Representação e poder: a mulher que falou através de Apolo em Histórias de Heródoto

Autores

  • Isabela Casellato Torres Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p159-178

Palavras-chave:

História de gênero, Conflitos bélicos, Heródoto

Resumo

A obra Histórias, produzida no século V a.C. por Heródoto de Halicarnasso, é o único escrito do chamado “Pai da História” que chegou até a contemporaneidade. O autor viveu em torno de 480 até aproximadamente 425 a.C. Em Histórias, aborda muito além das Guerras Greco-Pérsicas, cujo relato é o mais substancial na posteridade. Heródoto descreve, dentro deste contexto, as representações de atuações de mulheres gregas e persas como conselheiras de assuntos bélicos junto aos seus maridos e/ou demais personagens masculinos próximos. Nesse sentido, temos como hipótese que o autor grego coloca mulheres gregas e persas no mesmo patamar de atuação: de mantenedoras da ordem político-social. Analisaremos como a historiografia atual compreendeu o lugar do feminino na obra de Heródoto, dialogando com estudo de caso presente no documento, nesse artigo, a profetisa Pítia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Casellato Torres, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp)

Mestranda CAPES no programa de pós-graduação na Faculdade de Ciências Humanas e Sociais/UNESP Campus Franca - SP, orientada pela Profa. Dra. Margarida Maria de Carvalho.

Referências

Heródoto. (1988). Histórias. (M.G.Kury, trad., introd. e notas) (2ªed). Editora Universidade de Brasília.

Heródoto. (2015). Histórias. (M.A.O.Silva, trad., introd. e notas). EDIPRO.

Heródoto.(1920). In Godley,A.D. (trad.) Herodotus: The Histories. Harvard University Press.

Amaral, A.L. (1994). Duas Rainhas em Heródoto: Tómiris e Artemísia. Humanitas, v.46. Andrade, M.M. (2001).“A cidade das mulheres”: cidadania e alteridade feminina na Atenas Clássica.LHIA.

Andrade, M.M. (2003). Atenas uma cidade para as mulheres. LHIA.

Aniceto, B. A. (2017). As relações de gênero em Aristófanes: um estudo das esposas legítimas na sociedade ateniense (Sécs. V-IV aC). [Dissertação de Mestrado, UNESP]. Block, J. (2002). Women in Herodotus Histories. In Egbert, J.,Bakker, I.J. F. J.,&Hans van Wees B,l (eds). Companion to Herodotus(225–242).Brill.

Carrilho, S. M. M. (2013). Representações do Feminino nas histórias de Heródoto. [Dissertação de Mestrado,Universidade de Coimbra].

Dewald, C. (1981). Women and culture in Herodotus' Histories.Women's Studies: An Interdisciplinary Journal8(1–2),93–127.

Dominick, Y. H. (Dec., 2007). Atossaand Instability in Herodotus. The Classical Quarterly, New Series, 57(2), 432–444.

Goodwater, L. (1975). Women in antiquity: an annotated bibliography. Scarecrow Press.

Isabela Torres. Representação e poder.

Flower, M.(2008). The seer in ancient Greece. University of California Press.

Hartog, F. (2014). O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Editora UFMG.

Junqueira, N. J. (2011). Imagens da Mulher Grega: Heródoto e as pinturas em contrate. [Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista].

Kuhrt, A. (2001). Women and War. Journal of Gender Studies in Antiquity, 2, 1–27.

Loraux, N. (1997). The experiences of Tiresias –The feminine and the greek man. Princeton University Press.

Mitchell, L. (2019). Women in war and peace in Archaic and Classical Greece. Lecture. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo.

Mitchell, L. (2020). Peace, War and Gender. In:AGER, S. (ed.). A Cultural History of Peace. Bloomsbury.

Mosse, C. (1990). La mujer en la Grecia clássica. NEREA.

Munson, R.V. (Apr., 1988). Artemisia in Herodotus. Classical Antiquity, 7(1), 91–106.

Parke, H. W.&Wormell, D. E. W. (1956). The Delphic Oracle: (Vol. 1). The History. Blackwell.

Pomeroy, S. B. (1973). Selected Bibliography on women in Antiquity.Arethusa.6, (1), Women In Antiquity, 127–157.

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Torres, I. C. (2020). Representação e poder: a mulher que falou através de Apolo em Histórias de Heródoto. Mare Nostrum, 11(1), 159-178. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p159-178

Edição

Seção

Dossiê