Poesia para depois do fim do mundo: Nicanor Parra, a ditadura militar e a antipoesia do Apocalipse

  • João Gabriel Mostazo Lopes
Palavras-chave: Antipoesia, Nicanor Parra, apocalipse, ecopoesia

Resumo

Este artigo investiga a relação entre a obra antipoética do chileno Nicanor Parra (1914-2018) com a questão do fim do mundo, a partir da sua produção literária dos anos 1970-80. Passando pelos problemas enfrentados pela obra no período, discute-se sobre a relação entre a sua poesia e o momento histórico chileno da ditadura militar, a partir do golpe de 1973, chegando à transformação política de Parra nos anos 80 para aquilo que irá ser chamado de “ecopoesia”. O funeral do sujeito lírico, que já vinha sendo colocado em questão desde o início da antipoesia de Parra, nos anos 1950, ganha contornos dramáticos a partir das mudanças climáticas e ameaças nucleares que o final do século XX anuncia. Também a saída pelo sermão de pregação, como resposta ao golpe militar e à ameaça da catástrofe ecológica, representa um ponto de especial interesse na trajetória do autor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Gabriel Mostazo Lopes

João Gabriel Mostazo Lopes é pesquisador, tradutor e dramaturgo, doutorando no Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada (DTLLC) da FFLCH/USP, orientado pela Profa. Dra. Viviana Bosi. Publicou artigos sobre antipoesia e literatura brasileira moderna. Desenvolve pesquisas sobre os seguintes temas: tradução poética, poesia modernista brasileira, vanguardas hispanoamericanas e antipoesia. É autor das peças de teatro Rompecabezas (2017), A demência dos touros, e Roda morta.

Publicado
2019-09-19
Como Citar
Lopes, J. (2019). Poesia para depois do fim do mundo: Nicanor Parra, a ditadura militar e a antipoesia do Apocalipse. Literatura E Sociedade, 24(29), 122-140. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i29p122-140
Seção
Dossiê