Cerrado e Veredas: designação, sentido e mudança semântica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v33i1p105-127

Palavras-chave:

Mudança semântica, Metáfora/Metonímia, Léxico, Cerrado, Vereda

Resumo

Este artigo mostra como a metáfora e a metonímia são abundantes e operantes nos processos de criação lexical e de mudança semântica. Para tanto, elegeu-se, para a análise, as unidades lexicais Cerrado e Vereda, vocábulos que designam, respectivamente, o segundo maior bioma brasileiro e um de seus subsistemas. Aborda-se essa questão do ponto de vista da teoria semântica em sua face diacrônica, bem como da teoria lexical e da etimologia. A análise mostra que os sentidos desses vocábulos se instanciaram por meio de processos metafóricos e metonímicos e que sofreram mudança de sentido em diferentes sincronias pretéritas. Evidencia-se, finalmente, que tanto a criação de um item lexical quanto a sua mudança de sentido envolvem objetivos pragmáticos, como a necessidade dos utentes de expressão de um novo sentido relacionado a uma dada realidade no mundo empírico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-03-25

Como Citar

Marra, D. (2020). Cerrado e Veredas: designação, sentido e mudança semântica. Linha D’Água, 33(1), 105-127. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v33i1p105-127

Edição

Seção

Artigos originais