Todos temos um pouco do tráfico dentro de nós: um ensaio sobre o narcotráfico/cultura/novela como modo de entrada para a modernidade.

Autores

  • Omar Rincón Universidad de los Andes, Bogotá, Colômbia.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v7i2p193-219

Palavras-chave:

Narco.cultura, narco.estéticas, narco.novelas, narco.músicas, indústria cultural, Colômbia.

Resumo

Não é necessário ser traficante de drogas para viver seus valores e desfrutar de sua mentalidade. Este ensaio conta a história por trás da narco.cultura (ou seja, a cultura do tráfico de drogas) ou como os simbolismos do narcotráfico invadiram a sociedade latino-americana: e que se trata da nossa melhor forma de integração regional em termos de negócios, estética, ética, experiência de ascensão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Omar Rincón, Universidad de los Andes, Bogotá, Colômbia.

Professor adjunto da Universidad de los Andes, Bogotá, Colômbia. Diretor da FES Comunicación . Crítico de mídia do El Tiempo. Autor de Los colombianos TAL como somos (2007); Narrativas mediáticas o como cuenta la sociedad del entretenimiento, (2006);  Televisión, video y subjetividad (2002). E-mail: orincon@uniandes.edu.co

Publicado

2013-12-06

Como Citar

Rincón, O. (2013). Todos temos um pouco do tráfico dentro de nós: um ensaio sobre o narcotráfico/cultura/novela como modo de entrada para a modernidade. MATRIZes, 7(2), 193-219. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v7i2p193-219

Edição

Seção

Em Pauta/Agenda