Dissonâncias estruturais na comunicação do Poder Judiciário no Brasil:

perguntas

Palavras-chave: Comunicação pública, simbólico, imaginário, Poder Judiciário

Resumo

Este artigo se inscreve no subcampo dos estudos da Comunicação Pública, em diálogo com as Ciências da Linguagem. A partir das distinções entre a Ordem do Simbólico e a Ordem do Imaginário, procura refletir sobre a comunicação institucional do Supremo Tribunal Federal e sobre a TV Justiça, investigando se é possível compatibilizar a função da Justiça com a função do entretenimento e, especialmente, com o Espetáculo. Ao final, o artigo apresenta um breve diagnóstico dos sintomas de desajuste na comunicação do Poder Judiciário no Brasil e propõe diretrizes para que ela seja repensada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugenio Bucci, Universidade de São Paulo

Professor titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Referências

Almeida, M. R. (2019, 12 de janeiro). “É hora de o Judiciário se recolher”, afirma Dias Toffoli em casa de praia. Folha de S.Paulo. Recuperado de https://bit.ly/2LUNsug

Badin, L. A. (2018). A justa medida da publicidade. Revista de Jornalismo ESPM, 7(22), 18-21.

Bucci, E. (2016). A forma bruta dos protestos. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Bucci, E. (2015). O Estado de Narciso: a comunicação pública a serviço da vaidade particular. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Bucci, E. (2002). Televisão Objeto: a crítica e suas questões de método (Tese de doutorado de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil).

Bucci, E., & Silva, C. E. L. da (2018). O jusbonapartismo contra a imprensa. Revista de Jornalismo ESPM, 7(22), 12-17.

Debord, G. (1997) A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

Debray, R. (1993). Vida e morte da imagem. Petrópolis, RJ: Vozes.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão (20. ed.). Petrópolis, RJ, Vozes.

Ianni, O. (1998). A sociedade global (6. ed.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Jardim, J. (Produtor & Diretor), Tambellini, F. R. (Produtor), & Carvalho, W. (Diretor). (2001). Janela da alma [filme cinematográfico]. Rio de Janeiro, RJ: Tambellini Filmes e Produções Audiovisuais.

Keane, J. (1995). Transformações estruturais da esfera pública. Comunicação & Política, 2(2), 6-28.

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In J. Lacan. Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Lévi-Strauss, C. (2003). Introdução à obra de Marcel Mauss. In M. Mauss. Sociologia e Antropologia (pp. 11-46), São Paulo, SP: Cosac Naify. (Obra original publicada em 1943)

Touraine, A. (1998). Comunicación política y crisis de la representatividad. In J.-M. Ferry & D. Wolton, El nuevo espacio publico (2. reimpr.) (pp. 47-56), Barcelona, Espanha: Editorial Gedisa.

Vitória, G. (2018). A toga e a capa. Revista de Jornalismo ESPM, 7(22), 26-29.

Publicado
2019-09-02
Como Citar
Bucci, E. (2019). Dissonâncias estruturais na comunicação do Poder Judiciário no Brasil:. MATRIZes, 13(2), 45-60. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v13i2p45-60
Seção
Dossiê