Questões de romance: notas sobre Antonio Candido e a crítica brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i30p64-81

Palavras-chave:

Antonio Candido, Romance e sociedade, Crítica literária brasileira, José de Alencar, Machado de Assis

Resumo

Este artigo focaliza alguns artigos de Antonio Candido sobre o romance, publicados nos anos 1940 e 1950, e examina algumas discussões sobre o desenvolvimento do romance no Brasil no período de redação de Formação da literatura brasileira, buscando situar as ideias de Candido em seu contexto crítico particular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edu Teruki Otsuka, Universidade de São Paulo (USP)

Edu Teruki Otsuka é professor doutor do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo. É autor de marcas da catástrofe: experiência urbana e indústria cultural em Rubem Fonseca, João Gilberto Noll e Chico Buarque (2001) e de Era no tempo do rei: atualidades das Memórias de um sargento de milícias (2016).

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. “Providências de um crítico literário na periferia do capitalismo”. In: ARANTES, Otília B. F. e ARANTES, P. E. Sentido da formação: três estudos sobre Antonio Candido, Gilda de Mello e Souza e Lúcio Costa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997, p. 7-66.

ARANTES, Paulo Eduardo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira. Dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

CANDIDO, Antonio. “Alencar e o dinheiro”. Diário Carioca. Rio de Janeiro, 28 de maio de 1950a, p. 5-6.

CANDIDO, Antonio. “Batalhas”. In: O albatroz e o chinês. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010 (2ª ed., ampliada), p. 71-9.

CANDIDO, Antonio. “Da vingança”. In: Tese e antítese. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971ª (2ª ed.), p. 1-28.

CANDIDO, Antonio. “Dialética da malandragem”. In: O discurso e a cidade. São Paulo: Duas cidades, 1993a, p. 19-54.

CANDIDO, Antonio. “Duas notas”. In: Literatura e Sociedade, n. 6. São Paulo, DTLLC-FFLCH-USP, 2001-2002, p. 317-20.

CANDIDO, Antonio. “Uma dimensão entre outras”. In: Brigada ligeira e outros escritos. São Paulo: Ed. Unesp, 1992a, p. 187-96.

CANDIDO, Antonio. “Entre campo e cidade”. In: Tese e antítese. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971b (2ª ed.), p. 29-56.

CANDIDO, Antonio. “Esclarecendo”. Folha da Manhã. São Paulo: 9 de abril de 1944a, p. 7. (Republicado em Literatura e sociedade, n. 5, DTLLC-FFLCHUSP, 2000, p. 186-9).

CANDIDO, Antonio. “Ficção e confissão”. In: Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. São Paulo: Ed. 34, 1992b, p. 13-70.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira (momentos decisivos). Belo Horizonte: Itatiaia, 1993b (7ª ed.), 2 v.

CANDIDO, Antonio. “Observações à margem”. Diário de S. Paulo. São Paulo, 12 de dezembro de 1946a, p. 4. (Republicado em O Jornal. Rio de Janeiro, 13 de abril de 1947, Revista, p. 2.)

CANDIDO, Antonio. “O romance e o D. Juan”. Folha da Manhã. São Paulo, 2 de abril de 1944b, p. 14.

CANDIDO, Antonio. “Romance extensivo”. Diário Carioca. Rio de Janeiro, 2 de julho de 1950b, p. 5-6.

CANDIDO, Antonio. “Silone (I)”. Diário de S. Paulo. São Paulo, 17 de janeiro de 1946b, p. 4. (Republicado em O Jornal. Rio de Janeiro, 20 de janeiro de 1946, 1ª seção, p. 6.)

DANTAS, Vinicius. Bibliografia de Antonio Candido. São Paulo: Duas cidades, 2002

ESCOREL, Ana Luisa. “O retrato”. In: De tudo um pouco. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2016, p. 13-4.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. O espírito e a letra: estudos de crítica literária, v. II, 1948-1959. In: PRADO, Antonio Arnoni (org.). Idem. São Paulo: Companhia das letras, 1996.

MEYER, Augusto. “Alencar”. In: A chave e a máscara. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1964, p. 145-58.

MEYER, Augusto. “De Machadinho a Brás Cubas”. Revista do Livro, ano III, n. 11. Rio de Janeiro, setembro de 1958, p. 9-18.

MIRANDA, José Tavares de. “Antonio Candido viu o demônio aos cinco anos”. Folha da Manhã. São Paulo, 19 de agosto de 1951, 3º caderno, p. 7.

MORAES NETO, Prudente de. “O romance brasileiro”. In: MASSI, Augusto. Militante bissexto: o crítico Prudente de Moraes Neto. Tese de Doutorado. São Paulo: FFLCH-USP, 2004, p. 204-34.

“NOTÍCIA de Antonio Candido”. Diário Carioca. Rio de Janeiro, 26 de agosto de 1951, 2ª seção, p. 2.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Prosa de ficção (de 1870 a 1920). Rio de Janeiro: José Olympio, 1957 (2ª ed.).

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas cidades, 1977.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas cidades, 1990.

SCHWARZ, Roberto. “Pressupostos, salvo engano, de ‘Dialética da malandragem’”. In: Que horas são? São Paulo: Companhia das letras, 1987, p. 129-55.

SCHWARZ, Roberto. “Os sete fôlegos de um livro”. In: Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das letras, 1999, p. 46-58.

SERNA, Jorge Ruedas de la. “Antonio Candido: Cómo y por qué escribí Formação da literatura brasileira”. Casa de las Américas, n. 268. La Habana, julio-septiembre 2012, p. 117-28.

Downloads

Publicado

2019-12-06

Como Citar

Otsuka, E. T. (2019). Questões de romance: notas sobre Antonio Candido e a crítica brasileira. Literatura E Sociedade, 24(30), 64-81. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i30p64-81