O celular de Heidegger – comunicação ubíqua e distância existencial

  • António Fidalgo Universidade da Beira Interior
Palavras-chave: celular, Heidegger, identidade, autenticidade, comunicação ubíqua

Resumo

O celular é elemento identitário indispensável na sociedade contemporânea ou fator de alienação e de inautenticidade existencial? Partindo da análise heideggeriana da identidade humana em Ser e Tempo (primeira parte) e de uma revisão abrangente da literatura sobre comunicação móvel (segunda parte), procura-se, na terceira parte do texto rejeitar posições maniqueístas, tanto as que condenam o celular enquanto instrumento de alienação, quanto as que o saúdam como objecto crucial de desenvolvimento social e económico. No final, esboça-se uma ética do celular a partir do conceito de distância existencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

António Fidalgo, Universidade da Beira Interior
Professor de Ciências da Comunicação na Universidade da Beira Interior. Diretor do Laboratório de Comunicação On-line da mesma universidade.
Publicado
2011-12-15
Como Citar
Fidalgo, A. (2011). O celular de Heidegger – comunicação ubíqua e distância existencial. MATRIZes, 3(1), 81-98. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v3i1p81-98
Seção
Dossiê