Letramento e identidade: o que revelam os textos de alunos egressos do ensino fundamental e médio?

  • Ademar da Silva Universidade Federal de São Carlos

Resumo

Atualmente os textos escritos de muitos alunos
egressos do ensino fundamental e médio chamam atenção pela forte marca da oralidade e pela ocorrência repetida dos mesmos tipos “desvios” cometidos pelas crianças no início da alfabetização. Com o objetivo de verificar o porquê dessas ocorrências e em que medida elas se repetem, foram analisadas 146 redações do SARESP de alunos das 8ªs e 3ªs séries do ensino fundamental e médio de uma escola do interior de
São Paulo. A análise de tais “desvios”, quer sejam de segmentação da palavra escrita ou ortográficos, mostra que muitos alunos ainda ignoram a marca convencional da escrita alfabética padrão e saem do curso secundário escrevendo a sua maneira. Isso nos levou a postular o aparecimento de uma interescrita. Apesar de resistente e de persistir como proposta de produção de texto de muitos alunos, essa escrita intermediária pode ser apenas uma fase no longo e árduo processo de autocorreção e aquisição do modelo convencional. A ausência de ensino e de correção sistemática de traços que são próprios da modalidade escrita estavam presentes no ideário construtivista dos anos 1980 e 1990. Nessas ausências talvez estejam as causas desse fracasso escolar, que traz no seu bojo questões de identidade e letramento a serem discutidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-06-30
Como Citar
Silva, A. da. (2012). Letramento e identidade: o que revelam os textos de alunos egressos do ensino fundamental e médio?. Linha D’Água, 25(1), 165-182. https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v25i1p165-182
Seção
Artigos originais