PROSTITUIÇÃO E RELAÇÕES SOCIAIS DE PODER EM MICHEL HOUELLEBECQ

Palavras-chave: Literatura, prostituição, relações sociais de poder, Michel Houellebecq

Resumo

No intento de resposta ao que nos faz ecoar um discurso emancipatório aos sujeitos naquilo que diz respeito a suas sexualidades (em seu aspecto privado) e, ao mesmo tempo, evocar um discurso de recriminação da prostituição, a proposta deste artigo é apresentar as figurações da prostituição nas suas unidades de poder tendo por base extratos de romances do autor Michel Houellebecq.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Israel Victor de Melo, Universidade de Brasília
Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade de Brasília

Referências

ALENCAR. J. Lucíola. São Paulo: L&PM, 1999.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CUNHA, V. Uma romancista francesa e um diretor português: relação entre literatura e cinema. Revista do Centro de Estudos Portugueses. Belo Horizonte, v. 30, n. 43, 89-107. 2010.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016. Tradução de Heci Regina Candiani.

DEFOE, D. Moll Flanders. São Paulo: Cosac & Naify, 2015. Tradução de Donaldson Garschagen.

FASSIN, É. ¿Houellebecq sociólogo? In: FASSIN, É; VANOLI, H; REVEL, J; MAVRAKIS, N; BOCCARA, G. Discutir Houellebecq: cinco ensayos críticos entre Buenos Aires y Paris. Buenos Aires: Capital Intelectual, 2015.

FLAUBERT, G. Madame Bovary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. Tradução de Sérgio Duarte.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2005. Organização e tradução de Roberto Machado.

GAULTIER, J. Le bovarysme: la psychologie dans l’oeuvre de Flaubert. Paris: Léopold Cerf, 1892. Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k729471/f2.image>. Acesso em 24/11/2017.

GENETTE, G. Figuras. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979. Tradução de Ivonne Floripes Mantoanelli.

HOUELLEBECQ, M. Extension du domaine de la lutte. Paris: Maurice Nadeau, 1994.

_______. O mapa e o território. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012. Tradução de André Telles.

_______. Plataforma. Rio de Janeiro: Editora Record, 2002. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht.

_______. Submissão. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar.

LA FAYETTE, M. de. La Princesse de Clèves. Paris: Claude Bardin, 1678. Disponível em: http://lettres.ac-rouen.fr/francais/tendre/cleve1.html. Acesso em 21/10/2016

MÁRQUEZ, G. G. Memória de minhas putas tristes. Rio de Janeiro: Editora Record, 2006. Tradução de Eric Nepomuceno.

RAQBI, A. La littérature maghrébine d’expression française: littérature de déracinement et de dénonciation. Cerrados. Brasília, v. 25, n. 43, 104-121, 2017.

SACRAMENTO, O. RIBEIRO, F. B. Trópicos sensuais: o Brasil como geografia desejada. Bagoas. Natal, n. 10, p. 215-232, 2013.

SAID, E. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. Tradução de Rosaura Eichenberg.

WATT, I. A ascensão do romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. Tradução de Hildegard Fiest.

Publicado
2018-03-27
Como Citar
Melo, I. (2018). PROSTITUIÇÃO E RELAÇÕES SOCIAIS DE PODER EM MICHEL HOUELLEBECQ. Revista Non Plus, 6(11), 5-20. https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v6i11p5-20