O ESCRITOR, O CAPITAL E A SOCIEDADE DE APARÊNCIAS EM "A MUSA DO DEPARTAMENTO"

  • Melissa Raquel Zanetti Franchi Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Palavras-chave: Balzac, representação do escritor, sociedade de aparências

Resumo

Buscando explorar como o dinheiro e a necessidade de manter as aparências moldam as ações das personagens, este artigo investiga as relações entre literatura, jornalismo, burguesia e dinheiro no romance A musa do departamento, de Honoré de Balzac. A partir do estudo da figura romântica do gênio em oposição à do literato boêmio, é escopo do trabalho analisar a representação dos dois escritores presentes na narrativa: a poetisa e o jornalista, atentando para a suposta distinção social que essa ocupação lhes confere.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Melissa Raquel Zanetti Franchi, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Mestranda em Teoria e História Literária (IEL/Unicamp), sob orientação do Prof. Dr. Jefferson Cano. Bolsista CAPES. Licenciou-se em Letras também no IEL/Unicamp.

Referências

BALZAC, H. A musa do departamento. In: A Comédia Humana. vol. vi. Introduções, notas e orientação de Paulo Rónai. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1951.

___________. Ilusões Perdidas. Trad. Leila de Aguiar Costa. São Paulo: Estação Liberdade, 2007.

BERTHIER, P. La dot de Dinah. In: Romantisme, 1983, nº 40. L’Argent. Pp. 119-128. Disponível em: <http://www.persee.fr/doc/roman_0048-8593_1983_num_13_40_4637>. Acesso em 22 jun, 2016.

BOMBERT, V. Balzac and the caricature of the intellect. In: The French Review, v. 34, n. 1, out. 1960. Tradução livre. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/384112?seq=1#page_scan_tab_contents>. Acesso em 22 jun, 2016.

BOURDIEU, P. As regras da arte. São Paulo: Schwarcz, 1996.

BRISSETTE, P. Poète malheureux, poète maudit, malédiction littéraire. In: COnTEXTES [Online], Varia, Online since 12 May 2008. Disponível em: <http://contextes.revues.org/1392 ;DOI : 10.4000/contextes.1392>.Acesso em: 08 jan. 2016.

DICTIONNAIRE de L’Académie Française. 6.ed. Tomo II. Paris, Imprimerie et Librairie de Firmin Didot Frères, 1835. pp. 247. Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k50408v/f250.item.zoom> . Acesso em 25 jun, 2016.

GEOFFRION, K. Le poète maudit dans la mire des contemporains. Mémoire de maitrise. Montréal: Université du Québec, 2009. Disponível em : <http://www.archipel.uqam.ca/2072/>. Acesso em: 22 jun, 2016.

KNIGHT, D. Conjugal secrets in Balzac’s “La muse du département”. In: Nineteenth-Century French Studies, vol. 40, n. 3 e 4. 2012, pp. 273-286. Disponível em: <https://muse.jhu.edu/article/477675>. Acesso em 20 jun, 2016.

NISBERT, R. Genius. In: The Wilson Quarterly (1976-), v. 6, n. 5, Special Issue (1982). Disponível em: <http://archive.wilsonquarterly.com/essays/genius>. Acesso em: 20 jun, 2016.

PAULSON, W. De la force vitale au système organisateur: « La muse du département » et l’esthétique balzacienne. In: Romantisme, n. 55. L’artiste, l’écrivain, le poète. 1987. Pp. 33-40. Disponível em: <http://www.persee.fr/doc/roman_0048-8593_1987_num_17_55_4859>. Acesso em 13 jun, 2016.

SAINTE-BEUVE, C. A. Da literatura industrial. Trad. Jefferson Cano. Revista Remate de Males, v. 29, n. 2. Campinas: Editora da Unicamp, 2009. Disponível em: <http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/remate/article/view/1054>. Acesso em: 19 jun, 2016.

SEIGEL, J. Paris Boêmia: cultura, política e os limites da vida burguesa. 1830-1930. Trad. Magda Lopes. Porto Alegre : L&PM Editores, 1992.

THÉRENTY, M. E. La littérature au quotidien: poétiques jounalistiques au XIXe siècle. Paris : Seuil, 2007.

Publicado
2018-03-27
Como Citar
Franchi, M. R. (2018). O ESCRITOR, O CAPITAL E A SOCIEDADE DE APARÊNCIAS EM "A MUSA DO DEPARTAMENTO&quot;. Revista Non Plus, 6(11), 125-140. https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v6i11p125-140