A tétrade de McLuhan na pesquisa em comunicação:

revisão sistemática de aplicações no Brasil e em Portugal

Palavras-chave: Revisão sistemática, tétrade de McLuhan, leis da mídia, ecologia da mídia

Resumo

O artigo apresenta os resultados de um trabalho exploratório para mapear a aplicação da tétrade de McLuhan em pesquisas da área da comunicação no Brasil e em Portugal. A metodologia usada foi a revisão sistemática da literatura publicada na última década (2009-2019). Para tal mapeamento, trabalhos acadêmicos (teses, dissertações, artigos e capítulos) foram localizados a partir de sistemas de indexação, repositórios públicos e motores de busca especializados. O objetivo foi descobrir como a tétrade vem sendo aplicada e a que objetos. Por fim, são apontadas potencialidades da ferramenta, chamada por McLuhan de “sonda exploratória”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Weber Dall'Agnese, Universidade Federal de Santa Maria

Jornalista, doutoranda em Comunicação na Universidade Federal de Santa Maria e em Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior (regime de cotutela).

João Canavilhas, Universidade da Beira Interior (UBI)

Professor na Universidade da Beira Interior (UBI) e pesquisador no Labcom.IFP – Comunicação, Filosofia e
Humanidades.

Eugenia Maria Mariano da Rocha Barichello, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Líder do Grupo de Pesquisa em Comunicação Institucional e Organizacional (CNPq).

Referências

Canavilhas, J. (2010). O novo ecossistema mediático. Recuperado de https://bit.ly/2Yc2L6X

França, V. V. (2016). O objeto e a pesquisa em comunicação: Uma abordagem relacional. In C. P. Moura & M. I. V. de Lopes (Eds.), Pesquisa em comunicação: Metodologias e práticas acadêmicas (pp. 154-174). Porto Alegre, RS: EdiPUCRS, 2016.

Kitchenham, B. (2004). Procedures for performing systematic reviews (Technical report). Recuperado de http://www.inf.ufsc.br/~aldo.vw/kitchenham.pdf

Levinson, P. (1999). Digital McLuhan: A guide to the information millennium. Londres, Inglaterra: Routledge.

Logan, R. (2011). Figura/Fundo: Decifrar o código McLuhan. E-Compós, 14(3), 1-13. doi: https://doi.org/10.30962/ec.v14i3.709

McLuhan, M. (2005). Address at vision 65. In E. McLuhan & F. Zingrone (Eds.), Essential McLuhan (pp. 219-32). Londres, Inglaterra: Taylor & Francis.

McLuhan, M. (2007). Os meios de comunicação como extensões do homem (3a ed.). São Paulo, SP: Cultrix. (Obra original publicada em 1964)

McLuhan, E., & McLuhan, M. (1988). Laws of media: The new science. Toronto, Canadá: University of Toronto Press.

McLuhan, E., & McLuhan, M. (2017). The lost tetrads of Marshall McLuhan. Nova York, NY: OR Books.

McLuhan, M., & Powers, B. (1992). The global village: Transformations in world life and media in the 21st century. Oxford, Inglaterra: Oxford University Press. (Obra original publicada em 1989)

McLuhan, M., & Watson, W. (1970). From cliché to archetype. Nova York, NY: Viking.

Meyrowitz, J. (2003). Canonic anti-text: Marshall McLuhan’s Understanding media. In E. Katz, J. D. Peters, T. Liebes, & A. Orloff (Eds.), Canonic texts in media research (pp. 191-202). Cambridge, Inglaterra: Polity Press.

Petticrew, M., & Roberts, H. (2006). Systematic reviews in the social sciences: A practical guide. Oxford, Inglaterra: Blackwell.

TRABALHOS QUE COMPUSERAM A REVISÃO SISTEMÁTICA

Abreu, P. (2014, novembro). McLuhan e a estética da convergência: Aproximações, debates e novas possibilidades comunicacionais. Recuperado de https://bit.ly/2UuuDRH

Alves, T. A. (2017). De máquinas aos meios de comunicação: Como interfaces auxiliam no processo de apreensão de novos aparelhos multimidiáticos (Dissertação de mestrado). Recuperado de https://bit.ly/3fOyZM8

Capanema, L., & França, R. (2013). A televisão no ciberespaço: Reformulações da televisão na internet e na TV digital. Revista Geminis, 4(1), 20-36. Recuperado de https://bit.ly/39m84mh

Costa, J., & Miguel Neto, P. (2017). Organitelling: Uma proposta de utilização das TICs na comunicação interna. C&S, 39(2), 259-284. doi: https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v39n2p259-284

Dall’Agnese, C. T. W., & Barichello, E. M. N. R. (2019). A tétrade mcluhaniana como método para investigar as reconfigurações do jornalismo no ecossistema midiático. Revista Famecos, 26(1), 1-21. doi: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.1.30928

Ghisleni, T., & Barichello, E. (2013). Ecologia das mídias nas redes sociais digitais: estendendo a Teoria Tetrádica de McLuhan ao estudo do Facebook. In E. M. M. R. Barichello & A. Rublescki (Eds.), Ecologia da Mídia (pp. 79-98). Santa Maria, RS: Facos-UFSM.

Machado, R. (2015). Técnica e audiovisualidades: Arquitetura de informação e a emergência do homem na tecnocultura (Dissertação de mestrado). Recuperado de http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/3768

Monteiro, A. (2014, dezembro). A imagem pós-McLuhan e Baudrillard: Metáforas de opostos. Recuperado de https://bit.ly/2UK0Bbr

Nakagawa, R. (2015). Os ambientes e os contra-ambientes: Uma possível epistemologia dos meios. Comunicação Midiática, 10(1), 41-54. Recuperado de https://bit.ly/39sjAwH

Oliveira, V. (2017). Jornalismo em dispositivos móveis: Uma concepção estratégica de conteúdos noticiosos para tablets e smartphones (Tese de doutorado). Recuperado de https://repositorio.unb.br/handle/10482/31973

Oliveira Filho, W., & Ribeiro, L. (2011). McLuhan e o live cinema: A tela desconstruindo a mensagem. EcoPós, 14(3), 89-104. doi: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v14i3.909

Patrão, C. (2015). A educação de uma nova geração de jornalistas: Do Moodle ao Facebook (Tese de doutorado). Recuperado de https://bit.ly/3crWM2i

Patrão, C., & Figueiredo, A. (2015). Participação e exposição, consciência e competência: Os contornos de uma estratégia pedagógica para o ensino do jornalismo. In S. Gonçalves, H. Almeida, & F. Neves (Eds.), Pedagogia no ensino superior (pp. 188-208). Coimbra, Portugal: Cinep-IPC.

Pereira, V. A. (2015a). Como antecipar os efeitos de uma tecnologia? Um modelo exploratório inspirado na Nova Ciência de McLuhan e aplicado ao Facebook. Intexto, (34), 535-552. doi: https://doi.org/10.19132/1807-8583201534.535-552

Pereira, V. A. (2015b, junho). Como antecipar os efeitos de uma tecnologia? Um modelo exploratório inspirado na nova ciência de McLuhan e aplicado ao Facebook. Recuperado de https://bit.ly/2JmbYkE

Pessoa, L., & Gosciola, V. (2019, abril). Drone no âmbito audiovisual contemporâneo: Uma perspectiva de Marshall McLuhan. Recuperado de https://bit.ly/2T4dOfr

Regiani, H. (2017). Memetizando e midiatizando: Memes como estratégia discursiva evangélica (Dissertação de mestrado). Recuperado de https://bit.ly/2Z4VtCy

Regiani, H., & Borelli, V. (2015). Memes de internet na Ecologia da Mídia: Entre metáforas e teorias. Lumina, 9(2), 1-17. doi: https://doi.org/10.34019/1981-4070.2015.v9.21226

Reino, L. (2015). Jornalismo baseado em localização: Uma análise das potencialidades na produção e no consumo de notícias (Tese de doutorado). Recuperado de http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/7814

Silveira, M. T. (2019). Teoria alemã das mídias: Mídia, história, cultura e técnica

no território comunicacional alemão (Tese de doutorado). Recuperado de https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/193378

Stangl, A. (2016). Modos de coexistência mediada: Por uma ontologia da atenção distribuída digitalmente (Tese de doutorado). doi: 10.11606/T.27.2017.tde-20022017-150757

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Dall’Agnese, C. W., Canavilhas, J., & Barichello, E. (2020). A tétrade de McLuhan na pesquisa em comunicação:. MATRIZes, 14(1), 221-239. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p221-239
Seção
Em Pauta/Agenda