Memoria y derecho en el teatro de Esquilo: la voz del coro en Coéforas

Autores

  • Viviana Gastaldi Universidad Nacional del Sur (Argentina); Facultad de Filosofía y Letras

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i6p55-65

Palavras-chave:

direito grego, memória, passado e presente, Coéforas, Ésquilo.

Resumo

As representações dramáticas, surgidas na Grécia cerca do fim do séc. VI a.C., confrontam dois aspectos: a realidade contemporânea e o passado mítico do herói e da cidade mesma. É exatamente nessa sorte de tensão entre passado e presente, entre o universo do mito e o da cidade, que se origina e desenvolve o conflito trágico. Dos dois elementos que ocupam a cena trágica: ator e coro, vamos deter-nos no último, que repõe na cena o tempo mítico, de modo que este ingresse no drama e provoque a tensão trágica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2002-10-26

Como Citar

Gastaldi, V. (2002). Memoria y derecho en el teatro de Esquilo: la voz del coro en Coéforas. Letras Clássicas, (6), 55-65. https://doi.org/10.11606/issn.2358-3150.v0i6p55-65

Edição

Seção

Artigos