Análise do acontecimento

possibilidades metodológicas

Palavras-chave: Acontecimento, metodologia, pragmatismo, comunicação

Resumo

A proposta deste artigo é refletir sobre como o conceito de acontecimento pode ser orientador e/ou operador metodológico na área da Comunicação. Para isso, começamos apresentando a noção pragmatista de acontecimento. Depois, destacamos alguns vieses analíticos: o poder hermenêutico do acontecimento para busca de sentidos em jogos de temporalidades e enquadramentos; a passibilidade do acontecimento para análise de experiências, afetações e configuração de públicos; a dupla vida do acontecimento para investigar as dimensões existenciais e simbólicas de um fenômeno; a espetacularização para estudos de acontecimentos midiáticos; e a individualização do acontecimento para interpretar suas particularidades e o contexto social que faz emergir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Veiga França, Universidade Federal de Minas Gerais
Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG; fundadora e pesquisadora do GRIS (Grupo de Pesquisa em Imagem e Sociabilidade da FAFICH/UFMG). Atua nas áreas de Teorias da Comunicação, Comunicação e Cultura Midiática, Metodologia de Pesquisa em Comunicação. É formada em Comunicação Social / Jornalismo pela PUC-MG, com mestrado em Comunicação pela UnB, DEA e doutorado em Ciências Sociais na Université René Descartes - Paris V (1989-1993). Fez estágio de pós-doutorado em Sociologia junto ao CEMS (Centre dEtudes des Mouvements Sociaux) da Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (EHESS), na França (2005-2006). Foi presidente da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (COMPÓS) no biênio 2001-2003. Pesquisadora 1-B do CNPq.
Suzana Cunha Lopes, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Comunicação no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Ciências da Comunicação (2013) pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo (2010) pela UFPA. É integrante do Grupo de Pesquisa em Processos de Comunicação (Pespcom) e do Grupo de Pesquisa em Imagem e Sociabilidade (Gris), ambos certificados pelo CNPq. Atua como pesquisadora colaboradora no Laboratório de Pesquisa e Experimentação em Multimídia da Assessoria de Educação a Distância da UFPA. Realiza estágio de doutorado sanduíche no Dipartimento di Lingue, Letterature e Culture Moderne, na Università di Bologna, na Itália, a partir de bolsa do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PDSE-CAPES).

Referências

ALMEIDA, R. E. A performance dos públicos e a constituição social de valores: o caso Alberto Cowboy. 2008. 176 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

ARENDT, H. Compreensão e política. In: ______. Compreender: formação, exílio e totalitarismos (ensaios) 1930-54. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p. 330-346.

BABO, I. O acontecimento e os seus públicos. Comunicação e Sociedade, Braga, v. 23, p. 218-235, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.17231/comsoc.23(2013).1623.

BRAGA, J. L. A prática da pesquisa em comunicação: abordagem metodológica como tomada de decisões. Revista da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação – E-compós, Brasília, DF, v. 14, n. 1, p. 1-33, jan./abr. 2011.

CANTRIL, H. La invasión desde Marte. In: MORAGAS, M. (Org.). Sociología de la comunicación de masas. II. Estructura, funciones y efectos. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1985. p. 91-110.

CHARAUDEAU, P. A construção da notícia: um mundo filtrado. In: ______. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006. p. 131-142.

COULDRY, N.; HEPP, A.; KROTZ, F. (Orgs.). Media events in a global age. Londres: Routledge, 2010.

DAYAN, D. (Org.). La terreur spectacle.Terrorisme et télévision. Bruxelas: De Boeck, 2006.

DAYAN, D.; KATZ, E. Media events: the live broadcasting of history. Cambridge: Harvard University Press, 1992.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEWEY, J. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FRANÇA, V. R. V. O crime e o trabalho de individuação do acontecimento no espaço midiático. Caleidoscópio, Lisboa, v. 10, p. 59-72, 2011.

______. O acontecimento para além do acontecimento: uma ferramenta heurística. In: FRANÇA, V. R. V.; OLIVEIRA, L. (Orgs.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 39-51.

FRANÇA, V. R. V.; GUIMARÃES, C.; VAZ, P. B. Imagens do Brasil – modos de ver, modos de conviver. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

FREIRE FILHO, J. A sociedade do espetáculo revisitada. Famecos, Rio Grande do Sul, v. 22, p. 33-45, 2003. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-3729.2003.22.3230.

GOFFMAN, E. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Editora Vozes. 2012.

HJARVARD, S. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. MATRIZes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 21-44, jan./jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v8i1p21-44.

KELLNER, D. Media Spectacle. Londres: Routledge, 2003.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber. Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

MEDITSCH, E. Jornalismo e construção social do acontecimento. In: BENETTI, M.; FONSECA, V. P. S. (Orgs.). Jornalismo e acontecimento: mapeamentos críticos. Florianópolis: Insular, 2010. p. 19-42.

MOUILLAUD, M. A crítica do acontecimento ou o fato em questão. In: MOUILLAUD, M.; PORTO, S. D. (Orgs.). O jornal: da forma ao sentido. 2. ed. Brasília, DF: Editora da UnB, 2002. p. 49-83.

PRATA, N.; CAMPELO, W. (Orgs.). Tancredo Neves: a travessia midiática. Florianópolis: Insular, 2011.QUÉRÉ, L. L’espace public comme forme et comme événement. In: JOSEPH, I. (Org.). Prendre place. Espace publique et culture dramatique. Colloque de Cérizy. Paris: Ed. Recherches. 1995. p. 93-110.

_______. Entre o facto e o sentido: a dualidade do acontecimento. Trajectos, Revista de Comunicação, Cultura e Educação, Lisboa, v. 6, 2005, p. 59-75.

_______. Por uma abordagem pragmatista dos acontecimentos. Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 176-183, 2011a. Entrevista concedida a Leandro Rodrigues Lage e Tiago Barcelos Pereira Salgado.

_______. A individualização do acontecimento no quadro da experiência pública. Caleidoscópio, Lisboa, v. 10, p. 13-37, 2011b.

_______. A dupla vida do acontecimento: por um realismo pragmatista. In: FRANÇA, V. R. V.; OLIVEIRA, L. (Orgs.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 21-38.

RICOEUR, P. Événement et sens. Raisons pratiques, Paris, n. 2, p. 41-56, 1991.

SIMÕES, P. G. O acontecimento Ronaldo: a imagem pública de uma celebridade no contexto social contemporâneo. 2012. 283 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012a.

______. Ronaldo e a Copa de 2002: dons e valores na construção de uma celebridade carismática. Dispositiva, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 107-121, 2012b.

______. O acontecimento e o campo da comunicação. In: FRANÇA, V. R. V.; ALDÉ, A.; RAMOS, M. C. Teorias da comunicação no Brasil: reflexões contemporâneas. Salvador: Edufba, 2014. p. 173-195.

TRINDADE, V. C. Capa de revista e produção de sentidos: possibilidades de leitura a partir do acontecimento Serra X Dilma. 2012. 127 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

Publicado
2017-12-27
Como Citar
França, V., & Lopes, S. (2017). Análise do acontecimento. MATRIZes, 11(3), 71-87. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v11i3p71-87
Seção
Dossiê