“Para governar a França, é preciso mão de ferro”: As ideias feitas no romance de Flaubert

  • Alexandre Bebiano Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: A Educação Sentimental, Ideias feitas, Romance de Aprendizagem, Romantismo, Desilusão

Resumo

Neste artigo procuramos comentar alguns dos mais impor-tantes recursos formais empregados por Gustave Flaubert n’A Educação Sentimental: uso de herói negativo, de um enre-do frouxo, do indireto livre e, especialmente, da ideia feita. Um dos objetivos do artigo é discutir a distância que separa A Educação Sentimental, que narra a história de um jovem na capital francesa, dos romances escritos por seus antecessores românticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Bebiano, Universidade de São Paulo (USP)

Alexandre Bebiano de Almeida é, desde 2010, professor de literatura francesa na Universidade de São Paulo. Nesta universidade, formou-se em História e obteve o diploma de mestre e doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada. Com o apoio da Fapesp, realizou três estágios de pós-doutoramento na École Normale Supérieure, de Paris. Em sua dissertação de mestrado, estudou a Educação sentimental, de Gustave Flaubert. Desde sua tese de doutoramento, dedica-se à leitura do romance proustiano. Atualmente, orienta e desenvolve pesquisas na área de estudos literários franceses e comparados.

Publicado
2018-12-06
Como Citar
Bebiano, A. (2018). “Para governar a França, é preciso mão de ferro”: As ideias feitas no romance de Flaubert. Literatura E Sociedade, 23(28), 123-138. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i28p123-138
Seção
Dossiê