Por uma epistemologia da gambiarra:

invenção, complexidade e paradoxo nos objetos técnicos digitais

Palavras-chave: Gambiarra, objetos técnicos digitais, games, complexidade

Resumo

Associando processos de constituição de objetos técnicos digitais ao conceito de gambiarra, busca-se revelar os modos de existência que tornam a gambiarra um operador fundamental às relações entre técnica, corpo e sociedade. As dimensões estéticas, políticas e cognitivas do conceito compõem uma vertente alternativa da tecnicidade que permite elucidar o caráter complexo e muitas vezes paradoxal das formações sociotécnicas digitais. A demonstração empírica dessas ideias se dará em três níveis: o redirecionamento das capacidades de processamento de consoles de video games e placas de vídeo; as reconfigurações do software e das interfaces gráficas; e a consequente invenção de ritmos e formas de ver, sentir e agir nos video games.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Messias, Universidade Federal do Maranhão

Professor adjunto do curso de Comunicação Social/Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Maranhão, campus Imperatriz. Foi bolsista de Pósdoutorado (Capes/PNPD) no PPGCOM/UFF. Coordenador do grupo de pesquisa GamerLab/UFMA.

Ivan Mussa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor substituto do Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Decom/UFRN) e vicecoordenador do GP Games da Intercom.

Referências

Bruno, F. (2017). Objetos técnicos sem pudor: Gambiarra e tecnicidade. Revista Eco-Pós, 20(1), 136-149. doi: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v20i1.10407

Clark, A. (2001). Mindware: An introduction to the philosophy of cognitive science. Nova York, NY: Oxford University Press.

De, N. (2019, 29 de janeiro). AMD cites ‘absence’ of GPU sales to crypto miners in Q1 estimate. Coindesk. Recuperado de https://bit.ly/34iZUdr

Delanda, M. (2005). Intensive science and virtual philosophy. Londres, Inglaterra: Continuum. (Obra original publicada em 2002)

Galloway, A. (2012). The interface effect. Cambridge, Inglaterra: Polity Press.

Grusin, R. (2015). Radical mediation. Critical Inquiry, 42(1), 124-148. doi: https://doi.org/10.1086/682998

Guattari, F. (2006). Caosmose: Um novo paradigma estético. São Paulo, SP: Editora 34.

Hardt, M., & Negri, A. (2001). Império. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Hardt, M., & Negri, A. (2005). Multidão: Guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Hardt, M., & Negri, A. (2016). Bem-estar comum. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Hennion, A. (2010). Loving music: From a sociology of mediation to a pragmatics of taste. Comunicar, 17(34), 25-33. doi: https://doi.org/10.3916/C34-2010-02-02

Hofstadter, D. (1979). Gödel, Escher, Bach: An eternal golden braid. Nova York, NY: Basic Books, Inc.

Hui, Y. (2016a). On the existence of digital objects. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

Hui, Y. (2016b). The question concerning technology in China: An essay in Cosmotechnics. Falmouth, Inglaterra: Urbanomic Media.

Johnson, S. (2001). Cultura da interface: Como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Jørgensen, K. (2013). Gameworld interfaces. Cambridge, MA: MIT Press.

Kastrup, V. (2007). A invenção de si e do mundo: Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Kastrup, V. (2008a). A cognição contemporânea e a aprendizagem inventiva. In V. Kastrup, S. Tedesco, & E. Passos, Políticas da cognição (pp. 93-112). Porto Alegre, RS: Sulina.

Kastrup, V. (2008b). Autopoiese e subjetividade: Sobre o uso da noção de autopoiese por G. Deleuze e F. Guattari. In V. Kastrup, S. Tedesco, & E. Passos, Políticas da cognição (pp. 46-63). Porto Alegre, RS: Sulina.

Krapp, P. (2011) Noise channels: Glitch and error in digital culture. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

Lakoff, G., & Johnson, M. (1999). Philosophy in the flesh: The embodied mind and its challenge to Western thought. Nova York, NY: Basic Books.

Lapoujade, D. (2016). Deleuze: Los movimientos aberrantes. Buenos Aires, Argentina: Cactus.

Massumi, B. (2002). Parables for the virtual: Movement, affect, sensation. Durham, NC: Duke University Press.

Mbembe, A. (2017). Critique of black reason. Durham, NC: Duke University Press.

Mignolo, W. (2011). The darker side of Western Modernity: Global futures, decolonial options. Durham, NC: Duke University Press.

Norman, D. (1993). Things that make us smart. Cambridge, MA: Perseus Books.

Nvidia plays the diversification game. (2019, 23 de fevereiro). The Economist. Recuperado de https://econ.st/2wl7KXJ

Oliveira, L. A. (2003). Biontes, bioides e borgues. In A. Novaes (Org.), O homem máquina: A ciência manipula o corpo (pp. 139-173). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Pelbart, P. P. (2017). O avesso do niilismo: Cartografias do esgotamento. São Paulo, SP: n-1 edições.

Philip, K. (2015, 12 de março). Pirate copying, Jugaad economics: Postcolonial tech and developmental leapfrogging [arquivo de vídeo]. Recuperado de https://bit.ly/2RjAvLx

Rosas, R. (2007). Gambiarra: Alguns pontos para se pensar uma tecnologia recombinante. Caderno Videobrasil, 2(2), 36-52. doi: https://doi.org/10.22409/gambiarra.v1i1.29620

Simondon, G. (2009). The position of the problem of ontogenesis (G. Flanders, Trad.). Parrhesia Journal, (7), 4-16.

Simondon, G. (2017). On the mode of existence of technical objects. Minneapolis, MN: Univocal.

Singh, P. (1985). The so-called Fibonacci numbers in ancient and medieval India. Historia Mathematica, 12(3), 229-244. doi: https://doi.org/10.1016/0315-0860(85)90021-7

Sodré, M. (2014). A ciência do comum. Petrópolis, RJ: Vozes.

Souriau, É. (2015). The different modes of existence. Minneapolis, MN: Univocal.

Stengers, I., & Latour, B. (2015). The sphinx of the work. In É. Souriau. The different modes of existence (pp. 11-94). Minneapolis, MN: Univocal.

The PlayStation powered super-computer. (2010, 4 de setembro). BBC. Recuperado de https://bbc.in/2JMLb0Y

Varela, F., Thompson, E. T., & Rosch, E. (2001). A mente corpórea: Ciência cognitiva e experiência humana. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

Viveiros de Castro, E. (2013). A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia (5a ed.). São Paulo, SP: Cosac Naify.

Zyga, L. (2010, 2 de dezembro). US Air Force connects 1,760 PlayStation 3’s to build supercomputer. Phys.org. Recuperado de https://bit.ly/34eghYY

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Messias, J., & Mussa, I. (2020). Por uma epistemologia da gambiarra:. MATRIZes, 14(1), 173-192. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p173-192
Seção
Em Pauta/Agenda