of Maryland - EUA e Doutorado e Mestrado em Health and Human Performance - ênfase no Comportamento Motor pela Auburn University - EUA e graduação em Educação Física. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul atuando na Graduação e no Programa de Pós Graduação em Ciências do Movimento Humano com orientação de alunos de mestrado e doutorado. O principal enfoque de sua pesquisa e o desenvolvimento motor de crianças de risco e ou em situação de vulnerabilidade socioeconômica. As pesquisas são voltadas a avaliação do desenvolvimento e intervenção quando atrasos e riscos são detectados. Atua também em pesquisas nas escolas públicas na implementação de estratégias curriculares e programas compensatórios. É coordenadora do Grupo de pesquisa em Avaliações e Intervenções Motoras e coordenadora do curso de especialização em Motricidade Infantil da UFRGS.

 

Referências

Siedentop D. Sport education: Quality Pe through positive sport experiences. Champaign: Human Kinetics Publishers; 1994.

Harter S. The Construction of the Self: developmental and sociocultural foundation. 2ed. New York:Guilford Press; 2012.

Valentini NC. Influência de uma intervenção motora no desempenho motor e na percepção de competência de crianças com atrasos motores. Rev Paul Edu Fís. 2002;16(1):61-75.

Cairney J, Kwan MYW, Velduizen S, Hay J,Bray SR, FaughtBE. Gender, perceived competence and the enjoyment of physical education in children: a longitudinal examination. Int J Behav Nutr Phys Act. 2012; 9(26):DOI: http://dx.doi.org/10.1186/1479-5868-9-26.

Valentini NC. Competência percebida: considerações para promover a aprendizagem. In: Krebs RJ, Ferreira Neto CA. Tópicos em desenvolvimento motor na infância e adolescência. Rio de Janeiro: Lecsu; 2007; p.137-57.

Souza MS, Valentini NC. A influência do suporte social e da percepção de competência motora na prática de atividades físicas: um estudo de revisão. Rev Thema. 2014;11(1): 103-113.

Valentini NC. Percepções de competência, autoconceito e motivação: considerações para a prática esportiva. In: Oliveira AAB, Perem GL. Fundamentos Pedagógicos para o programa segundo tempo. Ministério dos Esportes: Porto Alegre: UFRGS; 2008; p.113-121.

Weinberg RS, Gould D. Fundamentos da Psicologia do esporte e do exercício. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Brasil em desenvolvimento: Estado, Planejamento e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2009.

Brasil. Ministério do Esporte. Secretaria Nacional de Esporte Educacional. Diretrizes do Programa Segundo Tempo. Brasília: 2009.

Machado PX, Cassepp-borges V, Dell´aglio DD, Koller SH. O impacto de um projeto de educação pelo esporte no desenvolvimento infantil. Psicol Esc Edu. 2007; 11(1): 51-62. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572007000

Hirama LK, Montagner PC. Algo para além de tirar da rua: o ensino do esporte em projeto socioeducativo. Rev Bras Ciênc Esporte. 2012;34(1): 149-164. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892012000100011.

Pereira SEFN. Crianças e adolescentes em contexto de vulnerabilidade social: articulação de redes em situação de abandono ou afastamento do convívio familiar. [cited 2013 Jun 03] Available from: www.aconchegodf.org.br/biblioteca/artigos/artigo01.pdf.

Grisa RA. Percepção de Competência e Desempenho Motor: um estudo com escolares. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Maringá. Maringá:2008.

Grisa RA, Gaion PA. Percepção de competência motora e desempenho motor: quem pratica esporte é mais competente? Rev Educ Física UEM. 2007; 18(sup): 37-39.

Marques ERD. Projetos sociais esportivos: um estudo das relações entre o esporte e o autoconceito Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. São Paulo: 2012.

Brauner LM. Projeto Social Esportivo: Impacto no desenvolvimento motor, na percepção de competência e na rotina de vida dos participantes. Dissertação (Mestrado) - Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2010.

Harter S. Manual for the Self-Perception Profile for Children. Denver: Universityof Denver; 1985.

Harter S. Self-Perception Profile for Children: Manual and Questionnaires. Denver: Denver University: 2012.

Valentini NC, Villwock G, Vieira LF, Vieira JLL, Barbosa MLL. Validação Brasileira da Escala de Autopercepção de Harter para Crianças. Psicol Reflex Crítica. 2010; 3(3): 411-19.

Guimarães FAB, Assis CDA, Vieira MEB, Formiga CKMR. Evaluation of teaching materials prepared for guidance of caregivers and day care teachers on child development. J Hum Growth Dev. 2015; 25(1): 27-40. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.96764

Almeida G, Valentini NC, Berleze A. Percepções de competência: um estudo com crianças e adolescentes do ensino fundamental. Movimento. 2009; 15(1): 71-97.

Souza MS, Spessato BC, Valentini NC. Percepção de competência motora e índice de massa corporal influenciam os níveis de atividade física? Rev Bras Cienc Mov. 2014; 22(2): 78-86.

Silva SR.Desenvolvimento motor, percepção de competência atlética e estado nutricional: um estudo com crianças entre 8 e 10 anos da rede pública de ensino. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Educação Física da Universi dade Estadual de Maringá. Maringá: 2009.

Texeira CT. Aquisição de habilidades motoras aquáticas: um programa de intervenção estruturado como base na teoria de instrução para crianças jovens. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Maringá. Maringá: 2008.

Villwock G, Valentini NC. Percepção de competência atlética, orientação motivacional e competência motora em crianças de escolas públicas: estudo desenvolvimentista e correlacional. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2007;21(4):245-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1807-55092007000400001

Valentini NC. Percepções de competência e desenvolvimento motor de meninos e meninas: um estudo transversal. Movimento. 2002;8(2):51-62.

Valentini NC, Rudisill M. Motivational Climate, Motor-Skill Development, and Perceived Competence: Two Studies of Developmentally Delayed Kindergarten Children. J Teach Phys Educ. 2004;23(3): 216-234.

Findlay LC, Coplan RJ. Come out and play: Shyness in childhood and the beneftis of organized sports participation. Can J Behav Sci. 2008; 40(3):153-161. DOI: http://dx.doi.org/10.1037/0008-400X.40.3.153.

Holt NL, Kingsley BC, Tink LN, Scherer J. Benefits and challenges associated with sport participation by children and parents from lowincome families. Psychol Sport Exerc. 2011; 12:490-499. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.psychsport.2011.05.007.

Wiersma LD, Fifer AM. “The schedule has been tough but we think it’s worth it”: the joys, challenges, and recommendations of youth sport parents. J Leis Res. 2008;40(4):505-530.

Matias CJ, Greco PR. Cognição e ação nos jogos esportivos coletivos. Ciênc Cogn. 2010;15(1): 252-271.

Gallahue D,Donnelly FC. Educação Física Desenvolvimentista para todas as crianças. São Paulo: Phorte; 2008.

Sallerhed AC, Apitzsch E, Råstam L, Ejlertsson G. Factors associated with young children’s selfperceived

physical competence and selfreported physical activity. Health Educ Res. 2008; 23(1):125-136.

Robinson L. The relationship between perceived physical competence and fundamental motor skills in preschool children.Child Care Health Dev. 2011; 37(4):589-96. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2214.2010.01187.x

Carroll B, Loumidis J. Children’s perceived competence and enjoyment in physical education and physical activity outside school. Eur Phys Edu Rev. 2001;7(1):24-43.

Cordazzo STD, Vieira ML, Almeida AMT. Portuguese and brazilian children’s play in school. J Hum Growth Dev. 2012; 22(1):60-67.

Hansen J, Macarini SM, Martins GDF, Wanderlind FH, Vieira ML. The play behavior and its implications for child development according to Evolutionary Psychology. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2007;17(2):133-143.

Publicado
2015-10-25
Seção
Pesquisa Original