Émile Benveniste e a subjetivização da semiótica

  • Eliseo Verón Universidade de Paris 8 / Universidade de San Andrés

Abstract

Primeiramente, discutem-se alguns aspectos do trabalho recente de Schaeffer sobre o cogito cartesiano e de suas consequências na história da filosofia e das ciências humanas e sociais. Em seguida discute-se a subjetivização das teorias dos signos e considera-se o caso da teoria da enunciação de Émile Benveniste como um exemplo que Schaeffer chama de “Tese da exceção humana”, mostrando, de acordo com o ponto de vista do autor, as contradições da crítica de Benveniste ao princípio saussureano da arbitrariedade do signo.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Eliseo Verón, Universidade de Paris 8 / Universidade de San Andrés
Doutor em Linguística pela Universidade de Paris 8 e professor do Departamento de Humanidades, Licenciatura em Comunicação, da Universidade de San Andrés, Argentina.
Published
2009-06-15
How to Cite
Verón, E. (2009). Émile Benveniste e a subjetivização da semiótica. MATRIZes, 2(2), 57-70. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v2i2p57-70
Section
Dossier