Portal da USP Portal da USP Portal da USP

PROSTITUIÇÃO E RELAÇÕES SOCIAIS DE PODER EM MICHEL HOUELLEBECQ

Israel Victor de Melo

Resumo


No intento de resposta ao que nos faz ecoar um discurso emancipatório aos sujeitos naquilo que diz respeito a suas sexualidades (em seu aspecto privado) e, ao mesmo tempo, evocar um discurso de recriminação da prostituição, a proposta deste artigo é apresentar as figurações da prostituição nas suas unidades de poder tendo por base extratos de romances do autor Michel Houellebecq.

Palavras-chave


Literatura; prostituição; relações sociais de poder; Michel Houellebecq

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR. J. Lucíola. São Paulo: L&PM, 1999.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CUNHA, V. Uma romancista francesa e um diretor português: relação entre literatura e cinema. Revista do Centro de Estudos Portugueses. Belo Horizonte, v. 30, n. 43, 89-107. 2010.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016. Tradução de Heci Regina Candiani.

DEFOE, D. Moll Flanders. São Paulo: Cosac & Naify, 2015. Tradução de Donaldson Garschagen.

FASSIN, É. ¿Houellebecq sociólogo? In: FASSIN, É; VANOLI, H; REVEL, J; MAVRAKIS, N; BOCCARA, G. Discutir Houellebecq: cinco ensayos críticos entre Buenos Aires y Paris. Buenos Aires: Capital Intelectual, 2015.

FLAUBERT, G. Madame Bovary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. Tradução de Sérgio Duarte.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2005. Organização e tradução de Roberto Machado.

GAULTIER, J. Le bovarysme: la psychologie dans l’oeuvre de Flaubert. Paris: Léopold Cerf, 1892. Disponível em: . Acesso em 24/11/2017.

GENETTE, G. Figuras. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979. Tradução de Ivonne Floripes Mantoanelli.

HOUELLEBECQ, M. Extension du domaine de la lutte. Paris: Maurice Nadeau, 1994.

_______. O mapa e o território. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012. Tradução de André Telles.

_______. Plataforma. Rio de Janeiro: Editora Record, 2002. Tradução de Ari Roitman e Paulina Wacht.

_______. Submissão. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar.

LA FAYETTE, M. de. La Princesse de Clèves. Paris: Claude Bardin, 1678. Disponível em: http://lettres.ac-rouen.fr/francais/tendre/cleve1.html. Acesso em 21/10/2016

MÁRQUEZ, G. G. Memória de minhas putas tristes. Rio de Janeiro: Editora Record, 2006. Tradução de Eric Nepomuceno.

RAQBI, A. La littérature maghrébine d’expression française: littérature de déracinement et de dénonciation. Cerrados. Brasília, v. 25, n. 43, 104-121, 2017.

SACRAMENTO, O. RIBEIRO, F. B. Trópicos sensuais: o Brasil como geografia desejada. Bagoas. Natal, n. 10, p. 215-232, 2013.

SAID, E. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. Tradução de Rosaura Eichenberg.

WATT, I. A ascensão do romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. Tradução de Hildegard Fiest.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v6i11p5-20

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.