Fanpages de viagem – Uma análise sobre o Facebook como suporte da memória coletiva

Palavras-chave: memória coletiva, narrativas de viagem, fanpages

Resumo

Estudar se e como se manifestam as narrativas de memórias no Facebook se faz fundamental para pensarmos os relatos de viagem como fonte documental. O presente artigo tem a proposta de discutir teoricamente se as fanpages (páginas de fãs) disponíveis no Facebook são um suporte atual de memória coletiva. Foram observadas as fanpages Por Uma Vida Sem Arrependimentos e 100 Frescura e 1000 destinos, selecionadas graças ao elevado número de postagens e seguidores no ano de 2017. Para tanto, nos apoiamos em Beatriz Sarlo, Priscila Perazzo e Maurice Halbwachs para as reflexões teóricas. Avaliamos que essas postagens caracterizam-se como narrativas da memória na contemporaneidade, graças à tecnologia que envolve as mídias digitais e as redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Braga Santiago de Sá, Universidade Paulista (Unip)

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Roraima (2009). Especialista em Jornalismo Digital pela Universidade Internacional de Curitiba (Uninter). Jornalista concursada da Universidade Federal de Roraima (UFRR) desde 2012. Mestranda em Comunicação na Universidade Paulista (Unip).

Barbara Heller, Universidade Paulista (Unip)

Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1990). Doutora em Teoria Literária pela Universidade Estadual de Campinas (1997). Pós-doutora em Comunicação pela Universidade Metodista (2011), e pela Escola de Comunicação e Artes da USP (2015). Docente e Vice-coordenadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Comunicação da Universidade Paulista (Unip).

Referências

FRESCURA E 1000 DESTINOS, [S.l.], 2013. Facebook. Disponível em: <https://goo.gl/LwGiiC>. Acesso em: 7 fev. 2018.

BENJAMIN, W. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: _____. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. 7.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, v. 1).

CANAVILHAS, J.A internet como memória. BOCC: Biblioteca On-line de Ciências da Comunicação. [S.l.], 2004. Disponível em: <https://goo.gl/1LKxGu>. Acesso em: 5 maio 2017.

CASTRO, S. A carta de Pero Vaz de Caminha: o descobrimento do Brasil. Porto Alegre: L&PM, 2003.

CAZELOTO, E. Ubuntu e a felicidade técnica.Revista Galáxia, São Paulo, n. 21, p.171-175, jun. 2011.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.

GAGNEBIN, J. M. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução Laurent Leon Schaffter. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

JUNQUEIRA, M. A.; FRANCO, S. M. S. (Orgs.). Cadernos de Seminários de Pesquisa – Volume II. São Paulo: USP-FFLCH-Editora Humanitas, 2011.

OLIVEIRA, T. M. Narrativas do passado no Facebook:consumo de temas de história e memória na fanpage “Fortaleza Nobre”. In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MÍDIA, 9., 2013, Ouro Preto. Anais eletrônicos... Ouro Preto: UFOP, 2013. Disponível em: <https://goo.gl/MMFvLw>. Acesso em: 8 maio 2017.

PALÁCIOS, M. Convergência e memória: jornalismo, contexto e história. Matrizes, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 37-50, 2010.

PALFREY, J.; GASSER, U. Nascidos na era digital:entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PERAZZO, P. F. Narrativas orais de histórias de vida. Comunicação & Inovação, v. 16, n. 30, p. 121-131, jan.-abr. 2015. Disponível em: <https://goo.gl/e9aswJ>. Acesso em: 10 maio 2017.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POR UMA VIDA SEM ARREPENDIMENTOS, [S.l.], 2015. Facebook. Disponível em: <https://goo.gl/MV8r2K>. Acesso em: 7 fev. 2018.

SARLO, B. Tempo passado:cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SCHEMES, E. F. Oswaldo Cabral na “Terra da liberdade”: relato de uma viagem na vigência da política de boa vizinhança. 2013. 134 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2013.

TURKLE, S. A memória na tela. In: CASALEGNO, F. Memória cotidiana: comunidade e comunicação na era das redes. Porto Alegre: Sulina, 2006.

Publicado
2018-07-10
Como Citar
Santiago de Sá, A., & Heller, B. (2018). Fanpages de viagem – Uma análise sobre o Facebook como suporte da memória coletiva. Novos Olhares, 7(1), 33-43. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2018.137220
Seção
ARTIGOS