Crítica e reconhecimento:

lutas identitárias na cultura midiática

Palavras-chave: Reconhecimento, crítica cultural, identidade coletiva

Resumo

Este artigo analisa interações polêmicas sobre o filme Vazante e a peça Gisberta, em que grupos identitários vinculados a pessoas negras e transexuais, respectivamente, criticaram o modo como foram representados nessas ficções. A partir da teoria de reconhecimento em Axel Honneth, busca-se compreender a emergência dessas formas de luta social na cultura midiática. Para isso, examinam-se a semântica coletiva e o modo como ela organiza e expressa os sentimentos de injustiça em face dessas narrativas. Os embates evidenciam diferentes reivindicações, que se referem tanto à inclusão cultural como à autonomia da ficção, e propõem relações entre narrativa e sociedade que desafiam a crítica midiática atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Serelle, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, "Interações Midiáticas", da PUC Minas. com pós-doutorado na University of Queensland, Austrália. Pesquisador do CNPq. 

Ercio Sena, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC Minas. Integrante do grupo Mídia e Narrativa.

Referências

Amaral, B., Ionescu, M & Silveira, S. (Produtores) & Thomas, D. (Diretora). (2017). Vazante (filme). Brasil e Portugal: Globo Filmes.

Araújo, J. Z. (Produtor e Diretor). (2000). A negação do Brasil (filme). Brasil: Casa de Criação.

Amossy, R. (2007). Apologia da polêmica. São Paulo: Editora Contexto.

Bosco, F. (2017). A vítima tem sempre razão? São Paulo: Todavia.

Butler, J. (2017). Quadros de guerra (3a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Couto, J. G. (2017, 10 nov.) O inferno é aqui [Postagem de blog]. Recuperado de https://blogdoims.com.br/o-inferno-e-aqui/

Dunker, C. (2017). Subjetividade em tempos de pós-verdade (pp. 11-41). In C. Dunker, V. Safatle, C. Tezza, J. Fuks & M. Tiburi. Ética e pós-verdade. Porto Alegre: Dublinense, 2017.

Dyer, R. (2002). Only entertainment (2a ed.). Londres, Nova Iorque: Routledge.

Fraser, N. (2003). Social justice in the age of identity politics: redistribution, recognition, and participation (pp. 7-109). In N. Fraser & H. Honneth, A. Redistribution or recognition? A political-philosophical exchange. Londres: Verso, 2003.

Globo filmes (2017, 9 nov.). Vazante. Recuperado de http://globofilmes.globo.com/filme/vazante

Goes, T. (2018, 12 jan.). Quem acha que só ator trans pode fazer personagem trans não sabe o que é teatro. Folha de S.Paulo. 12 jan. 2018. Recuperado de https://bit.ly/2qZ1qS8

Gomes, J. [Juliano] (2017a, 18 set.). A fita branca. Revista Cinética. Recuperado de http://revistacinetica.com.br/nova/a-fita-branca/

Gomes, J. [Juliano] (2017b, 19 out.). O movimento branco [Postagem de blog]. Recuperado de http://piaui.folha.uol.com.br/o-movimento-branco/

Gomes, J. [Josué] & Caldeira, H. (2018, 7 jan.). Gisberta: o apagamento trans que se repete. Jornalistas Livres. Recuperado de https://jornalistaslivres.org/2018/01/gisberta-o-apagamento-trans-que-se-repete/

Gonçalves, A. M. (2017, 16 nov.). O que a polêmica sobre o filme “Vazante” nos ensina sobre fragilidade branca. The Intercept Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2ATMN3g

Honneth, A. (2009). Luta por reconhecimento. São Paulo: Editora 34.

Lavigne, P., Arraes, G., Goulart, N. & Tomasi, L. (Produtores) & Furtado, J. (Diretor). (2004). Meu tio matou um cara (filme). Brasil: Natasha Filmes; Casa de Cinema.

Lobianco, L. (2018, dia mês). Esclarecimentos sobre o espetáculo Gisberta e os protestos em Belo Horizonte [Atualização de status do Facebook]. Recuperado de https://www.facebook.com/luis.lobianco/posts/10210323300267078

Lucon, N. (2018, dia mês). Artistas de BH fazem ato por representatividade trans nas artes e repudiam TransFake [Postagem de blog]. Recuperado de http://www.nlucon.com/2018/01/artistas-de-bh-fazem-ato-por.html

Miklos, M. (2018, dia mês). O crespúsculo do esquerdomacho. Quatro cino um: a revista dos livros. Recuperado de http://www.arevistadoslivros.com.br/conteudos/visualizar/O-crepusculo-do-esquerdomacho

Ramos, L. (2017). Na minha pele. Rio de Janeiro: Objetiva.

Rémi Grellety, R. & Peck, H. (Produtores) & Peck, R. (Diretor). (2016). Eu não sou seu negro (filme). Velvet Film: França, Estados Unidos, Bélgica e Suíça.

Ribeiro, D. (2017a, 20 dez.). O algoz não vai ter mais razão. Carta Capital, p. 37.

Ribeiro, D. (2017b) O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento.

Sá, X. (2017, 22 dez.). Treta é a palavra do ano no Brasil. El País. Recuperado de https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/22/opinion/1513962922_830606.html

Salabert, D. (2018, 8 jan.) Sobre a peça Gisberta, Luis Lobianco, Transfobia e CCBB [Atualização de status do Facebook]. Recuperado de https://bit.ly/2NrrBIO

Santos, Boaventura de Souza. (2016). A difícil democracia. São Paulo: Boitempo.

Silverstone, R. (2002). Complicity and collusion in the mediation of everyday life. New Literary History, 33(4), 76-780. doi: http://dx.doi.org/10.1353/nlh.2002.0045

Thomas, D. (2017, 4 out.). O lugar do silêncio [Postagem de blog]. Recuperado de http://piaui.folha.uol.com.br/o-lugar-do-silencio/

Publicado
2019-04-30
Como Citar
Serelle, M., & Sena, E. (2019). Crítica e reconhecimento:. MATRIZes, 13(1), 149-167. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i1p149-167
Seção
Em Pauta/Agenda