“My evil, and my lusty little heart”: Tradução intersemiótica de “The Tyger”, de William Blake, em “The Tale Of The Body Thief”, de Anne Rice

  • Andrio J. R. dos Santos Universidade Federal de Santa Maria, RS
Palavras-chave: Tradução intersemiótica, Anne Rice, William Blake.

Resumo

O presente trabalho visa analisar criticamente a operação de tradução intersemiótica do poema The Tyger, de William Blake, no romance The Tale Of The Body Thief, de Anne Rice. Para tal, empregam-se concepções teóricas propostas por autores como Diniz (1998), Clüver (2006) e Plaza (2008), que compreendem tradução intersemiótica essencialmente como um diálogo de significados intermídia em um processo de produção de sentido sempre em expansão.

Biografia do Autor

Andrio J. R. dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria, RS

Doutorando em Letras – Estudos Literários (UFSM). Título da pesquisa: O Jardim Selvagem: Tradução intersemiótica da obra de William Blake em “The Tale Of The Body Thief” e “Memnoch, The Devil”, de Anne Rice.

Referências

AGUIAR, Daniella; QUEIROZ, João. Tradução intersemiótica: ação do signo e estruturalismo hierárquico. In: Revista do Programa de Pósgraduação em Comunicação Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), v. 4, n. 1, 2010, p. 1-14.

BEHRENDT, S. C. Reading William Blake. London: Macmillan Press Ltd, 1992.

BLAKE, William. The Tyger. In: Songs of Innocence and of Experience. Cópia L, 1795. Disponível em: <http://www.blakearchive.org>. Acesso em: 21/09/2015.

BLAKE, William. The Marriage of Heaven and Hell, Cópia H, 1790-92. Disponível em: <http://www.blakearchive.org>. Acesso em: 21/09/2015.

BLOOM, Harold. Critical Analysis of “The Tyger”. In: BLOOM, Harold (Org.). Bloom’s Major Poets: William Blake. New York: Infobase Publishing, 2003, p. 17-20.

BROWNE, Ray B; HOPPENSTAND, Gary. Vampires, Witches, Mummies, and Other Charismatic Personalities: Exploring the Anne Rice Phenomenon. In: BROWNE, Ray B; HOPPENSTAND, Gary (Org.). The Gothic World of Anne Rice. Bowling Green, OH: Bowling Green State University Popular Press, 1996, p. 1-13.

BUTLER. Judith P. Subjects of desire: Hegelian Reflections in TwentiethCentury France. New York: Columbia University Press, 1987.

CAMPOS, Haroldo de. Da tradução como criação e como crítica. In: CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem e outras metas: ensaios e crítica literária. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CLÜVER, Claus. Da transposição intersemitótica. In: ARBEX, Márcia (Org.). Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários, Faculdade de Letras da UFMG, 2006.

DAMON, S. Foster. A Blake Dictionary: The Ideas and Symbols of William Blake. Hanover: Dartmouth College Press, 2013.

ECO, Umberto. Quase a mesma coisa. Rio de Janeiro: Record, 2007.

HAGSTRUM, Jean H. William Blake, Poet and Painter: An Introduction to the Illuminated Verse. Chicago: Chicago University Press, 1964.

JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 2007.

MAKDISI, Saree. William Blake and the Impossible History of the 1790s. Chicago: The University of Chicago Press, 2002.

MCGINLEY, Kathryn. Development of the Byronic Vampire: Byron, Stoker, Rice. In: BROWNE, Ray B; HOPPENSTAND, Gary (Org.). In: The Gothic World of Anne Rice. Bowling Green, OH: Bowling Green State University Popular Press, 1996, p. 71-90.

MITCHELL, W. J. T. Blake’s Composite Art. Princeton: Princeton University Press, 1985.

PAGLIARO, Harold. On the Changing View of “The Tyger”. In: BLOOM, Harold (Org.). Bloom’s Major Poets: William Blake. New York: Infobase Publishing, 2003, p. 22-26.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix, 1972.

PLAZA, Julio. Tradução Intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2008.

POE, Edgar Allan. The Fall of the House of Usher. New York City: Start Classics, 2013.

PRAZ, Mario. A Carne, a morte e o diabo na literatura romântica. São Paulo: Editora da Unicamp, 1996.

RADCLIFFE, Ann. The Mysteries of Udolpho (1794). Milford, PA: Wildside Press, 2005.

RICE, Anne. The vampire Lestat. New York City: Ballantine Books, 1987.

RICE, Anne. Memnoch, the Devil. New York City: Ballantine Books, 1997.

RICE, Anne. The tale of the body thief. New York City: Ballantine Books, 1993.

ROBERTS, Garyn G. Gothicism, Vampirism, and Seduction: Anne Rice's "The Master of Rampling Gate". In: BROWNE, Ray B; HOPPENSTAND, Gary (Org.). The Gothic World of Anne Rice. Bowling Green, OH: Bowling Green State University Popular Press, 1996, p. 54-70.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica?. São Paulo: Brasilliense, 2005.

SANTOS, Alcides Cardoso dos. Visões de William Blake: – Imagens e palavras em Jerusalém a Emanação do Gigante Albion. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

SMITH, Jennifer. Anne Rice: A Critical Companion. Westport, CT: Greenwood Press, 1996.

DINIZ, Thaís Flores Nogueira. Tradução Intersemiótica: do texto para a tela. In: Cadernos de Tradução, v. 1, n. 3 (1998), p. 313-338. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/5390/4934>. Acesso em: 10/02/2015.

TAVARES, Enéias Farias. As Portas da Percepção: Texto e Imagem nos Livros Iluminados de William Blake. Tese de Doutorado. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

WOOD, Martin J. New life for old tradition: Anne Rice and Vampire Literature. In: The Blood is the Life: Vampires in Literature. Bowling Green, Ohio: Bowling Green State University Popular Press, 1999.

Publicado
2017-12-23