“A indústria é cultural”

contribuições de John T. Caldwell para a pesquisa em comunicação

  • Marcelo Oliveira Lima Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Palavras-chave: John T. Caldwell, Indústrias de mídia, Textos de mídia, Comunicação, Televisão

Resumo

Buscamos compreender a abordagem metodológica e teórica do pesquisador de cinema e televisão John T. Caldwell, preocupado com as transformações das práticas culturais e intelectuais na indústria da mídia norte-americana nas últimas décadas. Debatemos a proposta do autor a partir de uma “análise integrada” dos fenômenos de comunicação e uma perspectiva multidisciplinar que une economia política, sociologia, antropologia, estética, narrativa e estudos culturais. Exploramos suas discussões sobre conceitos clássicos, como “indústrias de mídia” e “textos de mídia”, além da sua problematização sobrea a interface entre pesquisa científica e indústrias culturais. O autor sugere mais rigor por parte dos pesquisadores de comunicação para evitar que seus trabalhos sejam cooptados pelas indústrias de mídia, cada vez mais preocupadas em comoditizar as teorizações feitas sobre as práticas industriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Oliveira Lima, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Roteirista, doutorando do Programa de Pesquisa em Cultura e Comunicação Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e membro do grupo de pesquisa A-TEVÊ.

Referências

BOURDIEU, P. As regras da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CALDWELL, J. T. Televisuality: style, crisis and authority in American television. New Brunswick: Rutgers University, 1995.

______. Industrial Geography Lessons: Socio-professional rituals and the borderlands of production culture. In: COULDRY, N.; MCCARTHY, A. (Org.). MediaSpace: place, scale and culture in a media age. Londres: Routledge, 2003. p. 163-189.

______. Welcome to the viral future of cinema (television). Cinema Journal, Austin, v. 45, n. 1, p. 90-97, Autumn 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2C5RJVZ>. Acesso em: 15 out. 2017.

______. Production culture: industrial reflexivity and critical practice in film and television. Durham: Duke University, 2008.

______. Screen studies and industrial “theorizing”. Screen. Oxford, v. 50, n. 1, p. 167-179, Spring 2009a.

______. Hive-sourcing is the new out-sourcing: studying old (industrial) labor habits in new (consumer) labor clothes. Cinema Journal, Austin, v. 49, n. 1, p. 160-167, Fall 2009b. Disponível em: <https://bit.ly/2NwJXX3>. Acesso em: 14 out. 2017.

______. Breaking ranks: backdoor workforces, messy workflows and craft disaggregation. Popular Commnication, Londres, v. 8, n. 3, p. 221-226, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2Od2tJj>. Acesso em: 17 out. 2017.

______. Para-industry: researching Hollywood’s blackwaters. Cinema Journal, Austin, v. 52, n. 3, p. 157-165, Spring 2013. Disponível em: <https://bit.ly/2yp4uY5>. Acesso em: 12 out. 2017.

______. Para-Industry, Shadow Academy. Cultural Studies. Londres, v. 28, n. 4, p. 720-740, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2ytZFNc>. Acesso em: 13 out. 2017.

CARDOSO, C. P. Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. 2012. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

CAVES, R. E. Creative industries: contracts between art and commerce. Cambridge: Harvard University Press, 2002.

COULDRY, N. Media rituals: a critical approach. Londres: Routledge, 2002.

DENA, C. Transmedia practice: theorising the practice of expressing a fictional world across distinct media and environments. Tese (Doutorado em Culturas Digitais) –University of Sidney, Sidney, 2009.

FREHSE, F. Clifford Geertz. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 235-243, 1998. Disponível em: <https://bit.ly/2Ppaw2v>. Acesso em: 22 out. 2017.

GOMES, I. Gênero televisivo como categoria cultural: um lugar no centro do mapa das mediações de Jesús Martín-Barbero. In: Revista Famecos, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 111-130, jan./abr. 2011.

HESMONDHLAGH, D. The Menace of Instrumentalism in Media Industries Research and Education. Media Industries Journal, Ann Arbor, v. 1, n. 1, p. 69-74, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2E8mhsF>. Acesso em: 13 out. 2017.

HESMONDHALGH, D.; BAKER, S. Creative labour: media work in three cultural industries. Londres: Routledge, 2011.

JENKINS, H. A cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KRESS, G.; LEEUWEN, T. Multimodal discourse: the modes and media of contemporary communication. Londres: Bloomsbury Academics, 2001.

LIFE in a Day. Box Office Mojo, 10 set. 2018. Disponível em: <https://bit.ly/2OfVSy2>. Acesso em: 10 out. 2018.

LOTZ, A. D. The television will be revolutionized. Nova York: NYU Press, 2007.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

MAYER, V. Bringing the “social” back in: studies of production cultures and social theory. E-compós, Brasília, v. 12, n. 3, set./dez. 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2AiNMvQ>. Acesso em: 17 out. 2018.

MITTELL, J. Genre and television: from cop shows to cartoons in American culture. Londres, Routledge, 2004.

NEWCOMB, H. À procura de fronteiras no campo dos estudos de mídia. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, a. 23, n. 36, p. 73-87, 2 semestre 2001.

SHADOW Academy. Wookieepedia, the Star Wars Wiki, [S.l.], 22 maio 2006. Disponível em: <https://bit.ly/2NBGjeC>. Acesso em: 10 out. 2018.

VONDERAU, P. Industry proximity. Media Industries Journal, Ann Arbor, v. 1, n. 1, p. 69-74, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2OgsVle>. Acesso em: 13 out. 2017.

WACQUANT, L. Esclarecer o habitus. Educação & Linguagem, Porto, v. 10, n. 16, p. 63-71, 2007. Disponível em: <https://bit.ly/2CsLziN>. Acesso em: 21 out. 2017.

Publicado
2018-12-10
Como Citar
Lima, M. (2018). “A indústria é cultural”. Novos Olhares, 7(2), 78-89. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2018.149048
Seção
ARTIGOS