Títulos originais e licenciados com exclusividade no catálogo brasileiro da Netflix:

um mapeamento dos países produtores

Palavras-chave: Netflix, streaming, dependência cultural, América Latina

Resumo

O objetivo do trabalho é mapear os países produtores de títulos originais e exclusivos do catálogo brasileiro da Netflix e verificar qual a participação da América Latina nesta constituição. Os resultados apontam para o investimento da Netflix na diversificação dos países produtores, apesar de ainda não ser suficiente para conter uma tendência à manutenção da dependência cultural da América Latina em relação ao avanço de conteúdos dos Estados Unidos. O caráter transnacional adotado pela Netflix levanta discussões sobre um desenvolvimento dependente-associado, em que produções da América Latina ganham espaço no fluxo global de televisão, mas submetidas a um mecanismo que beneficia também grandes companhias de mídia estadunidenses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tomaz Affonso Penner, Universidade de São Paulo

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo.

Joseph Straubhaar, The University of Texas at Austin

Professor Centenário Amon G. Carter de Comunicações no Departamento de Rádio, TV e Cinema da University of Texas at Austin.

Referências

Boyd-Barrett, O. (1977). Media imperialism: Towards an international framework for the analysis of media systems. In J. Curran, M. Gurevitch, & J. Woollacott (Eds.), Mass communication and society (pp. 116-135). Londres, Inglaterra: The Open University Press.

Bylykbashi, K. (2019, 4 de abril). The big business of dubbing. Television Business International. Recuperado de https://bit.ly/2xMJpdD

Cardoso, F. H. (1973). Associated dependent development: theoretical and practical implications. In A. Stepan (Ed.), Authoritarian Brazil (pp. 142-176). New Haven, CT: Yale University Press.

Carvalho, L. (2018, 1º de agosto). Netflix já tem mais assinantes que Net e Claro no Brasil, diz estudo. Olhar Digital. Recuperado de https://bit.ly/2R96j5R

Curtin, M., Holt, J., & Sanson, K. (2014). Distribution Revolution: Conversations about the Digital Future of Film and Television. Berkeley, CA: University of California.

de la Fuente, A. M. (2018, 11 de outubro). Netflix rumps up Colombian production. Variety. Recuperado de https://bit.ly/2JN6tLT

Dixon, C. (2019, 10 de julho). 2020 shaping up to be a rough year for Netflix. nScreenMedia. Recuperado de https://bit.ly/34cumpP

Ferraz, T. (2019, 7 de junho). Com boa recepção no exterior, série brasileira ‘3%’ chega à terceira temporada. Estadão. Recuperado de https://bit.ly/3bSn1OB

Fox, E. (1992). Cultural dependency thrice revisited. Artigo apresentado na Conferência Anual da International Association for Mass Communication Research, Guarujá. SP, Brasil.

Goldberg, L. (2017, 5 de janeiro). 500 Scripted shows?! How Netflix, Amazon are sending originals to all-time high. The Hollywood Reporter. Recuperado de https://bit.ly/2XcMC0A

Goldsmith, J. (2019, 19 de julho). Netflix wants to make its dubbed foreign shows less dubby. The New York Times. Recuperado de https://nyti.ms/2X95Rbz

Gomes, H. S. (2018, 21 de agosto). Brasil tem 116 milhões de pessoas conectadas à internet, diz IBGE. G1. Recuperado de https://glo.bo/3bRvxxq

Jankavski, A. (2018, 20 de abril). Netflix investirá 8 bilhões em produção de séries. Será que vale a pena? Consumidor Moderno. Recuperado de https://bit.ly/2V3ijae

Kleina, N. (2017, 4 de julho). A história da Netflix, a rainha do streaming. Tecmundo. Recuperado de https://bit.ly/2XbERrT

Ladeira, J. M. (2018, junho). Imagens mecânicas: Netflix e os algoritmos de recomendações. Artigo apresentado no 27º Congresso da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Belo Horizonte, MG, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/3bWQ43w

Lee, E. (2020, 21 de janeiro). Netflix reports a subscriber bump as Disney poses a new threat. The New York Times. Recuperado de https://nyti.ms/34b8efx

Lima, C. A., Moreira, D. G., & Calazans, J. C. (2015). Netflix e a manutenção de gêneros televisivos fora do fluxo. MATRIZes, 9(2), 237-256. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v9i2p237-256

Lobato, R. (2018). Rethinking international tv flows research in the age of Netflix. Television & New Media, 19(3), 241-256. doi: https://doi.org/10.1177/1527476417708245

Lobato, R. (2019). Netflix nations: The geography of digital distribution. Nova York, NY: New York University Press.

Lotz, A. D. (2007). The television will be revolutionized. Nova York, NY: New York University Press.

Machado, A., & Vélez, M. L. (2014). Fim da televisão? In Y. Fechine, & M. Carlón (Orgs.), O fim da televisão (pp. 54-76). Rio de Janeiro, RJ: Confraria do Vento.

Marafon, R. (2018, 7 de agosto). Disney não lançará mais seus filmes na Netflix. Cine Pop. Recuperado de https://bit.ly/39RMSVP

Martín-Barbero, J. (2001). Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Editora UFRJ.

McBride, S. (2019, 11 de novembro). In 24 hours, Netflix could lose almost 25% of its subscribers. Forbes. Recuperado de https://bit.ly/3bR3X3t

Miller, T. (2014). O agora e o futuro da televisão. In Y. Fechine, & M. Carlón (Orgs.), O fim da televisão (pp. 77-95). Rio de Janeiro, RJ: Confraria do Vento.

Nembhard, C. (2018, 1º de agosto). Japan has the world’s largest Netflix catalog. Highsnobiety. Recuperado de https://bit.ly/3dZCZZa

Netflix. (2018). A História da Netflix. Recuperado de https://bit.ly/2RdAdWE

Netflix. (2020). Onde a Netflix está disponível? Recuperado de https://bit.ly/2XehfDc

Padiglione, C. (2017, 16 de março). ‘3%’ é a série de língua não inglesa mais vista nos EUA. Folha de S. Paulo. Recuperado de https://bit.ly/2whUhjp

Scarpa, S. (2020, 21 de janeiro 21). Netflix pretende investir cada vez mais em produções originais. Spinoff. Recuperado de https://bit.ly/2JHS0kt

Schiller, H. I. (1991). Not yet the post‐imperialist era. Critical Studies in Mass Communication, 8(1), 13-28. doi: https://doi.org/10.1080/15295039109366777

Schnitman, J. (1984). Film industries in Latina America: Dependency and development. Austin, TX: Ablex.

Sinclair, J., & Straubhaar, J. (2013). Latin America television industries. Londres, Inglaterra: British Film Institute.

Solsman, J. (2019, 16 de dezembro). Netflix finally spilled how many member sit has region by region. C|net. Recuperado de https://cnet.co/2yCxHmk

Spangler, T. (2018, 12 de abril). Netflix licensed content generates 80% ofU.S. viewing, study finds. Variety. Recuperado de https://bit.ly/3e1SsrY

Steel, E. (2015, 19 de abril). Netflix is betting its future on exclusive programming. The New York Times. Recuperado de https://nyti.ms/2XnTF75

Straubhaar, J. (1991). Beyond media imperialism: Asymmetrical interdependence and cultural proximity. Critical Studies in Mass Communication, 8(1), 39-59. doi: https://doi.org/10.1080/15295039109366779

Straubhaar, J. (2007). Global television: From global to local. Los Angeles, CA: Sage.

Straubhaar, J., Castro, D., Duarte, L., & Spence, J. (2019). Class, pay TV access and Netflix in Latin America: Transformation within a digital divide. Critical Studies in Television, 14(2), 233-254. doi: https://doi.org/10.1177/1749602019837793

Straubhaar, J., Sinta, V., Spence, J., de Macedo, V. & Joyce, H. (2015a). Changing class formations and changing television viewing: The new middle class, television and pay television in Brazil and Mexico, 2003-2013. Conferência Anual da International Communication Association, San Juan, Porto Rico.

Straubhaar, J., Sinta, V., Spence, J., de Macedo, V., & Joyce, H. (2015b). Netflix as a new layer of global experience for Brazilian youth. Global Fusion Conference, College Station, Texas Estados Unidos, 16.

Straubhaar, J., Spence, J., Joyce, V., & Duarte, L. (2016). The evolution of television: An analysis of ten years of TGI Latin America (2004-2014). Austin, TX: Program in Latin American and Latino Media Studies, University of Texas.

Szalai, G. (2017, 18 de julho). Netflix now has more international than U.S. subscribers, eyes profit abroad. The Holywood Reporter. Recuperado de https://bit.ly/39IEUhl

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Penner, T., & Straubhaar, J. (2020). Títulos originais e licenciados com exclusividade no catálogo brasileiro da Netflix:. MATRIZes, 14(1), 125-149. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p125-149
Seção
Em Pauta/Agenda