As diferenças das midialogias da comunicação

Palavras-chave: Comunicação, informação, epistemologia, meios técnicos, midialogias

Resumo

Este trabalho propõe o estudo das diferenças entre meios técnicos e midialogias para alcançar as matrizes que estão escrevendo outra epistemologia da comunicação. O estudo das midialogias contempla olhares investigativos decorrentes das características das civilizações ocidentais que se desenvolvem entre práticas comunicativas de uso utilitário administrativo até assumir, no contemporâneo e sob a influência dos meios
digitais, outra vertente investigativa. Esta midialogia apresenta raízes que observam dimensões políticas da comunicação que atingem maior complexidade e exigência nos seus percursos investigativos e apresentam outra vertente epistemológica que, dialogante, supera a linearidade da comunicação como área científica mais persuasiva do que social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucrécia D’Alessio Ferrara, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Líder do Grupo de Pesquisa Espaço Comunicação Cultura (ESPACC).

Referências

Agamben, G. (2014). Opera e inoperosità. In Homo sacer: Vol. 4. L’uso dei corpi (pp. 311-314). Vicenza, Itália: Neri Pozza.

Belting, H. (2004). Pour une anthropologie des images. Paris, França: Gallimard.

Debray, R. (2000). Introduction à la médiologie. Paris, França: Presses Universitaires de France.

Espinoza, B. (1973). Ética. São Paulo, SP: Abril Cultural.

Flusser, V. (2002). Filosofia da caixa preta: Ensaios para uma filosofia da fotografia. Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Flusser, V. (2014). Comunicologia: Reflexões sobre o futuro. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Geertz, C. (1997). O saber local: Novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Hobbes, T. (1974). Leviatã: Ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. São Paulo, SP: Abril Cultural.

Kuhn, T. (1975). A estrutura das revoluções científicas. São Paulo, SP: Perspectiva.

Laclau, E., & Mouffe, C. (2010). Hegemonía y estrategia socialista: Hacia una radicalización de la democracia. Buenos Aires, Argentina: Fondo de Cultura Económica.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro, RJ: Editora 34.

Le Bon, G. (1999). Psicologia das multidões. Lisboa, Portugal: Publicações Europa-América. (Obra original publicada em 1895)

McLuhan, M. (1972). A galáxia de Gutenberg: A formação do homem tipográfico. São Paulo, SP: Edusp.

McLuhan, M. (2005). McLuhan por McLuhan: Entrevistas e conferências inéditas do profeta da globalização. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro.

Tarde, G. (2005). A opinião e as massas. São Paulo, SP: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1902)

Zielinski, S. (2006). Arqueologia da mídia: Em busca do tempo remoto das técnicas do ver e do ouvir. São Paulo, SP: Annablume.

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Ferrara, L. (2020). As diferenças das midialogias da comunicação. MATRIZes, 14(1), 23-40. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p23-40
Seção
Dossiê