A LITERATURA NAS SOMBRAS AS EDIÇÕES EM PORTUGUÊS E OS TRADUTORES DA ATALÁ DE CHATEAUBRIAND NA CRISE DO ANTIGO REGIME LUSO- BRASÍLICO (1810-1820)

  • Pablo Iglesias Magalhães Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Literatura colonial, Traduções portuguesas, Santo Ofício, Censura, Maçonaria, Hipólito da Costa

Resumo

Esse artigo discute a circulação de quatro edições em português da novela Atala (1801), impressas em Lisboa, Londres e Salvador (1810-1820), sendo a primeira proibida pelo Santo Ofício em 1812. Por meio de extensa pesquisa, foi possível localizar exemplares únicos e identificar os três anônimos tradutores da referida novela, revelando que aqueles personagens, ligados por amizade e pela maçonaria, atuaram contra o absolutismo e em prol dos projetos constitucionalistas nos dois lados do Atlântico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Iglesias Magalhães, Universidade de São Paulo
Professor Adjunto III de História do Brasil I e História Ibérica na Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB). Doutor em História Social pela Universidade Federal da Bahia (2010), com estágio doutoral na Universidade de Coimbra (2008). Tem experiência em pesquisa arquivística em Portugal, Espanha e Brasil, com ênfase em História do Brasil, História do Império Português, História da Educação e História do Livro e da Leitura, investigando os seguintes temas: História da Igreja Católica, História das Guerras Neerlandesas no Brasil (1624-1654), História da Maçonaria e História da Imprensa no Brasil.
Publicado
2017-07-18
Como Citar
Magalhães, P. (2017). A LITERATURA NAS SOMBRAS AS EDIÇÕES EM PORTUGUÊS E OS TRADUTORES DA ATALÁ DE CHATEAUBRIAND NA CRISE DO ANTIGO REGIME LUSO- BRASÍLICO (1810-1820). Literatura E Sociedade, 21(23), 104-138. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i23p104-138
Seção
Ensaios