Educação, Gênero e Interseccionalidade na Literatura Augustana

Autores

  • Renata Cerqueira Barbosa Instituto Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p235-257

Palavras-chave:

Educação, Interseccionalidade, literatura augustana

Resumo

A interseccionalidade é um conceito sociológico que possibilita tratar das questões de gênero de forma mais abrangente, considerando o status social e etnia no processo de construção da imagem feminina nas abordagens relativas aos estudos de gênero em geral, e neste estudo em particular. Este artigo tem por objetivo tratar da educação das mulheres romanas em seu contexto social, levando em conta a produção literária do momento, bem como o entrelaçamento de fatores de discriminação. Aqui será analisada a influência dos círculos literários na publicação dos trabalhos elegíacos de uma mulher em especial: Sulpícia, “a Elegíaca”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Cerqueira Barbosa, Instituto Federal do Paraná

Professora colaboradora no IFPR - Instituto Federal do Paraná/Ivaiporã.

Referências

Cícero.(sem data). Da República. (A.Cisneiros, trad.). Atena Editora.

Currie, H. (1753/1983). The Poems of Sulpicia, ANRW 2,30(3).

Horácio&Ovídio. (1949). Sátiras/Fastos. (A. L.Seabra& A.Feliciano de Castilho, trads.). W. M. Jackson Inc. Editores, v. 4.

Macrobius. (1969). The Saturnália. Columbia University Press.

Ovídio. (1997).Ars Amatoria. (N. Correia& D.Mourão-Ferreira, trads.). Ars Poetica.

Ovide. (1994). L’Art d’Aimer. (H. Bornecque, trad.).Les Belles Lettres.

Ovídio. (1834/1837). Oeuvres complètes. (Th. Burrette et al,trads.).C.L.F. Panckoucke.

Ovídio. (1943). Obras:Os Fastos, Os Amores e Arte de Amar. (A. Feliciano de Castilho,trads). Edições Cultura.

Ovídio.(1950). Las Heroidas. (D. Mexía, trad.). Aires: Coleção Austral.

Ovídio.(1952). Tristium.(Edição bilíngue). (A. Velloso, trad.).Organização Simões.

Ovídio.(1959). As Metamorfoses.(A. Feliciano de Castilho, trad.). Organização Simões.

Ovídio.(1997). Arte de Amar.(Edição Bilíngüe). (N., Correia,& D.Ferreira Mourão,trad.).Ars Poetica.

Petrônio. (1985). Satyricon.(P. Leminski, trad.). Brasiliense.

Pliny the younger. (1958). Letters.(W. Melmoth, trad.). W. Heinemann.

Sêneca. (1992). Consolação a Hélvia. InCartas Consolatórias. (C. F. M.Van Raji, trad.). Pontes.

Suetônio. (1959). As Vidas dos Doze Césares.(Sady-Garibaldi, trad.). Atena.

Renata Barbosa. Educação, gênero e interseccionalidade na literatura augustana.

Albrecht, M. (1997). A History of Roman Literature, from Livius Andronicus to Boethius with special regard to its influence on World Literature. Leiden.

Barbosa, R.C. (2015). Sexualidade e Gênero na Inglaterra Vitoriana: A Leitura sobre Ovídio. Eduel.

Barbosa, R.C. (Março, 2016). Ovídio e o ideal de Puella Doctana Elegia Erótica Romana.Revista Heródoto, 1,299–320.

Barbosa, R.C. (2019).Gênero, Identidade e Liberdade: A Influência da Cultura Helenística na Educação das Mulheres Romanas. In: Funari, P. P. A&Marquetti, F. (Orgs.). Autorretrato:Gênero, identidade e Liberdade(pp. 1–28). Eduel.

Bilge, S.(2009), Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, 1 (225),70–88.Châtelet, F.(Org)(1989).. História da Filosofia: ideias, doutrinas. Vol. 1—“A Filosofia Pagã.” Zahar.

Crenshaw, K. W. (1989). Demarginalizing the intersection of race and sex; a black feminist critique of discrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum,139–167.

De Certeau, Michel.(2000). A operação Historiográfica. In A Escrita da História(pp. 65–119). Forense Universitária.

Filipe, R. T. (2002). As elegias de Sulpícia: Uma voz feminina num mundo de homens. Ágora: Estudos Clássicos em Debate, 4,57–78.

Funari, P. P. A & Marquetti, F(2019).Gênero, Identidade e Liberdade: A Influência da Cultura Helenística na Educação das Mulheres RomanasInAuto Retrato: Gênero, Identidade e Liberdade. Eduel, 2019

Hallet, J. P. & Skinner, M. (Eds.). (1997). Roman Sexualities.Princeton University Press.Henning, C. E. (2015). Interseccionalidade e pensamento feminista: As contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença. Mediações, 20(2),97–128.

Mare Nostrum, ano 2020, v. 11, n. 1.

Hirata, H.(2014). Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, 26 (1).

James, S.L. (2003). Learned Girls and Male Persuasion: Gender and Reading in Roman Love Elegy.University of California Press.

Keith, A.(1997), Tandem venit amor:A Roman Woman Speaks of Love. In Hallet & Skinner. Roman Sexualities(pp. 295–310).Princeton University Press.

Lowy, I. (2009). Ciências e gênero. In: Hirata, H. et al, Dicionário crítico do feminismo(pp. 40–44).Editora da Unesp.

Paratore, E (1983). História da literatura Latina.Fundação Calouste Gulbenkian.

Parker, H. (1994) Sulpicia, the Auctor de Sulpicia,and the authorship of 3.9 and 3.11 of the Corpus Tibullianum.Helios,21 (1), 39–62.

Pereira, M. H.R. (1989). Estudos de História da Cultura Clássica II.Fundação Calouste Gulbenkian.

Richlin, A. (1997). Pliny’s Brassiere. In Hallet & Skinner. Roman Sexualities(pp.197–220).Princeton University Press.

Riosa, F. & Soterob, E. (2019).Gênero em perspectiva interseccional.PLURAL, Revista do Programa de Pós-graduação em Sociologia da USP, 26 (1), 1–10.Sissa, G. (1990).Filosofias do gênero: Platão, Aristóteles e a diferença dos sexos.In Duby & Perrot. História das Mulheres: A Antiguidade(pp. 79–123). Edições Afrontamento

Downloads

Publicado

2020-09-28

Como Citar

Barbosa, R. C. (2020). Educação, Gênero e Interseccionalidade na Literatura Augustana. Mare Nostrum, 11(1), 235-257. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i1p235-257

Edição

Seção

Dossiê