"Vidas secas" em francês: tradução e leitura

  • Kedrini Domingos dos Santos Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Faculdade de Ciências e Letras - Câmpus de Araraquara
Palavras-chave: Vidas Secas, Tradução literária, Leitura

Resumo

O romance Vidas secas de Graciliano Ramos foi traduzido para o francês, em 2014, por Mathieu Dosse, que, além de tradutor, desenvolve pesquisas na área da tradução. Dosse interroga a relação entre o texto original e sua tradução e questiona sua hierarquização, compreendendo que as traduções são um texto específico que demanda um modo de leitura particular. Para ele, ler uma tradução é também ler um tradutor, sendo importante considerar esse sujeito que traduz. Este artigo busca observar como esse tradutor respondeu às peculiaridades de uma das principais obras da literatura brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kedrini Domingos dos Santos, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Faculdade de Ciências e Letras - Câmpus de Araraquara

Doutora em Estudos Literários. UNESP – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras. Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários. Araraquara – SP – Brasil.

Referências

AS BELAS INFIÉIS: antologia de textos sobre tradução na época clássica em França. Introdução, Tradução e Notas de João Domingues. Coimbra: Edições Pedago, 2012. Coleção Diálogos em tradução.
BENJAMIN, W. “A tarefa do tradutor”. Tradução de Susana Kampff Lages. In: HEIDERMANN (org.). Clássicos da teoria da tradução: Alemão-Português. 2.a ed. revisada e ampliada. Florianópolis: UFSC, Núcleo de Tradução, 2010.
BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 43 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
BRAGA, R. Vidas secas. Revista Teresa, revista de literatura brasileira, São Pau-lo, n.2, p.126-128, 2001.
CANDIDO, A. “Cinquenta anos de Vidas secas”. In: ______. Ficção e confissão. 3. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.
CANDIDO, A. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: ______. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.
DOSSE, M. Poétique de la lecture de la traduction: James Joyce, Vladimir Nabo-kov, João Guimarães Rosa. 2011. 508 f. Thèse (Doctorat en Littérature Générale et Comparée) - Université Paris 8 Vincennes-Saint-Denis, Paris.
ECO, U. Lector in fabula. Barcelona: Lumen, 1993.
HUET, P. D. Pierre Daniel Huet (1661). In: AS BELAS INFIÉIS: antologia de textos sobre tradução na época clássica em França. Introdução, Tradução e Notas de Joao Domingues. Coimbra: Edições Pedago, 2012. p. 74-75. Coleção Diálogos em tradução.
LAROUSSE. Dicionário da língua francesa. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.
MICHAELIS. Dicionário da língua portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2015.
RAMOS, G. São Bernardo. Traduit du portugais par Geneviève Leibrich. Paris: Gallimard, 2015.
RAMOS, G. Vies arides. Traduction de Mathieu Dosse. Paris: Editions Chandeigne, 2014.
RAMOS, G. Insomnie. Traduit du portugais par Michel Laban. Paris: Gallimard, 1998.
RAMOS, G. Sécheresse. Traduction du portugais par Marie-Claude Roussel. Paris: Gallimard, 1989.
RAMOS, G. Vidas secas. São Paulo: Record, 1980.
RAMOS, G. Sécheresse. Traduction du portugais par Marie-Claude Roussel. Paris: Gallimard, 1964.
RAMOS, G. Enfance. Traduit du portugais par G. Gougenheim. Paris: Gallimard, 1956.
ROSENFELD, A. Letras e leituras. São Paulo: Perspectiva: Edusp, 1994.
RUGGIERO, S. Vidas secas. CPV Educacional. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.
STEINER, G. Depois de Babel: questões de linguagem e tradução. Tradução de Carlos. Alberto Faraco. Curitiba: Editora UFPR, 2005.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
Santos, K. D. dos. (2018). "Vidas secas" em francês: tradução e leitura. Non Plus, 7(13), 17-30. https://doi.org/10.11606/issn.2316-3976.v7i13p17-30
Seção
ESTUDOS DA TRADUÇÃO