Hibridismo como forma televisiva impura: vozes dissonantes em The Voice Brasil

  • Rosana de Lima Soares Universidade de São Paulo
  • Andrea Limberto Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Práticas Midiáticas, Narrativas Audiovisuais, Hibridismo, Visibilidade, Reality TV.

Resumo

Este artigo pretende recuperar a experiência recente, cada vez mais valorizada e profusa, dos formatos audiovisuais híbridos no sentido de investigar possibilidades para o protagonismo discursivo de distintos atores sociais. Em termos gerais, trataremos de alguns aspectos constituintes do reality show The Voice Brasil, apontando espaços de presença/ausência de sujeitos não hegemônicos em programas televisivos; as práticas discursivas como espaços de intertextualidade e heterogeneidade, comumente referidas nos debates sobre convergências midiáticas; as múltiplas identidades do sujeito em meio à proliferação de imagens; as políticas da representação e os regimes de visibilidade presentes nas mídias, especialmente aqueles relacionados a figuras de alteridade, estabelecendo tensões entre as narrativas do mesmo e do outro nelas apresentadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana de Lima Soares, Universidade de São Paulo

Professora livre-docente no Departamento de Jornalismo e Editoração e no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), realizou pesquisa de pós-doutorado no King’s College Brazil Institute (Londres/Inglaterra). É pesquisadora do MidiAto – Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas.

Andrea Limberto, Universidade de São Paulo

Mestre e doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da USP, realizou pesquisa de pós-doutorado na mesma instituição, intitulada “Nos Termos da #Interdição” (bolsista Fapesp). É pesquisadora do MidiAto – Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas.

Referências

ALTMAN, R. A semantic/syntactic approach to film genre. Cinema Journal, Austin, v. 23, n. 3, p. 6-18, 1984.

AUMONT, J. et al. A estética do filme. 9. ed. Campinas: Papirus, 1995.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FIGUEIREDO, V. L. F. A partilha do espaço urbano e a questão do outro próximo: repercussões no discurso teórico e na ficção cinematográfica. Revista Galáxia, São Paulo, n. 24, p. 103-114, 2012.

FOSTER, H. The return of the real: the avant-garde at the end of the century. Cambridge, MA: The MIT Press, 1999.

JENKINS, H. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JOST, F. Compreender a televisão. Porto Alegre: Sulina, 2007.

GABRIEL Silva abre a terceira temporada e garante vaga no time de Lulu. GShow, Rio de Janeiro, 18 set. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/WYE9Ao>. Acesso em: 14 nov. 2017.

KELLNER, D. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: Edusc, 2001.

NICHOLS, B. Representing reality: issues and concepts in documentary. Bloomington: Indiana University Press, 1991.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2005.

SAID, E. W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SALEM, R. Mostra 2014: ‘Relatos Selvagens’ equilibra pop e inteligência. Folha de S. Paulo. São Paulo, 19 out. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/SWjkwT>. Acesso em: 26 nov. 2017.

SAMAIN, E. Antropologia, imagens e arte: um percurso reflexivo a partir de Georges Didi-Huberman. Cadernos de Arte e Antropologia, Salvador, v. 3, n. 2, p. 47-55, 2014. Disponível em: <https://goo.gl/Vc5Nt7>. Acesso em: 14 nov. 2017.

SERELLE, M. A guinada dos populares: mídia e vida social no Brasil. Revista Contracampo, Niterói, v. 30, n. 1, p. 44-59, 2014.

SILVERSTONE, R. Television and everyday life. London: Routledge, 1994.

SOARES, R. L. De convergências e hibridismos: remixagens e pilhagens em filmes de bordas. Revista Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 137-154, 2011.

______. Realismos audiovisuais: visibilidades intertextuais em documentários televisivos. Doc On-Line: Revista Digital de Cinema Documentário, Covilhã, n. 18, p. 216-240, 2015. Disponível em: <https://goo.gl/TxcXNN>. Acesso em: 14 nov. 2017.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

STAM, R. From hybridity to the aesthetics of garbage: the case of Brazilian cinema. Estudios Interdisciplinarios de América Latina y el Caribe, Tel Aviv, v. 9, n. 1, 2015. Não paginado. Disponível em: <https://goo.gl/tN5SYb>. Acesso em: 14 nov. 2017.

SURPRESA! Deena Love encanta técnicos e entra para o time de Lulu. GShow, Rio de Janeiro, 18 set. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/4c7coi>. Acesso em: 14 nov. 2017.

TWYLA levanta o público do The Voice Brasil com muito rock 'n' roll. GShow, Rio de Janeiro, 20 nov. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/DZV8UG>. Acesso em: 14 nov. 2017.

WILLIAMS, R. Television: technology and cultural form. New York: Schocken, 1975.

THE VOICE Brasil – Deena Love arrepia no palco. 0’36”. The Voice Brasil. YouTube. 2014a. Disponível em: < https://goo.gl/bJxrK8>. Acesso em: 14 nov. 2017.

THE VOICE Brasil – Gabriel Silva abre terceira temporada. 0’36”. The Voice Brasil. YouTube. 2014b. Disponível em: <https://goo.gl/5F6Rg6>. Acesso em: 14 nov. 2017.

THE VOICE Brasil – Twyla arrasa com sua potência vocal. 0’34”. The Voice Brasil. YouTube. 2014c. Disponível em: <https://goo.gl/iGSTQG>. Acesso em: 14 nov. 2017.

Publicado
2017-12-22
Como Citar
Soares, R., & Limberto, A. (2017). Hibridismo como forma televisiva impura: vozes dissonantes em The Voice Brasil. Novos Olhares, 6(2), 7-21. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2017.140389
Seção
ARTIGOS